Governo recua e propõe manter orçamento da Educação superior ao da Defesa em 2021

Charge do Duke (otempo.com.br)

Manoel Ventura e Marcello Corrêa
O Globo

O governo recuou e propôs, nesta segunda-feira, dia 31, que o Orçamento da Educação seja maior que os gastos previstos para o Ministério da Defesa no próximo ano. Os dados fazem parte da Proposta Orçamentária Anual de 2021, encaminhada pelo governo ao Congresso.

Segundo o Ministério da Economia, o Orçamento da Educação será de R$ 114,917 bilhões. Já o gasto da Defesa poderá somar R$ 110,784 bilhões. Na comparação com o projeto orçamentário apresentado para 2020, houve uma alta de 2,16% na previsão de gastos para Educação e de 4,83% no Orçamento da Defesa.

PREVISÃO – A conta do Orçamento da Educação não inclui a complementação da União para o Fundeb nessa conta. Ela está prevista para R$ 19,6 bilhões em 2021. Nas discussões internas do governo sobre o Orçamento do próximo ano, documentos elaborados pelo Ministério da Economia previam gastos maiores para as Forças Armadas. O governo recuou depois de sofrer críticas.

Se forem levadas em consideração apenas as despesas não obrigatórias, sobre as quais o governo tem controle, o Orçamento do Ministério da Defesa terá alta de R$ 1,6 bilhão em 2021 (para R$ 11,7 bilhões). Na Educação, houve um corte de R$ 1,8 bilhão (para R$ 19,9 bilhões). Um ano após após a pandemia do novo coronavírus, o orçamento da Saúde será de R$ 135 bilhões. Isso representa uma alta de R$ 1,67% (ou R$ 2,2 bilhões), na comparação com o projeto apresentado pelo governo para este ano.

Essas comparações são feitas levando em conta os projetos apresentados pelo governo ao Congresso, e não considera as mudanças que os parlamentares fazem nos textos. Os deputados e senadores geralmente alteram e ampliam algumas despesas, como investimentos.

BOLSA FAMÍLIA – Por conta da pandemia, o gasto com a Saúde previsto para este ano já chega a R$ 174,8 bilhões. Isso inclui créditos extraordinários, fora do teto de gastos, valores não previstos no PLOA 2020. Nos demais ministérios, a Cidadania ganhou mais 10% para gastar em 2021, puxado por uma alta no Bolsa Família.

O Ministério da Infraestrutura ganhou 1,5% na comparação com os de 2020. O Ministério do Desenvolvimento Regional retraiu 6,17%. Também houve corte no Ministério do Meio Ambiente, de 4,74%.

###
VARIAÇÃO DOS ORÇAMENTOS PREVISTOS PARA OS PRINCIPAIS ÓRGÃOS DA UNIÃO, NA COMPARAÇÃO COM O PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ENVIADO HÁ UM ANO:

Advocacia-Geral da União: de R$ 450 milhões em 2020 para R$ 462 bilhões em 2021 (aumento de 2,6%);

Agricultura, Pecuária e Abastecimento: de R$ 2,074 bilhões em 2020 para R$ 2,417 bilhões em 2021 (aumento de 16,53%);

Cidadania: de R$ 2,911 bilhões em 2020 para R$ 2,417 bilhões em 2021 (queda de 17%);

Ciência e Tecnologia: de R$ 3,78 bilhões em 2020 para R$ 2,735 bilhões em 2021 (queda de 27,7%);

Comunicações: o ministério não existia em 2020 e terá 1,577 bilhões em 2021;

Controladoria-Geral da União: de R$ 110 milhões em 2020 para R$ 102,6 milhões em 2021 (queda de 6,72%);

Defesa: de R$ 10,105 bilhões em 2020 para 11,738 bilhões em 2021 (aumento de 16,16%);

Desenvolvimento Regional: de R$ 6,575 bilhões em 2020 para R$ 6,250 bilhões em 2021 (queda de 5%);

Economia: de R$ 10,904 bilhões em 2020 para R$ 12,983 bilhões em 2021 (aumento de 19%);

Educação: de R$ 21,837 bilhões em 2020 para R$ 19,955 bilhões em 2021 (queda de 8,61%);

Infraestrutura: de R$ 7,937 bilhões em 2020 para R$ 8,176 bilhões em 2021 (aumento de 3%);

Justiça e Segurança Pública: de R$ 3,950 bilhões em 2020 para R$ 2,678 bilhões em 2021 (queda de 32,2%);

Meio Ambiente: de R$ 561 milhões em 2020 para R$ 534 milhões em 2021 (queda de 4,8%);

Minas e Energia: de R$ 1,011 bilhão em 2020 para R$ 5,067 bilhões em 2021 (aumento de 401%);

Mulher, da Família e dos Direitos Humanos: de R$ 220,4 milhões em 2020 para R$ 220,6 milhões em 2021 (estável);

Presidência da República: de R$ 968,1 milhões em 2020 para R$ 392 milhões em 2021 (queda de 59,5%);

Relações Exteriores: de R$ 1,499 bilhão em 2020 para R$ 1,783 bilhão em 2021 (aumento de 18,94%);

Saúde: de R$ 18,606 bilhões em 2020 para R$ 16,348 bilhões em 2021 (queda de 12,13%);

Turismo: de R$ 668,1 milhões em 2020 para R$ 661,2 milhões em 2021 (queda de 1%);

Vice-Presidência: de R$ 7,6 milhões em 2020 para R$ 6,5 milhões em 2021 (queda de 14,5%).

 

13 thoughts on “Governo recua e propõe manter orçamento da Educação superior ao da Defesa em 2021

    • Quanto do dinheiro produzido com o esforço do trabalhador e do empresário vai para os bolsos desses maus funcionários públicos, via ministérios, forças armadas, funcionários de estatais e outros sem vergonhas?
      A maior parte desse dinheiro é para pagar salários altos a quem nada faz, e ainda roubam, e muito.
      Quando teremos mais Mouros para prender esses vagabundos?

  1. Queimou o filme e recuou, ia ficar muito patente o plano, fortalecer as FFAA para invadir a China, ou pior, rebaixar o nível da população para vender o país barato.
    Agora falando sério, acho que alguém teve juízo e previu a catástrofe mediática a nível mundial, quando repercutida pela oposição, além de expor cristalinamente o visceral plano do Mito, fortalecer o apoio militar para manter a espada de Damócles do golpe, sobre a cabeça da oposição judicial e popular, já que a política já foi comprada.

  2. Este artigo merece ampla análise por parte dos nobres comentaristas da Ti, já que as diferenças constatadas entre as dotações, são indicativas do rumo e planos futuros do Governo. Mesmo não contendo fofocas entre “petralhas” e “bolsotontos” o assunto tem substância suficiente para teóricos embates entre os colegas.

  3. Uau a Saúde tem uma queda de 12% e as Relações Exteriores um crescimento de 19%, coisa de louco. Educação 9% e Ciência e Tecnologia 28% como é que este país vai se preparar para a indústria 4.0 quem vem por aí?

  4. Ímpio, infelizmente o Brasil deitou no berço esplêndido do agro negócio e liquidação dos recursos minerais e não viu o bonde da tecnologia e conservação ambiental passar, e agora, simplesmente estamos com, no mínimo, vinte anos atrasados, e com esses “estadistas” que o voto inteligente e democrático nos tem brindado, a única alternativa viável é ser, em futuro bastante próximo, a lata de lixo do universo.

  5. Mas a Defesa vai ficar mais vulnerável. Vai que surja uma guerra contra o Paraguai ou a Bolívia, como nos defenderemos? Lembrem-se: não temos guerra há mais de 2 séculos! Temos que compensar a falta de experiência com armamento moderno. Desse modo basta apertar o botão e pronto!
    Além disso, pra quê educação se um general pode desempenhar o papel de médico, engenheiro, veterinário. Lembrem-se: eles são treinados em logística!

  6. VIVA O PIBINHO DO GUEDES

    O folclórico e desonesto czar da economia brasileira, Paulo Guedes, tenta justificar o injustificável quando ver o resultado do naufrágio do PIB brasileiro, que caiu 50% acima das previsões de seus dublês de tecnocratas com corretores de prostíbulo.
    Segundo o velhaco o PIB brasileiro caiu por motivos pretéritos, tentando a velha máxima gasta e rota de tentar colocar a culpa de tudo que dá errado no PT e satanizar a figura da esquerda.
    Ocorre que no Brasil nunca houve governo de esquerda, o que mais se aproximou disso foi um governo liberal progressista de Lula e que foi capitaneado por seu vice, José de Alencar um notável empresário ligado ao empreendedorismo e a produção.
    depois disso tivemos um desastre chamado Dilma Rousseff que simplesmente implementou esse projeto neoliberal ao qual Paulo Guedes apenas a profunda e da continuidade, são todos farinha do mesmo saco, isento apenas a parte do governo de Lula aonde se colheram alguns frutos.
    Paulo Guedes não passa de um estelionatário, um trambiqueiro a serviço do capital internacional, a única coisa que ele conseguiu fazer de útil foi transformar o tamborete que ele tinha como banco em uma das instituições mais importantes do país, hoje nada acontece no país sem o dedo do seu banco, aquele que ele saiu da sociedade de mentirinha.
    Esse carcmano escroto, esse vendilhão e vendido, e com mais de 70 anos de idade ainda se dedica a destruir o país, sucatear a nossa indústria doar as nossas estatais por valores aviltantes, destruir os direitos trabalhistas do povo brasileiro sobre o argumento de que depois disso a nossa economia explodiria.
    E explodiu mesmo, hoje temos um economia em frangalhos, que depende de bolsa esmola, de divisão de migalhas entre a população para manter male male uma economia tropega, vacilante, instável quase toda baseada no bolo de pote e na venda de doces em sinal de trânsito.
    O povo se ilude com esse aparente movimento de dinheiro promovido por essa distribuição social, que pasmem, representa menos de 15% do que foi doado de mão beijada para os bancos, se metade do que foi doado para os bancos ruas injetado por exemplo na infraestrutura o Brasil seria um canteiro de obras.
    E assim de truque em truque, de trambique em tambique, de mentira em mentira esse patife do Paulo Guedes se mantém como grande artífice da economia brasileira, na realidade seu atual coveiro, não sobe a economia como do futuro de milhões de brasileiros.
    Ué Rubem? Você não defende o bolsonaro, você outro dia não estava falando aqui, Gil bolsonaro disparou a sua popularidade, que o bolsonaro hoje está nadando de braçadas e dando as cartas pouco se importando com a oposição?
    Sim, falei tudo isso e não retiro uma vírgula ou um ponto, talvez falte ainda controle emocional e maldade a vocês para diferenciar hein O que é uma análise dê uma opinião, vocês têm ouvido direto as minhas análises, todas elas Frias e retiradas do nosso cotidiano.
    Aqui e agora você está lendo uma postagem aonde está abordada a minha opinião, a minha visão do presente e do futuro do país, sem esquecer de quem criou essa tragédia num passado recente, eu não mudei os meus conceitos e a minha ideologia, são as pessoas que leem com os olhos e ao invés de processar com um cérebro preferem processar as informações com o fígado.
    O resultado é mais do que previsível, bolsonaro com 1,20 de altura parece um gigante no nosso cenário político, é o que se chama de relatividade, tecnicamente ele é um anão mas no campo de batalha aonde ele se encontra no momento ele se transforma em gigante, não pela sua altura mas exatamente pela baixa estatura dos seus adversários e oponentes.

    Rubem Gonzalez.

    https://www.facebook.com/rubem.gonzalez.568/posts/352777689236126

  7. Como vocês se atrevem a desqualificar o Gurú de Chicago? Ele não diz que ia zerar o déficit público? Ele ZEROU DOZE VECES!!!
    O déficit público previsto até o fim do ano é de: R$ 1.000.000.000.000!!!!

    Fonte: Instituição Fiscal Independente – Senado Federal

  8. De acordo. Só uma questãozinha: como assim, não temos guerra há mais de fois séculos? E a guerra do Paraguai? E a 2a. Grande Guerra? E Canudos, e as guerras civis que adentraram a primeira metade do sec. 20?

    • Mas naturalmente precisamos estar prontos para enfrentar Bolívias, Guianas e outras naçoes belicosas que se acumulam às nossas fronteiras. Sem falar no perigo indígena, que já dispõe de 1/3 do nosso território.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *