Governo tem ataque de lucidez e adia por um ano o leilão do trem-bala


Sabrina Craide
Agência Brasil

O governo decidiu adiar em um ano a primeira etapa do leilão do trem de alta velocidade (TAV), que deverá ligar as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas. A entrega das propostas estava prevista para a próxima sexta-feira (16), e o leilão estava marcado para o dia 19 de setembro.

“Depois de muitas conversas com prováveis participantes, sentimos que o certame caminhava para apenas um participante e os outros prováveis concorrentes solicitavam o adiamento do processo para finalizar entendimentos entre todos que participariam desta fase inicial de elaboração do projeto”, disse o ministro dos Transportes, César Borges. Segundo ele, a previsão para início da operação do trem em 2020 está mantida.

Desde 2010, quando foi lançado pela primeira vez, o leilão do trem-bala já foi adiado duas vezes a pedido das empresas interessadas em participar da disputa. A primeira data da licitação foi dia 16 de dezembro de 2010. Depois o leilão passou para 29 de abril de 2011 e foi remarcado novamente para o dia 29 de julho de 2011.

Nessa última data, o leilão chegou a ser aberto, mas não recebeu propostas. Depois disso, o governo decidiu dividir a licitação em duas etapas: a primeira vai definir o operador do trem-bala e a tecnologia a ser usada, e a segunda vai contratar a infraestrutura do projeto.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO trem-bala é um transporte de elite, caríssimo, símbolo fajuto de “modernidade” que os EUA rejeitam. No Brasil, que precisa de trens de verdade para conduzir passageiros e cargas, é um delírio bilionário que ia ser pago pela iniciativa privada e agora será pago pelo BNDES, ou seja, por todos nós. Uma brincadeira que custará muito caro, em todos os sentidos. (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

8 thoughts on “Governo tem ataque de lucidez e adia por um ano o leilão do trem-bala

  1. RODRIGO CONSTANTINO
    (Veja)

    A presidente Dilma pensa em adiar o leilão do trem-bala, com medo de um total fracasso. Deveria adiar mesmo: para sempre! Tudo parece errado nessa questão do trem-bala. Para começo de conversa, a enorme presença estatal.

    Se faz mesmo sentido esse meio de transporte, quem disse que a iniciativa privada não poderia fazer por conta própria? Sempre que o governo precisa mergulhar como grande sócio, é porque o projeto pode não ser economicamente viável, e outros interesses (políticos, eleitoreiros, corrupção?) estão em jogo.

    Vale lembrar que nos Estados Unidos, empresários criaram linhas nacionais de ferrovias sem um tostão estatal, e o governo, quando entrava, era para burocratizar tudo, engessar as empresas, conceder subsídios e impedir a livre concorrência. A novela A Revolta de Atlas, de Ayn Rand, mostra bem como isso funciona, e eu trato do assunto em capítulo do meu livro Privatize Já também.

    Além disso, o governo petista tem essa mania de achar que pode decidir na marra cada detalhe da economia, incluindo os preços, o retorno dos investimentos etc. Ele pode decidir algo assim por decreto, claro, mas não pode controlar seus efeitos. Ao congelar um preço, ele acaba criando escassez e mercado negro. Ao decretar um retorno abaixo daquele exigido pelo mercado, ele acaba afugentando potenciais interessados, restando apenas poucos grupos (a menor concorrência reduz a chance de sucesso do leilão).

    Esses grupos que restam podem participar do leilão com objetivos escusos, visando a compensar o retorno oficial menor com malabarismos, tais como encarecer a construção da obra que ficará a cargo de empresas do próprio grupo vencedor. Não custa lembrar que o projeto do trem-bala, que começou em poucos bilhões, já está estimado em uma montanha de dinheiro realmente absurda, podendo chegar a R$ 40 bilhões!

    Isso tudo com enorme participação estatal, tanto pelo lado dos fundos de pensão que devem participar, como das estatais “convidadas” a entrar no leilão e o financiamento subsidiado do BNDES, sempre ele. Será que não existem outras prioridades para os recursos do governo? Será que essa multidão que tomou as ruas do país está demandando um trem-bala que ligue o Rio a São Paulo? Será que aumentar a malha do metrô nas capitais não é algo bem mais urgente?

    O governo, ao insistir no projeto do trem-bala, demonstra ter ouvidos moucos às vozes das ruas. As arenas esportivas bilionárias, que são verdadeiros “elefantes brancos”, representam uma das principais causas dos protestos. E o governo vai afundar mais algumas dezenas de bilhões do nosso dinheiro em um luxuoso trem-bala? É muito descaso com os pagadores de impostos mesmo. É o tiro de misericórdia para enterrar de vez qualquer resquício de bom senso dessa gestão do PT. Cancele o leilão, presidente Dilma!

  2. Nos Estados Unidos , na Florida , uma consulta feita a população teve rejeição da maioria. Trajeto Orlando-Miami . Teriam que ser aumentados os impostos para fazer frente a obra . Não foi aceito.

  3. O Brasil “perdeu o trem da história”, quando “embarcou” na conversa dos americanos – décadas atrás – e optou pelo transporte rodoviário, em detrimento do transporte ferroviário.

    Agora é tarde para querer começar uma ferrovia de alta velocidade caríssima, e também de retorno econômico extremamente duvidoso.

    Principalmente porque as nossas linhas ferroviárias de passageiros de baixa velocidade (trens suburbanos e metrôs) precisam VERDADEIRAMENTE de muito mais investimentos, e elas são prioritárias! Afinal têm comprovadamente função social, ao contrário dessa sonhada (e sofisticada) linha de alta velocidade.

    Que o Governo enxergue as nossas prioridades! E que assim passe a investir nessas ferrovias de baixa velocidade das regiões metropolitanas.

    Mas que ele também trabalhe “de verdade” em prol da melhoria das nossas rodovias e dos nossos aeroportos.

  4. ATÉ QUE FIM UMA MEDIDA(DEVE SER EXCLUIDA DAS OBRAS P/ SEMPRE E NÃO SÓ POR UM ANO) QUE POR CERTO DEVE AGRADAR A TODOS DE BOM CENSO SÓ QUEM NÃO DEVE FICAR FELIZ COM ESSA MEDIDA SÃO AS EMPRESAS CORRUPTORAS CHAMADAS DE EMPLEITEIRAS ESSAS SIM COM OS POLÍTICOS CORRUPTOS DEVEM FICAR TRISTES.MENOS DINHEIRO P/ AS ELEIÇÕES DE 2014.FINANCIAMENTO PÚBLICO DE CAMPANHA JÁ SEM NENHUMA PARTICIPAÇÃO PRIVADA SE NÃO FOR ASSIM VAI PARA PRIVADA.

  5. Mauro faaaaz-me rir, se não fosse o investimento estatal
    estariamos vivendo na idade da pedra. A economia brasileira
    é 100% estatal, seja de forma direta, ou indireta. Responda-me:
    quem financia a agricultura, quem finacia habitação e saneamento
    básico, quem financia invetimentos de médio e longo prazo?
    Respondo, pela ordem, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal,
    BNDS. Concordo que o trem bala é locura. Ma o Brasil de um modo
    geral não possui empresários, mas sim mercantilista da pior espécie,
    sempre prontos a mamar e chiar, tal qual gato.

  6. (Blog) Construindo pensamentos
    Não existe caminho para a liberdade. A liberdade é o caminho.

    Preparem-se: as mentiras deles estão só começando.

    Uma das marcas desta década de petismo à frente do governo federal é sem dúvida a institucionalização da mentira como instrumento do embate político. São tantas, que é até difícil lembrar de todas: Dirceu cada vez mais convencido da própria inocência, Palocci repelindo “com veemência” as acusações de ter quebrado o sigilo de um caseiro, a gritaria acusando Alckmin de tramar a privatização das estatais (antes fosse verdade…), a Dilma gerentona sacada da cartola de Lula… Exemplos não faltam.

    Apoiado na subserviência de grande parte da imprensa nacional, sempre pronta a repercutir qualquer invenção saída da cabeça dos petistas (com medo de ser acusada de fazer parte do malfadado PIG), e numa minuciosamente orquestrada rede de difamação virtual, financiada com banners de estatais e maximizada por meio de anúncios pagos nas redes sociais, o PT construiu uma eficientíssima máquina de moer reputações, que usa com total desenvoltura contra qualquer um que se coloque em seu caminho. Essa estrutura serve, também, para dar eco às ações dos vários braços petistas na dita “sociedade civil” (MST, CUT, UNE…), dando sempre ares de convulsão social a qualquer baderna causada por uma dezena de pelegos cuidadosamente colocados em locais estratégicos a fim de tumultuar as gestões que não são subservientes ao petismo.

    Recentemente, a engrenagem da falsa propaganda petista entrou em ação novamente e o vereador tucano Andrea Matarazzo foi tratado como o pior dos corruptos por gente que ainda hoje se dirige a José Dirceu como “guerreiro do povo brasileiro”. Indiciado pela Polícia Federal por corrupção passiva, Matarazzo deve, nos próximos dias, ter sua reputação restaurada quando o Ministério Público determinar o arquivamento do inquérito que o investigou. Segundo apurado pelo IG, fontes do MP disseram que o inquérito não tem sustentação jurídica, mas isso – claro! – não importa aos detratores da moral alheia. O estrago político já foi feito e restabelecer a verdade é sempre mais complicado (e não se poderá contar com a retratação da canalha que concorreu para caluniar e difamar, logicamente).

    Outro alvo do PT (já há alguns anos) é o governador de São Paulo Geraldo Alckmin. O PT não se conforma de até hoje ter sido repelido pelos paulistas, sempre que tentou tomar o governo estadual. Planeja uma nova e virulenta investida em 2014, quando contará com as máquinas federal e municipal para apoiá-lo na empreitada. Mas isso não basta: é preciso atacar o adversário político ao ponto de transformá-lo em inimigo. O PT não tolera o embate democrático, pois não consegue conceber uma realidade em que não seja onipotente. Por isso precisa “extirpar” quem lhe é oposição – como Lula anunciou no passado, referindo-se ao DEM. Vejam um trecho da coluna Painel, da Folha de São Paulo de ontem:

    O PT decidiu replicar com Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo o cerco que Sérgio Cabral (PMDB) enfrenta no Rio. O partido atua na organização de protestos marcados para esta semana e a próxima, que farão menção à investigação de cartel em governos tucanos. Dirigentes da CUT vão engrossar ato do Movimento Passe Livre na quarta-feira. No dia 28, na marcha pela reforma urbana, movimentos de moradia também ligados ao PT vão à rua pedir CPI sobre o caso Siemens.
    Temos, pois, uma central sindical servindo de esbirro para o petismo. A intenção não poderia ser mais clara: desestabilizar um forte adversário às vésperas de um ano eleitoral que desde já se anuncia um dos mais duros desde a redemocratização.

    Apesar de conhecida, essa estratégia, por ser corriqueira, acaba passando batida pelo cidadão comum, que apenas verá no Jornal Nacional, antes da novela, alguns segundos de frases prontas citando lugares-comuns como “protestos contra corrupção” e “mobilização da sociedade”. Mais uma vez estará completa a estratégia: um braço petista na sociedade civil é usado para tumultuar o ambiente e criar um fato político apenas para que a rede de propagação de mentiras, organizada com apoio da imprensa e dos blogprog, possa repercutir a – como é mesmo que eles falam? – “indignação das massas”.

    O exemplo mais recente da desenvoltura com que atua a máquina petista de moer reputações é a denúncia de que o senador Aécio Neves estaria respondendo na justiça pelo desvio de 4,3 bilhões de reais em recursos da saúde, quando foi governador de Minas Gerais. É mentira! Não houve desvio algum. Nem um mísero centavo de dinheiro público saiu da esfera pública e deixou de ser investido em benefício de Minas.

    O que existe é uma ação judicial na qual se questiona se o investimento de 4,3 bilhões feito pelo então governador Aécio Neves em saneamento básico pode ou não ser considerado como recurso aplicado na saúde pública. Repito: nenhum valor foi “desviado”, como tenta fazer crer a rede de mentiras construída pelo PT na imprensa escrita e na internet.

    Na verdade, o único “crime” aparentemente cometido por Aécio foi investir em prevenção, coisa que todo gestor público deveria fazer. Afinal sabe-se que cada dólar investido em saneamento básico representa uma economia de cinco dólares em gastos com saúde pública (como pode ser confirmado aqui).

    Assim, tem-se apenas mais um episódio no qual o PT torturou os fatos a fim de atacar um adversário direto por meio da propagação de mentiras. Aécio não é réu por desvio de dinheiro público, mas isso não interessa ao petismo. Também não interessa saber que o mineiro atuou diligentemente na prevenção dos problemas de saúde pública, investindo em saneamento básico (coisa que até o governo Lula fez!). Não! Nada disso importa, pois a máquina de falsa propaganda do PT não se importa com fatos, mas com maneiras de conseguir atacar seus oponentes. Pouco importa se a verdade for uma baixa colateral nessa guerra suja.

    Como mencionado alhures, 2014 vai se desenhando como um ano onde os embates eleitorais serão mais cruentos do que nunca. O petismo, como é da natureza dele, terá na rede de propagação de mentiras um dos pilares de todas as suas campanhas. É preciso estar sempre vigilantes a fim de “combater o bom combate”, como ensinou São Paulo, o apóstolo: não permitir que eles repitam suas mentiras tantas vezes, a ponto de se tornarem verdade aos olhos da sociedade. A verdade objetiva dos fatos continua sendo o melhor escudo contra quem faz da leviandade sua principal arma de ação política.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *