Governo se omite e as Centrais Sindicais lutam no Congresso contra o projeto que amplia a terceirização

Carlos Newton

As Centrais Sindicais se uniram para lutar contra a terceirização, que está jogando por terra as leis trabalhistas e sepultando os direitos trabalhistas durante conquistados desde a Era Vargas.

O projeto (PL-4.330), apresentado pelo deputado-empresário Sandro Mabel (PMDB-GO) amplia a terceirização para a atividade-fim, ou seja, a atividade principal da empresa. Assim, uma montadora de veículos, por exemplo, não precisará mais contratar metalúrgicos, podendo explorar o trabalho de terceirizados.

Foi um fracasso a última reunião entre empresários, governo, deputados e trabalhadores, segunda-feira, em Brasília, para debater o substitutivo do projeto que amplia e facilita a terceirização – o PL 4.330. Apesar da tentativa de negociação, as bancadas patronal e parlamentar foram intransigentes e negaram qualquer avanço.

Por isso, a partir desta terça-feira (3), lideranças sindicais de todo o País intensificam o corpo a corpo no Congresso, pois o projeto pode ser votado a qualquer momento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

Detalhe altamente revelador: por causa da terceirização, o poder público é hoje o recordista absoluto em ações movidas pelos trabalhadores. As empresas fajutas e as cooperativas falsas que exploram a terceirização não pagam os direitos de seus contratados e eles recorrem à Justiça contra o órgão público que permitiu essa ilegalidade e que também é responsabilizada juridicamente.

Apesar dessa situação, o governo federal está deixando o projeto Mabel correr solto, quando já deveria ter derrubado essas proposta sinistra nas comissões técnicas da Câmara. E esse governo ainda diz representar o Partido dos Trabalhadores, criado justamente pelos metalúrgicos que serão as primeiras vítimas do projeto da terceirização.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

5 thoughts on “Governo se omite e as Centrais Sindicais lutam no Congresso contra o projeto que amplia a terceirização

  1. Ótimo artigo Sr. Newton, pois revela o que está por trás deste projeto de lei. Esta terceirização das atividades-fim é um retrocesso para a sociedade brasileira. Ela atende somente aos anseios dos grandes empresários na sua ânsia por lucro. Joga por terra a qualidade de serviços e produtos e é um murro na cara do trabalhador, pois, estas empresas não pagam os direitos dos trabalhadores, além de pagarem baixíssimos salários.

    É uma tentativa de baixar os custos por meio de lei e não por meio de competência administrativa. E como bem relata o artigo, muitas vezes, é o setor público quem arca com os custos. Isto é, o custo do setor privado é desviado, mais uma vez, para o setor público. É o povo quem paga.

    Projeto de lei sujíssimo!

  2. Só uma perguntinha: os Sindicatos acordaram? Espero que tenham descoberto serem os trabalhadores igualmente vítimas do um engodo da PTtíssima traição logo após ter assumido o poder.

  3. Sr. Newton, infelizmente, o sonho do trabalhador na criação do PT, quando virou governo, passou a pesadelo, o governo Lula, continuou com o governo FHC, na questão trabalhista e econômica, o governo Dilma, continua com o “ENGODO”, e o Cidadão trabalhador, fica que nem burro de carga levando chicotadas, sobrevivendo na miséria ou pobreza, com esmolas dadas pelo próprio trabalhador, através do impostos escorchante, pois, entrega ao governo 5 meses de salários anuais, para ter governo,que lhe devolva os Direitos básicos da Cidadania, e governo continua a “dar pão e circo”.
    Que os Cidadãos (ãs) conscientes, lembre-se da mensagem de Luther King e Eça de Queiroz, em o5 de outubro de 2014,não reelegendo ou votando NULO, para não ser solidário com os “politiqueiros de plantão”.
    Os que se consideram “bons”, não podem ser omissos.
    Um Brasil decente e justo, nós é que o faremos!!!.
    Vamos desmentir De Gaulle!, e deixarmos de ter vergonha de ser honesto, conforme Poesia do grande RUI Barbosa!!!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *