‘Hasta la isla siempre’

João Gualberto Jr.

Cubanos são inigualáveis na fabricação de charutos e rum e muito bons em produção cultural, especialmente, na música e na dança. Essas virtudes do país caribenho ninguém tira. Há muita gente que inclui na lista de vantagens comparativas a arte de filmar e de salvar vidas. Mas existe também quem questione tais talentos – coincidentemente ou não, ambos erigidos após a revolução de 1959.

O cinema diferenciado de Cuba atraiu muito estudante brasileiro. Agora, soa desabonador traçar um paralelo em termos de quantidade e qualidade de títulos até com a produção brasileira feita, a duras penas, a partir da década de 60. A estética cubana na tela parecia mais uma versão tropical da “direção dirigida” de Eisenstein, um “Mamute Siberiano” em dimensões reduzidas, assim como, grosso modo, era tudo por lá em relação à União Soviética.

Brasileiros também foram estudar medicina em Cuba, onde haveria métodos mais avançados, por exemplo, de tratamento contra o câncer. Críticos identificaram um tempero ideológico nessa exaltação à saúde dos comandantes. Como tudo que se refere à ilha surge envolto em uma fumaça vermelha e, em nome dessa pasión, para um lado ou e para outro, é imperativo desconfiar de qualquer certeza, sentiremos, agora, a expertise dos doutores cubanos, literalmente, na pele.

O programa Mais Médicos, de Dilma e Padilha, foi concebido e mantém um distinto componente político. É evidente, logo, que desdobramentos políticos advenham dele. No entanto, estas parcas reflexões não se dirigem às boas intenções do Planalto. Tampouco se deseja falar do zelo dos conselhos de medicina com a restrição de nosso mercado interno.

FETICHE IDEOLÓGICO

O caso do Mais Médicos somente exemplifica o fetiche ideológico que determinados segmentos do espectro partidário brasileiro preservam com a ilha de Fidel e Che. Os médicos cubanos que desembarcam em nossas praias não vão ver a cor do dinheiro pelas mãos do Ministério da Saúde. Primeiro, o Planalto passará o dinheiro à ditadura de Havana, que, depois, conforme seu bem-entender, repassará o soldo a seus militantes. Com profissionais de outras origens o salário será depositado normalmente.

Existe muita conspiracionice envolvendo a relação entre Brasília e Havana, mas, vez por outra, surgem histórias que tornam duendes factíveis. É o caso. Como foram as tratativas entre Dilma e Raul sobre a remuneração dos médicos? E o nevoeiro sobre o suposto apoio financeiro a Cuba que levou o Senado a agendar uma audiência de esclarecimento com o ministro Fernando Pimentel? E as embaixadas brasileiras no Caribe, como O Tempo mostrou? Entre esses cavalos há unicórnios?

Fato é que “la isla de nuestros sueños” continua viva no coração revolucionário e jovem de brasileiros, entre eles, alguns que, hoje, maduros, mandam na República. Qual a razão? Retribuição pelo acolhimento nos duros anos do exílio, mera saudade ou investimento em restauração? (transcrito do jornal O Tempo)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “‘Hasta la isla siempre’

  1. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/126804-o-enfermeiro-desertor.shtml > ” Minha História – Alain García Caballero, 30

    O enfermeiro desertor

    O que diria aos [médicos cubanos] que estão indo para o Brasil [pelo Mais Médicos] é que busquem sua liberdade

    RESUMO O enfermeiro cubano Alain García Caballero, 30, desistiu de servir o governo de seu país. Recrutado em Cuba, ele foi para a Venezuela no ano passado para trabalhar em comunidades carentes da cidade de Barquisimeto. Nove dias depois da sua chegada, ligou para a Embaixada dos Estados Unidos pedindo o visto americano. Em menos de um mês, o enfermeiro deixou o seu trabalho e foi atrás do sonho americano.

    (…) Depoimento a
    FLÁVIA MARREIRO DE SÃO PAULO

    Cheguei à Venezuela no dia 21 de maio de 2012. Fui levado para trabalhar em Barquisimeto [cidade no centro do país]. Desertei da missão depois de nove dias.

    Não era o que tinham me falado. As condições eram ruins. O que me fez desistir, em primeiro lugar, foi o fato de todo cubano querer a liberdade. Depois, era uma saída ter o visto americano.

    Liguei para uma funcionária da embaixada americana em Caracas e ela me deu um correio eletrônico. Cinco minutos depois de mandar o e-mail, eu recebi uma resposta deles. Em 28 dias, eles deram meu visto.

    Na Missão Bairro Adentro [a missão médica do governo que emprega cubanos], pagavam pouco, 1.500 bolívares fortes [R$ 559], que não dava para nada. Trabalhávamos 24 horas e descansávamos as próximas 24 horas.

    Vivíamos 28 pessoas numa casa. Nós que pagávamos a comida, às vezes faltava água. Tínhamos de obedecer um regulamento interno.

    Não podíamos sair depois das 18h, falar com nenhum venezuelano desconhecido nem com parente que estivesse nos Estados Unidos. Eram essas regras e muitas mais.

    Tive sorte.

    SELEÇÃO

    Eu me formei em uma Universidade de Matanzas [em Cuba] em 2006. Fui selecionado quando trabalhava em unidade de terapia intensiva.

    Fui recrutado. Não podia dizer que não. Em Cuba, não podemos dizer o que sentimos. Se eu dissesse que não, quando eu tentaria fazer mestrado talvez eles me impedissem. É assim que funciona.

    Para a maioria vale a pena, claro. Quando vamos a uma missão, é pelo dinheiro.

    Lá em Cuba temos que viver com US$ 20 ao mês. Quem vive com isso? Um profissional formado?

    É duro se afastar da família, dos amigos. Na Venezuela, tínhamos de enfrentar violência, não estávamos acostumados. Mas a ideia é melhorar economicamente.

    Deixei minha mãe e meu pai em Cuba. Depois de oito anos, eles vão me permitir visitá-los.

    LIBERDADE

    O que eu diria aos [médicos] que estão indo para o Brasil [pelo Mais Médicos] é que busquem sua liberdade.

    E aos brasileiros eu diria que os médicos cubanos são bem formados. Trabalhamos sem condições, trabalhamos com o coração.

    Se eu estivesse em Cuba e tivesse de escolher, eu escolheria ir ao Brasil, um país solidário. Mas o contrato deveria ser com o pessoal da área médica, não com o governo cubano. Deveriam pagar a eles pessoalmente.

    Nos Estados Unidos, meu primeiro emprego foi num McDonald’s.

    Pouco depois, fiz uma prova simples e agora trabalho como auxiliar de enfermagem numa casa para idosos. Estou estudando inglês, pago pelo governo dos Estados Unidos.

    Quero fazer a prova para validar meu diploma de enfermeiro. Conheço muitos que já fizeram isso. Aqui um profissional ganha pelo que estudou, pelo que trabalha, pelo que se sacrificou. “

  2. Peço a Deus que esses cubanos se libertem do jugo comunista, se unam, façam a prova do REVALIDA, tirem seu CRM, se legalizem e digam adeus aos escravocratas daquela ilha e aos canalhas petistas coniventes com sua exploração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *