Há bandeiras abandonadas por Bolsonaro que Moro agora pode recuperar e valorizá-las

Recursos dos Precatórios do FUNDEF começam cair nas prefeituras da região |  60 Graus

Charge do Nani (nanihumor.com)

Merval Pereira
O Globo

Não há mais a menor dúvida de que o surgimento de Sergio Moro como pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos provocou, no mínimo, um toque de alerta nos até agora favoritos, o ex-presidente Lula e o presidente Bolsonaro. Os dois se preparam para lutar entre si, cada um achando que o outro é o adversário mais fácil de ser derrotado.

Basta ver que tanto petistas quanto bolsonaristas escolheram Moro como alvo principal da campanha que finge não ter começado ainda, mas está a pleno vapor, comendo etapas num processo acelerado. O PT começou um movimento para garantir a eleição de Lula no primeiro turno, igualando Moro a Bolsonaro, e aí mora o perigo.

HERÓI BRASILEIRO – Moro virou herói de milhões de brasileiros ao lutar contra a corrupção institucionalizada, enfrentando os poderosos da época, leia-se Lula e o PT. Para esses, Moro como juiz construiu sua reputação e realizou sua grande obra, a Operação Lava-Jato.

Com a publicação de seu livro e as várias entrevistas que tem dado, Moro já se mostrou disposto a encarar o grande desafio de enfrentar a campanha de desmoralização que foi armada contra ele, “com Supremo, com tudo”, como pregava o ex-líder de todos os governos Romero Jucá.

Como mostram também as pesquisas de opinião, há um grande contingente de eleitores que não compraram a narrativa de que houve injustiça contra o ex-presidente Lula e de que o então juiz Moro foi parcial nos julgamentos. A campanha se encarregará de relembrar os acontecimentos. Caberá a ele confirmar a fidelidade desses que empolgou como juiz e agora busca cativar como candidato.

NICHO DE VOTOS – Há uma grande variedade, entretanto, nesse nicho em que Moro terá de buscar votos. Há os que estão desenganados pela atuação de Bolsonaro, que recuou em todos os compromissos assumidos de combate à corrupção; há os que votaram contra o PT, e não a favor de Bolsonaro, e hoje estão abertos a uma alternativa que veste bem em Moro.

Há também as viúvas do PSDB original, sem alternativa a esta altura, que levam em consideração até mesmo votar em Lula contra Bolsonaro; e há os que gostariam de ver em Moro um Bolsonaro 2.0, a versão original do justiceiro que elegeram em 2018 e depois se entregou ao Centrão.

Há ainda eleitores que sempre votaram no PSDB porque não havia alternativa eleitoralmente viável mais à direita, liberal-conservadora, e preferem votar em Bolsonaro a apoiar um candidato simpático a ideias que consideram de esquerda, como as políticas identitárias. Mas nunca confiaram realmente nos tucanos como adversários do petismo e, como o ministro Paulo Guedes diz, os consideram sociais-democratas da mesma linhagem dos petistas.

MESMA CORAGEM? – “Será que, como político, veremos a mesma coragem e coerência do juiz?”, perguntam-se alguns. Muitos não veem em Moro a capacidade política de enfrentar em vantagem Lula e o PT, ficam em dúvida ao constatar o que classificam de “timidez” diante daqueles que, no Supremo e na Procuradoria-Geral da República, trabalharam para desfazer sua obra e conspurcar sua biografia.

Para esse grupo, se o candidato Moro espera efetivamente conquistar um espaço político na centro-direita capaz de lhe alçar ao segundo turno, terá de demonstrar, com ênfase, sua indignação contra os que envergonharam a Justiça brasileira.

BANDEIRAS À DISPOSIÇÃO – As manifestações do 7 de Setembro, que acobertaram uma clara tentativa de golpe autoritário contra o Supremo, que se contrapunha à distribuição em massa de fake news e aos avanços de grupos autoritários sobre a democracia instigados por Bolsonaro, tinham como bandeiras principais, na definição desse nicho direitista, a defesa da liberdade de expressão e críticas a ações que consideravam eticamente vexaminosas e autoritárias do Supremo.

Se o candidato Moro se dispuser a vestir a fantasia de Bolsonaro 2.0, poderá tirar eleitores do presidente, mas pode também se confundir com os extremistas.

Para avançar no campo da centro-direita, terá de se contrapor ao Bolsonaro de 2022 e reafirmar compromissos que foram abandonados por ele em 2018. Terá de trilhar esse caminho delicado com o cuidado de um equilibrista. Coisa de quem tira a meia sem tirar o sapato, como se diz de políticos hábeis.

7 thoughts on “Há bandeiras abandonadas por Bolsonaro que Moro agora pode recuperar e valorizá-las

  1. Já começou. Jornalistas (arautos da verdade) inflando o imparcial de Curitiba (Título concedido por Paulo Henrique Amorim à Sérgio Moro).
    Sabidamente fingido. Sabidamente oportunista. Sabidamente interesseiro, não na justiça e sim na promoção pessoal.

  2. Ridículo. Tirando Lula e Bolsonaro, Moro ganha.

    Em 2018, a esquerda dividida, Ciro e Lula, a direita unida, com Bolsonaro.

    Em 2022, a esquerda unida em torno do Lula, e a direita dividida em Bolsonaro, Moro, Dória, Tebet, Pacheco, União Brasil… Qual será o resultado? Não é difícil prever, desde que preservada a “normalidade” institucional, o que é incerto.

    • Prezado Prof° Alverga,

      Senhor com sua bagagem, não entende que Bolsanaro,pode ter a candidatura impugnada devido a omissão da COVID,e lambança das vacinas ?

      Lula,por motivos conhecidos e pela resistência dos milicos.?

      O Moro ?

      Com a DevidaVênia,devido a gambiarra extra jurídica, tudo pode acontecer.

  3. Kkkkkkkkkkkkk!!!!. O que virou este blog., que faz uso do respeito e da credibilidade adquiridas, pelo extinto jornal Tribuna da Imprensa, liderado por Hélio Fernandes, certamente um dos maiores jornalista que este país teve o privilégio de possuir. O Marreco, sem sombras das mínimas dúvidas, é o grande precursor da tragédia Social, Econômica e Política que hoje assola o país. Um verdadeiro Capitão- do- Mato à serviço de interesses escusos Internacionais. Está farsa criada e liderada por este cidadão, com o nome romântico de Lava-jato, criou milhões de desempregados, quebrou a Indústria Pesada, Estaleira e a Petrobrás. As falcatruas produzida pelas elites e levadas adiante por este cidadão, são responsáveis pela tragédia que hoje o país vive. Porém, para ele, o tiro saiu pela Culatra.

    • Vivente, Data Vênia. Compreendo a sua indignação, más, a sociedade brasileira é conservadora. A Tribuna da Internet discute todos os assuntos, até para que se possa entender os acertos por debaixo do pano.
      Para empreender o processo da Lava-jato, Moro e Dallaganol partiram para cima do PT visando a derrubada do governo Dilma. O impecheament contou com amplas lideranças do Centrão e do MDB, apoiadas pelo sistemas financeiro e Industrial. Deu no que Deu, está aí o resultado.
      Interpreto esse Artigo do acadêmico da ABL, eleito para presidir a Academia, como sinalização desse sistema, que também elegeu Fernando Collor. O Globo está com Sérgio Moro. E só observar seus analistas, quando se referem ao juiz.
      Posso estar enganado, viu, porque todas as análises são subjetivas. Em política a subjetividade é uma regra básica. Inexiste lógica no processo eleitoral .
      Entretanto, pelo andar da Carruagem, podemos inferir aonde querem chegar: na cidade ou no deserto?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.