Governo falha no setor elétrico e os consumidores é que pagam a conta

Charge do Tacho (correiobrazileinse.com.br)

Pedro do Coutto

Reportagem de Manoel Ventura, O Globo desta quarta-feira, coloca em destaque a mais recente medida do Ministério de Minas e Energia para enfrentar a crise causada pela queda do nível das represas no país e, em consequência, a necessidade de se recorrer às termelétricas.

Já vimos que a mobilização das termelétricas acarretará um aumento nas tarifas industriais, comerciais e domiciliares em cerca de 20%, parcela que será adicionada ao aumento recentemente fixado pela Eletrobras. Isso de um lado demonstra que os consumidores serão, mais uma vez, as vítimas de sempre, especialmente os domicílios, uma vez que a indústria pode repassar o aumento ao comércio.

NO FINAL DA LINHA – Já o comércio e o setor de serviços podem repassar o aumento para os consumidores. No final da linha dessa transmissão injusta, o peso recairá sobre as famílias por uma omissão pela qual não são responsáveis.

O Ministério das Minas e Energia quer agora antecipar a entrada em operação de unidades que não são relacionadas mas que se presume aptas a funcionar, e também expandir as linhas de transmissão porque a escassez de água não atinge todas as regiões e, assim, pelo menos na teoria, poderia a energia potencialmente existente ser transportada para as áreas carentes através das linhas de transmissão.

O almirante Bento Albuquerque, titular do MME, está entrando em contato com empresas detentoras de geração de energia e também com as companhias responsáveis pela construção de linhas de transmissão para que operem efetivamente e possam compensar as quedas de produção que estão ocorrendo na área hidrelétrica.

MOBILIZAÇÃO – O que não se compreende é que só agora a Eletrobras, que integra o Ministério de Minas e Energia, tenha que se mobilizar para permitir uma produção adicional que compense os recuos do momento. Mas a pergunta que se faz, independentemente da situação de emergência, é o fato de o governo Bolsonaro, com mais de dois anos de ação, não ter se preocupado com o problema da transmissão, o que é uma omissão grave, porque o exemplo no país já existe.

Por que somente agora, quando há uma escassez preocupante, o governo se mobiliza em acionar soluções que demandam longo prazo, como é o caso do surgimento de novas linhas de transmissão?

Pelo texto da reportagem, supõe-se que existam usinas que foram concluídas, mas não estão produzindo. Se estivessem, não haveria a necessidade de a Eletrobras dirigir um apelo para que passassem a produzir um bem tão essencial que é o da energia elétrica.

FALTOU SERIEDADE – De outro lado, a recomendação para se acelere as linhas de transmissão tem que levar em conta as distâncias e o que foi feito em matéria de linha da transmissão ao longo dos dois últimos anos, além do que deixou de ser feito em períodos anteriores. Não é fácil estender linhas de transmissão abrangendo milhares de quilômetros. Por que o programa não foi levado a sério nas duas últimas décadas?

Como sempre, o peso inflacionário causado pela omissão é transferido para os que nao têm culpa alguma pela situação de emergência ou pela falta de chuvas. O fenômeno das chuvas não pertence à tecnologia instalada no país.

MAIA E LULA – No O Globo de ontem, Malu Gaspar e Mariana Carvalho publicam matéria revelando que o deputado Rodrigo Maia, ex-presidente da Câmara Federal, depois de uma reunião que manteve no Palácio da Cidade do Rio, a qual estiveram presente o prefeito Eduardo Paes e a deputado Glady Hoffmann, presidente do PT, anunciou a sua disposição de colaborar na campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva.

Rodrigo Maia encontrou-se sem espaço no DEM e vai se alinhar em outra legenda. Essa outra só pode ser uma das que se dispõe a participar da campanha do ex-presidente, pois se assim não fosse, Maia não poderia engajar-se na campanha. Portanto, ele terá que buscar uma sigla compatível com a sua disposição de participar da próxima campanha em 2022 quando terá que renovar o seu mandato nas urnas do Rio de Janeiro.

PRESSÃO –  Não será difícil eleger-se, já que marcou a sua atuação quando presidiu a Câmara dos Deputados. E se afastou inclusive por pressão do Planalto. Por falar no Palácio do Planalto, estava na pauta de ontem da Câmara um projeto destinado a reger fatos ilegais que se destinem a punir agentes públicos, entre eles, portanto, os deputados, pela prática de atos ilegais.

Na minha opinião, o fato parece incrível porque uma das emendas apresentadas reduz os casos de legalidade. Passa a prever punição apenas aos que manifestarem intenção de praticar atos ilegais. Como pode ser isso ? A pratica ilegal é sempre intencional. É realmente surpreendente a atitude de parlamentares que no fundo estão advogando previamente em causa própria.

7 thoughts on “Governo falha no setor elétrico e os consumidores é que pagam a conta

  1. A crise energética vem se repetindo nos últimos 20 anos. Isso demonstra cabalmente, a nossa falta de planejamento brutal. Os governos e o atual, mais ainda, vivem de apagar incêndios, agindo na linha da corretiva. Não previne nem planeja, logo, as crises aparecem uma atrás da outra.
    As imagens das cataratas de Foz de Iguaçu, no seu nível de queda reduzido a um terço da capacidade, é um retrato do desmatamento das margens do Rio Paraná e dos incêndios do Pantanal, que estão afetando a performance da Usina Hidroelétrica de Itaipú. No Amazonas a Hidroelétrica de Tucuruí construída no governo do general Figueiredo, vem reduzindo a produção de energia. Já se trabalha com a possibilidade de racionamento de energia, aumento das tarifas de eletricidade e até editaram uma medida provisória para o Ministério das Minas e Energia fazer o que vem entender no desvio de águas das barragens. O IBAMA nada poderá fazer. Os agricultores e o Agronegócio serão afetados, com o racionamento, mais oneroso para a Economia do que a Conservação de Energia. Evidente que os preços dos alimentos irão subir, com o acréscimo nas contas de luz.
    Já falam em usar o carvão para aumentar a oferta de energia. Atraso em cima de atraso. Aonde nós vamos parar?

  2. A PEC da Impunidade, votada na Câmara e que seguirá para votação do Senado sob os auspícios de Arthur Lira, presidente da Câmara, apoiado por Bolsonaro e pelo PT também, e o maior retrocesso da história republicana. Trata-se de um passaporte para a impunidade. Ulisses Guimarães, o mais importante líder político do Brasil, presidente da Câmara, do MDB, Senhor Diretas, disse profeticamente: ” se vocês acham esse Congresso ruim, então esperem o próximo”. Há doutor Ulisses Guimarães, esse Congresso atual superou em muito, as suas previsões. Em relação ao Rio de Janeiro, então, chega a ser catastrófico.

  3. O deputado federal Rodrigo Maia, ex presidente da Câmara dos Deputados, começou a errar, quando apostou no ministro Paulo Guedes e suas pautas neoliberais, contra o povo. É aquele adágio, que não falha: diz com quem andas, que te tirei quem és”. Guedes a mando de Bolsonaro tirou o tapete de Maia, quando ele insinuou sua candidatura a presidência. Cometeu o mesmo erro de Moro, Mandetta, Witzel e Dória.
    O tratoraço em cima de Maia, teve o lance definitivo com a traição do presidente do DEM, ACM Netto, o novo Toninho malvadeza da Bahia, que expulsou o ex- amigo do Partido.
    Agora, a meu juízo, comete novo erro, ao se aproximar do prefeito Eduardo Paes e Gleise Hofmman, presidente do PT. Dois traidores políticos de marca maior.
    Como dizia o governador Leonel Brizola: a política ama a traição, mas, abomina o traidor.

  4. Para completar

    Esse é o nosso Brasil brasileiro . . .

    Lobby faz a Câmara votar projeto que pode inviabilizar geração de energia solar – Diário do Poder

    https://diariodopoder.com.br/claudio-humberto-home/camara-vota-esta-semana-projeto-que-pode-inviabilizar-energia-solar-residencial

    Apesar de você investir um valor considerável, correr os riscos, manutenção do seu sistema de geração residencial de energia eles querem que pague aluguel pelo uso da rede de distribuição da concessionária e os estados querem cobrar ICMS quando a concessionária lhe devolve sua energia que foi injetada na rede devido seu consumo ter sido menor que sua produção.
    Mesmo tenho geração própria de energia se estiver ligado a linha da concessionária o consumidor continuará tendo de pagar a Taxa Miníma.

    Enquanto os países industrializados estão estimulando geração de energia limpa fotovoltaica nas residências com a finalidade de sobrar energia nobre para as indústrias.

    Abraços,

  5. O imprestável e corrupto Rodrigo Maia, codinome Botafogo nas planilhas da bandidocracia, está desesperado atrás de alguém que banque a sua candidatura, pode ser qualquer um, até mesmo Lula, o ladrão-mór.
    🙂 Um primor, o humorismo do jornalista Pedro do Coutto sobre a expulsão do deputado: “Rodrigo Maia encontrou-se sem espaço no DEM” 🙂

  6. Essa gestão de incompetência foi “plantada”, para forçar o clamor de vários setores, inclusive, dos consumidores pela privatização ou esbulho de mais uma Estatal brasileira.
    Eletrobras e subsidiárias pagavam um dos maiores salários do serviço Público Federal e Estadual (nas concessionárias de energia elétricas, nos estados). Ingressei numa dessas, mediante provas; lá trabalhei e conheci muitos filhos de bacanas “enxertados”, atraídos pelo ganho robusto e outras regalias. Durante meu exercício, na dita concessionária, prestei concurso para a Eletronorte, aprovado, eu mais 30, nunca fomos chamados. O curso de qualificação seria numa hidroelétrica de Ilha Solteira.

Deixe um comentário para Guilherme Almeida Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *