Brazilianista inglês diz que apoio do mercado prejudica Aécio

Professor Kenneth Maxwell, que participa do Festival de História em Diamantina

O professor Maxwell, de Harvard, estuda e adora o Brasil

Kenneth Maxwell
Folha

Os mercados já se decidiram quanto ao segundo turno. A Bolsa de Valores de São Paulo sobe quando Dilma cai, e cai quando Dilma sobe. Há algum tempo “os mercados” querem “qualquer um que não Dilma”. Queixam-se das políticas “intervencionistas”. E o Brasil sob Dilma tem um relacionamento agitado com o mundo, envenenado pelas revelações de Edward Snowden de que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA grampeava o celular da presidente – o que a levou a cancelar uma visita “de Estado”.

A política externa de Dilma cabe em larga medida ao professor Marco Aurélio Garcia. Oponente radical do regime militar, foi um dos fundadores do PT, coordenou as campanhas de Lula (1994, 1998, 2006) e foi um dos organizadores do “Fórum de São Paulo”, uma reunião de movimentos esquerdistas da América Latina e Caribe.

O governo Dilma não criticou a incursão russa na Ucrânia e a anexação da Crimeia. A busca de acordos com os países do grupo BRICS também veio à custa do silêncio quanto a questões essenciais de política externa.

Aécio, por outro lado, é encarado como “favorável ao livre mercado”. Seu assessor econômico é Armínio Fraga, que deve se tornar ministro da Fazenda caso Aécio seja eleito. Fraga tem doutorado pela Universidade de Princeton e trabalhou em Nova York como administrador de fundos para George Soros.

CÂMBIO E INFLAÇÃO 

À frente do Banco Central, Fraga receberia crédito por adotar uma taxa de câmbio flutuante e o modelo de metas inflacionárias. Ele fundou a Gávea Investimentos, companhia de administração de ativos adquirida em 2010 pela Highbridge Capital Management, de Nova York, subsidiária do banco JP Morgan. Seu plano de política econômica ficou claro em entrevista ao “Wall Street Journal”, em 2013, em que criticou a manipulação dos preços da energia e dos combustíveis, advogou retorno à ortodoxia econômica, liberalização do investimento em infraestrutura, reforma da Petrobras e a redução do papel dos bancos do governo.

O coordenador para assuntos internacionais é Rubens Barbosa, antigo embaixador brasileiro em Washington (1999-2004) e Londres (1994-1999). Caso Aécio seja eleito, ele deve virar ministro do Exterior. Suas opiniões refletem as de muita gente nos altos escalões da política externa, que se preocupam com a falta de críticas à Venezuela, Cuba e Argentina. Barbosa é diretor do Albright Stonebridge Group e do conselho de comércio externo da Fiesp.

A divisão entre Dilma (e Marco Aurélio Garcia) e Aécio (e Fraga e Barbosa) não poderia ser mais aguçada. Fica claro quem EUA e Europa gostariam de ver vitorioso –assim como quem Rússia, Venezuela, Argentina e Cuba prefeririam. Não se sabe se isso influenciará os eleitores. A considerar as lições da história, quanto mais os mercados torcerem por Aécio, mais automática será a vitória de Dilma.

2 thoughts on “Brazilianista inglês diz que apoio do mercado prejudica Aécio

  1. Mais um equivocado sobre o brasileiro, em sua afirmação que se se é a favor do mercado, o candidato, o eleitor vota contra.

    Pesquisa Sensus: Aécio 15 pontos na frente.

  2. The Economist apresenta seu apoio ao candidato Serra. Serra é derrotado nas urnas. Concordo com o americano, seria dar munição ao partido dos trabalhadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *