Há algo estranho com a seleção brasileira de futebol

Pedro do Coutto

Exatamente isso. O estágio atual do futebol brasileiro atravessa um clima de pessimismo que vem se repetindo desde a Copa de 2014, sem que se vislumbre acontecimentos novos capazes de afastá-lo e substituí-lo pelas vitórias conquistadas históricas do passado não muito distante dos dias de hoje. Preocupante. Sobretudo porque na noite de hoje, quinta-feira, estreamos na classificação para 2018 enfrentando a forte equipe do Chile na cidade de Santiago.

Lendo com atenção a excelente reportagem de Almir Leite, O Estado de São Paulo de terça-feira, passei a me preocupar seriamente com o desempenho com que vamos à luta na caminhada que se inicia. O adversário é forte, joga em casa, e assim devemos enfrentar dificuldades. Sobretudo porque os três últimos convocados pelo treinador Dunga chegaram àquela capital na segunda-feira. Foram convocados para preencher vagas que se abriram no rápido correr do tempo. Daniel Alves, Ricardo Oliveira e Kaká sequer tinham sido chamados para a equipe. Vieram da Europa e Estados Unidos para serem titulares. O treinador não os tinha como alternativas para Rafinha, Firmino e Filipe Coutinho. O primeiro pediu dispensa, os outros dois contundiram-se.

EXAUSTÃO

Há um grande exagero de partidas disputadas no Brasil, o que leva os atletas à exaustão ou a uma situação de desconforto pelo excesso de viagens e confrontos seguidos. Com isso, a resistência diminui, o preparo físico torna-se mais difícil, o futebol-arte recua, a repetição (passes para os lados) de lances se acentua, o desgaste aumenta, conduzindo a um estado de saturação atlética. Todos esses problemas, somados, não podem resultar em reflexos positivos para o futebol. Todos sabem disso. Mas não surgem providências, uma delas a de suavizar os calendários.

A Seleção de Ouro, como foi no passado, está no presente investida de grande responsabilidade. Afinal de contas, o Brasil é o único país a ter participado de todas as Copas do Mundo, que se iniciaram com a de 1930, no Uruguai, e se seguiram até hoje com uma interrupção, de 42 a 50 em face da Segunda Guerra Mundial. A Itália venceu a de 38. O Uruguai derrotou nosso país no desfecho de 50, Maracanã, Estádio Mário Filho. Além dessa singular situação, o Brasil é o único a conquistar cinco títulos mundiais, além de dois vice-campeonatos. Estivemos, portanto, sete vezes em decisões finais.

RESPONSABILIDADE

A responsabilidade histórica do futebol brasileiro é grande. O mesmo não se pode dizer da direção da CBF. Um ex-presidente renunciou ao posto de presidente dE honra da FIFA. Outro é acusado de corrupção. O atual, Marco Polo Del Nero, não pode sair do país pelo temor de ser preso pelo FBI e processado nos EUA, como aconteceu na Suíça com seu antecessor, José Maria Marin, há seis meses em Genebra e cuja extradição foi pedida pelo governo de Washington.

Fiquemos por estes fatos. Não vale a pena acrescentar transações nebulosas envolvendo venda de passes a pagamentos efetuados a alguns atletas fora do controle da Receita Federal do Brasil.

A FIFA transformou-se num palco de escândalos. Coca-Cola, MacDonald’s, INBEV, Adidas, entre outros patrocinadores, estão exigindo a saída imediata de Joseph Blatter. O futebol transformou-se numa usina de negócios. O amor ao esporte passou a segundo plano. Mas está no coração das multidões que amam e sofrem sem parar nos espetáculos, dando conteúdo aos patrocínios e transações. Mas esta é outra questão.

Estamos no dia do começo de uma nova jornada. Vamos torcer. Mais uma vez.

4 thoughts on “Há algo estranho com a seleção brasileira de futebol

  1. Existe muita coisa estranha com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e a Seleção Brasileira de Futebol que muita Vossa Excelência deseja que continue assim.

  2. Pedro Couto, você sempre está comentando o comentário de outros repórteres. É interessante porque tua bagagem é diversificada. Será que não acreditas mais em ti próprio?

  3. Sr. Pedro é só o senhor voltar a fita e ver o que disse os jornalistas que cobrem o futebol e aquele Corruptola que está preso na Suiça, depois dos 10×1, isso mesmo 10×1, ,pois todos esquecem de computar o jogo da Holanda….

Deixe um comentário para Paulo Peres Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *