Governantes hoje ficam bem longe do povo

Laco Silva

Nenhum chefe de governo hoje, exceto Pepe Mujica, presidente do Uruguai, se aventura a andar pelas ruas de seus países. Aqui, Getúlio Vargas, até antes da investida dos integralistas em 37, ainda caminhava do Palácio  Guanabara, pela ruas Paissandu, Ipiranga, Conde de Baependi, Praça S. Salvador e retornava pela Paissandu até o palácio.

Depois de 37, só com Gregório Fortunato acintosamente armado no estribo do carro e apenas pela rua Paissandu, em pequeno trecho.

Em 1962, às vezes Jango ainda podia ser visto de noite no bar do Hotel Novo Mundo, na Praia do Flamengo, esquina da rua Silveira Martins. E Costa e Silva foi visto numa corrida noturna no meio da arquibancada social do Jockey Club com não mais que um par de seguranças. Não resistia a um joguinho e particularmente às acumuladas.

A propósito de figurões de governos, o Helio Fernandes deve se lembrar que o ministro da Justiça do Jango, Abelardo Jurema, despachava processos frequentemente na boite Sacha’s, no Leme, entre um gole e outro.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

7 thoughts on “Governantes hoje ficam bem longe do povo

  1. Prezado Laco,
    A introdução está realmente magnífica.Termine o artigo,o assunto é excelente e de grande interesse,para pessoas como eu,que gostam desse tipo de histórias.

  2. Para mim, isso é propaganda institucional do governo inglês aproveitada para comparar com os governantes brasileiros. Quem não quiser acreditar que não acredite. Lá são piores, tem até ministros acusados e processados por pedolatria e negócios escusos com sheiks do Golfo. Sergio Cabral, por exemplo, tem fotos disponíveis dentro de metrô do Rio e todos nós sabemos que anda em carro escuro e já cansou de aborrecer os moradores do Parque Guinle com seus traslados do Laranjeiras ao Guanabara de helicóptero para evitar olhar os transeuntes e motoristas do bairro. Ainda mais o Cameron, que está impopular com cortes de verbas sociais, tropas no Afeganistão com pesquisas populares contrárias à guerra, Londres com maluco que recentemente cortou a cabeça de soldado na rua e o próprio até desafiado em seu próprio partido. Aqueles caras da foto do metrô e a forma com que lê a capa do jornal não me enganam. Já vi caras dissimuladas assim em fotos de rua com Saddan Hussein. Olha, o meu texto foi um comentário a respeito de uma menção do Helio sobre a impopularidade do primeiro-ministro francês, além de uma ligeiríssima lembrança histórica desse tema no Brasil. É claro que dos mais de 170 países do mundo, possivelmente alguns chefes de governos de países minúsculos e insignificantes circulem, sei-lá se o da República das Ilhas Marshall ou semelhantes. Também aqui no país, o prefeito de Piancó, Pb, circula sem segurança pelas ruas do município, mas duvido que o Fortunatti, o Haddad, o Paes e o Marcio Lacerda se arrisquem a ir ao trabalho de transporte coletivo. O caso do Mujica num país de alguma relevância e interesse por ser nosso vizinho é raro por vários fatores, principalmente pela simplicidade e por ser apreciado pessoalmente até pela oposição que critica seus partidários. O cara não tem nada nem vaidade pessoal. Parece um franciscano no trajar. Aliás, seu antecessor Tabaré Vazquez durante todo seu mandato nunca deixou de atender semanalmente a clientela em seu consultório de oncologia, exceto quando questões de governo ou viagens se faziam necessárias. Quem nada deve, nada teme.

  3. No tocante ao nosso país, os governantes têm um péssimo retrospecto de promessas políticas descumpridas, enriquecimento no poder, traições com correligionários, ingratidões e sacanagens com aqueles que os ajudaram diretamente, adultérios descarados e até mesmo de escarnecer do povão. Só para citar alguns recentes, JK sacaneou o Helio que o ajudou na campanha eleitoral, Castelo Branco traiu acordo com JK e Lacerda. Geisel foi ingrato e canalha com o seu fiel auxiliar Hugo Abreu, Figueiredo zombou do povão ao dizer que se suicidaria se ganhasse salário mínimo, FHC chamou aposentados de vagabundos, Lula começou seu governo martirizando aposentados, chamando banqueiro do Bradesco de companheiro e dando ordens para seu ministro da Justiça e advogado pessoal prejudicar e restringir direitos de vítimas da ditadura indiferentes ou divergentes de seu governo e Dilma faz o mesmo que o Lula, embora sem dizer publicamente besteirol como ele. Isso tudo quando não mandam diretamente baixar o cacete nos opositores ou persegui-los administrativamente e colocarem depois seus atos nefastos cínica e covardemente em cima de funcionários subalternos.

  4. Vou acrescentar mais um na lista de políticos importantes que tinham hábito de caminhar
    pelas ruas: Leonel Brizola, quando Governador, algumas vezes saia de sua residência na Av. Atlântica e ia até a Rua Miguel, no bar do Allis, sem guarda costa.

  5. Volto ao titulo, porque nínguem comentou o golpe de mestre da Presidente DILMA, ao escolher Luis R. Barroso para ministro do Supremo. Só o sr. poderia perceber este golpe de mestre da Presidente.
    O golpe de mestre é ter imobilizado a Globo, visto que o ministro é um grande Constitucionalista e também fica impedido de votar contra a Globo [Tv Paulista].

Deixe um comentário para JOSÉ CARLOS WERNECK Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *