Governador Agnelo Queiroz se enrola todo ao tentar explicar o “empréstimo” ao lobista, quando trabalhava na Anvisa.

Em entrevista ao repórter Fernando Rodrigues, da Folha/UOL, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, tentou explicar o empréstimo que teria feito a um lobista da indústria farmacêutica, quando era diretor da Anvisa (Vigilância Sanitária). O diálogo é patético e muito esclarecedor, mostrando que o governador diz que em Brasília é hábito guardar dinheiro em casa.  “Sempre tenho um pouco de dinheiro em espécie em casa. Aí é uma questão de segurança. Isso é uma coisa absolutamente normal”, alegou Queiroz, que acaba de ter seu sigilo bancário quebrado pelo Superior Tribunal de Justiça, junto com seu sucessor no Ministério do Esporte, Orlando Silva.  Vejam a transcrição da entrevista.

****

Folha/UOL: Deixe-me falar de uma das acusações que o sr. está mencionando. Em 25.jan.2008, quando o sr. era diretor da Anvisa, o lobista Daniel Almeida Tavares depositou R$ 5 mil na sua conta bancaria. Ele disse primeiro que era propina, depois voltou a trás. O sr. disse que era pagamento de um empréstimo que o sr. havia feito a ele, Daniel Almeida Tavares. O sr. pode esclarecer o que aconteceu nesse episódio.

Agnelo Queiroz:
Claro. O Daniel foi um militante, conheço [Daniel] há uns 20 anos. E foi um militante do PC do B. Naquela época, ainda época ainda de jovem. Trabalhou em várias campanhas. Uma pessoa… uma relação muito próxima do Messias, que é um dos dirigentes aqui do PC do B. Enfim… E depois ele se transformou numa… É… se transformou… era um secretário, espécie de um secretário particular de uma indústria farmacêutica aqui [em Brasília]. Enfim… E ele, eu conhecia a pessoa. Tem essa relação. Me pediu, uma vez, que ia para uma cidade, não sei se era Goiânia, alguma cidade, pediu emprestado. Emprestei a ele um dinheiro, porque ele precisavaem dinheiro. E me pagou depois. Não tem nenhuma anormalidade nisso. Não tem nenhum caráter… Já pensou se isso fosse uma… Alguém pode se corromper por R$ 5 mil? Alguém pode é… se corromper mandando depositar na sua própria conta, de conta corrente para conta corrente? Então isso é uma coisa absolutamente, digamos assim…

Folha/UOL: Esse é um caso que é muito fácil de entender. Qualquer brasileiro sabe o que são R$ 5.000 reais.

Agnelo Queiroz:
Ahn.

Folha/UOL: R$ 5 mil entraram na sua conta bancária e quem fez o depósito foi o rapaz, Daniel Almeida Tavares, que era um representante, lobista de uma empresa farmacêutica. O sr. disse que fez um empréstimo. Como que o sr. fez esse empréstimo? Teve um contrato? Teve um papel? Teve um cheque? Como é que o sr. deu o dinheiro para essa pessoa?

Agnelo Queiroz:
Não. Não teve. Eu dei o dinheiro para essa pessoa.

Folha/UOL: Em dinheiro?

Agnelo Queiroz:
Em dinheiro. Ele esteve inclusive na minha casa e pediu emprestado. Eu já conhecia a pessoa. Além de conhecer a pessoa eu sabia onde trabalhava. Trabalhava com uma pessoa que era também um amigo meu de muitos anos. Não vi problema nenhum. Tanto é que a devolução desse recurso foi feita, ela foi feita por via bancaria. De conta corrente para conta corrente. Da conta corrente dele para a minha conta corrente. Não tem registro maior do que esse. Esse é o maior registro.

Folha/UOL: O sr. tinha R$ 5 mil em casa para dar para ele?

Agnelo Queiroz:
Tinha.

Folha/UOL: Mas o sr. costuma guardar quantias desse tipo de montante em espécie em casa?

Agnelo Queiroz:
É, desse porte, desse porte sim. Porque não é uma grande quantidade de recursos. E quem mora em casa aqui [em Brasília] não é novidade que se guarde…

Folha/UOL: R$ 5.000 governador, não é uma quantia grande para ter em espécie em casa?

Agnelo Queiroz:
Não. Não.Em absoluto. Não é uma quantia grande. Entendeu? Eu tinha isso em casa, emprestei a ele. Não vi nenhuma anormalidade nisso,em absoluto. Ele próprio confirma isso.

Folha/UOL: E esse dinheiro saiu da sua conta bancária?

Agnelo Queiroz:
[Pausa] Claro, tem que sair da conta bancária…

Folha/UOL: O sr. fez um saque?

Agnelo Queiroz:
Sim, de muito tempo. Eu tinha recurso em dinheiro. Sempre tenho um pouco de recurso em casa. Eu moro em casa, no Lago Sul [bairro nobre de Brasília] e é importante a gente sempre ter um pouco de dinheiro em casa.

Folha/UOL: O sr. não acha que ajudaria, nesse episódio específico, a esclarecer, se o sr. demonstrasse quando o sr. fez essa retirada de dinheiro em espécie para guardar em casa?

Agnelo Queiroz:
Isso há muito tempo, né, que eu tinha feito. Tinha esse dinheiro há muito tempo.

Folha/UOL: Mas, assim, muito tempo seria quanto?

Agnelo Queiroz:
Há muito tempo. Sempre tenho um pouco de dinheiro em espécie em casa. Aí é uma questão de segurança. Isso é uma coisa absolutamente normal.

Folha/UOL: Mas não seria bom para o sr… O dinheiro era seu, estava em casa, é perfeitamente legal. Todo mundo pode ter dinheiro em casa…

Agnelo Queiroz:
Claro, claro…

Folha/UOL: Mas o dinheiro, o sr. está dizendo, o sr. sacou, da sua conta, e guardou em casa. Deve aparecer no seu extrato bancário, hoje em dia é tudo informatizado, o dia em que o sr. fez algum saque grande para guardar o dinheiro em casa. Não era bom mostrar talvez?

Agnelo Queiroz:
Isso eu posso mostrar, isso não tem problema. Porque isso há muito tempo eu… Há muito tempo eu tinha o dinheiro em casa.

Folha/UOL: Porque, mesmo que tenha sido há 10 anos, 5 anos, é possível saber, identificar no extrato um saque grande em espécie. Aparece descrito. O sr. teria esse extrato?

Agnelo Queiroz:
Eu tenho o dinheiro em casa. E evidentemente que esse dinheiro foi de alguma fonte que eu tive esse dinheiro em casa. Então eu não tenho problema nenhum em ter esse recurso em casa. Não tem problema nenhum.

Folha/UOL: Não, mas eu… O sr. falou: “Em algum dia que eu retirei da minha conta”. É isso mesmo, da sua conta bancária?

Agnelo Queiroz:
Sim, da minha conta, ou da minha esposa.

Folha/UOL: O sr. acha possível com o extrato bancário da sua mulher, do sr. ou de quem quer que seja, de onde saiu o dinheiro… [mostrar]: “Olha aqui foi um saque, tal data. Esse dinheiro ficou em casa muito tempo e aí eu fiz esse empréstimo”. O sr. acha isso possível?

Agnelo Queiroz:
Eu nunca fiz essa pesquisa, eu não tinha feito essa pesquisa antes porque esse é um recurso que eu tinha em dinheiro, em casa, já há algum tempo, né. Então eu não tinha feito isso. Eu tinha o recurso em dinheiro e eu moro em casa, no Lago Sul, é importante você ter por questão de segurança…

Folha/UOL: Sim, mas sobre o extrato. O sr. o sr. chegou a verificar se o sr. tem cópia desse extrato com esse saque na conta da sua mulher ou do sr.?

Agnelo Queiroz:
Não, não cheguei a verificar porque esse é um recurso que eu estava, um fim de semana, ele [Daniel Almeida Tavares] chegou, me pediu o recurso, era em dinheiro porque ele precisava desse dinheiro porque ia viajar, e eu emprestei. É uma relação absolutamente normal.

Folha/UOL: E o sr. acha que não teria, enfim, a partir de agora, porque virou uma pequena celeuma, não teria como verificar se é possível apresentar esse extrato desse saque?

Agnelo Queiroz:
É. Claro que é.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *