Hezbollah diz que EUA atacam a Síria, para construir outro Oriente Médio controlado por eles e Israel

Ammar Al-Mussawi (diretor de Relações Internacionais do Hezbollah no Líbano, em entrevista a Ernesto Gómez Abascal, de La Haine, que foi embaixador de Cuba em vários países do Oriente Próximo. É jornalista e escritor).

Como o senhor avalia a situação atual na região?

Para nós, no Hezbollah, a questão central sempre é a Palestina, a libertação da Palestina e conseguir que esse povo irmão recupere a própria terra e seus direitos legítimos. Independentemente de problemas que realmente haja em alguns países, que provocaram tensões e enfrentamentos internos – o que o ocidente chama ‘festivamente’ de “Primavera Árabe”, termo com o qual não concordamos –, os EUA, os sionistas e seus aliados estão provocando e promovendo conflitos e divisões de todos os tipos, que jogam a favor dos interesses sionistas de Israel.

Aqueles mesmos atores provocam e estimulam os enfrentamentos sectários: entre sunitas e xiitas; entre muçulmanos e cristãos; com a minoria copta no Egito; com os curdos nos países onde vivem. Onde não encontrem terreno fértil para provocar e estimular confrontos religiosos, põem-se então a provocar e estimular lutas tribais – como fizeram na Líbia. Interessa a eles aprofundar as divisões, não promover qualquer entendimento ou qualquer paz. Interessa a eles que, em todas as regiões, haja lutas internas, que enfraquecem os grupos locais que, enfraquecidos, podem ser mais facilmente controlados. Assim, podem continuar a tentar fazer avançar seu plano de dominar todo o Oriente Médio.

O Hezbollah busca em primeiro lugar a unidade de todas as forças locais e nacionais. A mobilização para a unidade é nossa escolha principal. Somos contrários a qualquer tipo de sectarismo.

A guerra de 2006 contra o Hezbollah no Líbano foi dirigida pelos EUA. Condoleeza Rice, secretária de Estado, empenhou-se pessoalmente nos detalhes de como criar ali a guerra, na certeza de que, em guerra, derrotaria o Hezbollah. Viajou muito pela região, mas não conseguiram nos derrotar. De fato, aconteceu o contrário: nós derrotamos Israel e os EUA. Perderam a batalha pelo Líbano. Temos imensa capacidade de recuperação. Eles não. As derrotas pesam muito mais sobre eles, do que sobre nós.

Hoje, o Hezbollah tem capacidade de resposta militar muito maior do que tinha quando foi atacado por EUA e Israel. Se voltarem a nos atacar, responderemos. Podemos responder e atacá-los com absoluta precisão em qualquer ponto do território ocupado pelos sionistas. Eles sabem disso. Por isso, nunca mais voltaram a atacar frontalmente o Hezbollah. Porque sabem que estamos em condições de dar-lhes resposta demolidora.

E sobre a Síria? O que seu partido pensa da situação na Síria?

Agora, é a Síria que enfrenta guerra movida contra o país pelos EUA. O objetivo é sempre o mesmo: criar um novo Grande Oriente Médio controlado por EUA e Israel. Por trás de tudo, está a ambição de controlar os recursos energéticos com vistas ao século 21 – quando o gás natural passará a ter papel mais importante. Se se observa o mapa, vê-se que a Síria é o caminho natural para levar até o Mediterrâneo os gasodutos que partem das fontes de gás no Irã, no Iraque e no Qatar, onde se localizam as principais reservas. Já se descobriram poços importantes de gás também na Síria e no Líbano.

A monarquia que governa o Qatar tem especial interesse nisso, e há enormes reservas de gás no território qatari. A monarquia que governa o Qatar tem enorme poder, porque ali está instalada a maior base dos EUA no Golfo.  Por que não põem o mesmo empenho ‘democrático’, como dizem, para defender os palestinos, que lutam contra o sionismo?

A Arábia Saudita não faz diferente. Aqui no Líbano, em várias mesquitas, recolhe-se dinheiro para ajudar a oposição na Síria: nunca fizeram nada de semelhante, para ajudar a resistência palestina.

Quanto à atual correlação de forças na Síria, entendemos que a situação não é simples, mas que o governo sírio tem capacidade para resistir e derrotar os agressores. Ano passado, quando começaram as ações terroristas, a oposição e os EUA diziam que o governo de Assad cairia em três meses. Depois, falaram em seis meses. Agora, já não se fala em prazos. A mais recente avaliação da situação síria, feita pela inteligência de Israel, prevê que Assad pode permanecer anos no poder.

Diferente do que se viu acontecer na Líbia, as Forças Armadas sírias estão coesas e mantêm plena capacidade de combate. Praticamente não há deserções, e as poucas deserções que houve foram casos individuais, pessoais. O inimigo também não conseguiu seduzir funcionários das embaixadas sírias. Por isso, precisamente, depois de muito tentar subornar o pessoal diplomático sírio, os países da União Europeia tomaram a decisão, apenas teatral, de expulsar os embaixadores.

A oposição síria, por sua vez, está muito dividida; e os EUA não conseguiram promover qualquer união, cenográfica que fosse, apesar da muitas reuniões dos chamados “amigos da Síria”.

A guerra contra Síria é prova da hipocrisia e das duas línguas que falam Obama e os imperialistas: dizem que combatem o terrorismo, mas, hoje, já estão aliados à Al Qaeda, aos salafistas e a todos os tipos de terroristas e extremistas que cometem crimes na Síria.

O Egito é país muito importante. Como o Hezbollah vê a evolução da situação no Egito, depois das eleições?

Sobre o Egito e os resultados das eleições, está muito claro que os EUA andaram trabalhando muito para salvar o que conseguissem salvar, do regime deposto. Os elementos do Conselho Militar, muito comprometidos com os interesses dos EUA, conseguiram impor condições para limitar o poder do presidente e dos Irmãos da Fraternidade Muçulmana.

Apoiamos a ideia de formar um governo de unidade nacional. Chegar à presidência não significa obter o poder. Ter a maioria parlamentar também não significa ter poder. Para produzir mudanças a favor dos interesses do povo, é preciso fazer uma verdadeira revolução, e isso não é possível, se permanecem, nas instituições e estruturas do poder, as mesmas forças que lá estavam nos governos anteriores.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *