Impressionante: Itamaraty sem recursos para despesas no exterior

Pedro do Coutto

À primeira vista parece incrível, mas é verdade: o Itamaraty, revela reportagem de Patrícia Campos Melo, Folha de São Paulo edição de 23, enviou circular aos diplomatas que, em janeiro, só poderá remeter recursos para cobrir os salários e obrigações trabalhistas de estrangeiros contratados locais pelas embaixadas e apenas para parte dos pagamentos pendentes de outros meses.

O episódio decorre do corte de gastos determinado pelo governo e vai atingir os custos da Internet, tarifas de energia para gerar aquecimento no inverno (Estados Unidos e Europa), além de aluguéis destinados a moradia de diplomatas. As representações do Brasil em Tóquio, Lisboa, EUA, Canadá, mandaram correspondência ao Ministério das Relações Exteriores alertando que se encontram a sofrer cortes de energia em suas residências por falta de pagamento. Em diversos casos, as embaixadas encontram-se há dois meses sem receber recursos. As dotações orçamentárias destinadas ao Itamaraty, revela Patrícia Campos Melo, caíram quase à metade em 2014.

O panorama crítico se agravou com o decreto 8.389 de 7 de janeiro d 2015. O decreto determina redução de despesas até que o orçamento para este exercício seja aprovado pelo Congresso e entre em vigor. A circular do MRE sustenta que a iniciativa representa um alerta contra novos gastos, mas os diplomatas indagam: a situação abrange as despesas atuais e até as dívidas acumuladas. Este é o resultado do impulso de cortar despesas por cortar sem levar em conta os reflexos dos cortes. Uma das consequências é a vergonha que representa para a imagem do próprio país perante mundo. Pois se as embaixadas estão no sufoco, a opinião pública internacional pode perguntar como se encontra a população brasileira? Difícil responder.

CORTES INDISCRIMINADOS

É o que dá, à primeira vista, a tradicional política de cortes indiscriminados de despesas, aplicada de modo geral, sem analisar que existem pontos e casos essenciais. O das representações diplomáticas um deles. Além do mais, u país que despende em torno de 250 bilhões de reais por ano de juros relativos à divida interna, como pode destacar a importância de reduzir despesas mínimas com sua diplomacia? Impossível. Parece o caso em que o remédio é tão forte que paciente arrisca-se a morrer da cura projetada – ângulo geralmente não observado pela tecnocracia. Parece incrível que o corte aplicado na área diplomática não tenha sido observado, quanto a suas consequências, pelo ministro Joaquim Levy.

Pois o não pagamento de compromissos e a não quitação das dívidas já existentes vai, no final da ópera, sair muito mais caro do que a remessa de recursos insuficientes para cobertura de todas as despesas. Quanto às tarifas de energia, basta lembrar que nos Estados Unidos e na Europa, no momento, a estação é de inverno, na qual as temperaturas registram graus negativos. Nova York, por exemplo, é uma cidade que nos meses de janeiro e fevereiro, o clima desce constantemente a menos dez graus. Para enfrentar tal desafio, há necessidade de aquecimento. E isso só com energia elétrica ou gás. E isso só é possível, pelo menos, com o respectivo pagamento das contas.

18 thoughts on “Impressionante: Itamaraty sem recursos para despesas no exterior

  1. Esse é o governo Dilma, que corta despesas nas áreas importantes, aonde há realmente servidores que trabalham em benefício do país. Como Itamaraty, Polícia Federal, Receita Federal, dentre outras.

    Mas que não corta despesas em áreas que servem apenas para acomodar, em cabides de emprego, vagabundos petistas, aliados, e apaniguados!

    • Pois é, Juca, continuamos com 39 ministérios (e parece que só não chegaram a 40 porque seria óbvio demais), anunciam cortes nas despesas de custeio mas não falam em reduzir a quantidade de cargos inúteis, as despesas da Presidente são protegidas por sigilo “por questões de segurança”, e por aí vai…
      Quanto ao Itamarati, Dilma não está nem aí para ele, como aliás tem demonstrado desde que assumiu o governo pela primeira vez. E continua na ilusão de que o Brasil virou potência e o mundo ouve com atenção as bobagens que ela diz nos organismos internacionais… Criticaram a presidente por não ter ido a Davos para ir à posse de Evo Morales, mas eu pensei: Graças a Deus, assim pelo menos o Levy pode falar lá em vez dela.

      • Wilson, quando eu era jovem, o que não faz tanto tempo assim, fez sucesso uma música do rock brasileiro chamada “Que país é esse?” do conjunto Legião Urbana, composta por Renato Russo.

        Não pude deixar de me lembrar agora mesmo dessa música, percebendo que o governo Dilma nos envergonha ainda mais, fazendo as representações diplomáticas brasileiras no exterior sofrerem situação de penúria, por causa de verbas cada vez mais reduzidas.

        E o trecho da música que imediatamente me veio à mente é esse:

        “Terceiro Mundo se for
        Piada no exterior”

        Aqui vai o videoclipe, para quem quiser se lembrar: https://www.youtube.com/watch?v=CqttYsSYA3k

        Nada mais atual: “Terceiro mundo se for”, porque podemos estar pior do que isso. “Piada no exterior”, porque sabemos claramente que o mundo inteligente e desenvolvido constantemente zomba deste nosso Brasil, nas entrelinhas, disfarçadamente, ou de forma até mais direta mesmo.

  2. Esse corte que significa 39% do orcamento executavel ‘ esta atingindo todos os orgaos federais. Ontem em um comentario , postei uma circular do Reitor da Unifesp. Pega inclusive os HUs da ‘ Patria Educadora ‘ ….CAOS…

  3. Li alhures que os governos PT abriram representações até em pequeníssimos e distantes países, com os quais o Brasil não tem nem comércio, nem um tipo de troca… haja dinheiro, haja fortuna… estavam jogando para tentar uma vaga no Conselho de Segurança da ONU, mas já li tb alhures, que nosso país está devendo a ONU e por isso perdeu o direito de voto na ONU, por favor, confiram se esta última é fato. No mínimo faltou planejamento, como abrir representação diplomática em minúsculos países? poderia-se continuar como sempre foi…

  4. Tudo o que sobe, um dia desce. A lei da gravidade política, já esta agindo sobre o PT. A curiosidade agora é
    saber se o pouso será suave, ou na base do esborrachamento.
    Pelos últimos acontecimentos, dão a impressão que o desenlace do petismo com o poder, será traumático.
    Madame foi veranear na Bahia, depois participou da micareta boliviana, agora esta “descansando” para após
    o carnaval, voltar a governar.
    Não foi a Dávos, para não ter que encarar a rapaziada, que gostaria de saber, assim como nós, o que aconteceu na Petrobrás e principalmente, saber onde foi parar o dinheiro.
    Dizem até que os “esporros”, não são mais os de antigamente, faltam os acessos de fúria, enfim murchou.
    Parece até que o pais se soltou das amarras, esta a deriva. Até o criador(da criatura), sumiu, onde esta?
    Ninguém sabe, ninguém viu.
    Roguemos pois ao todo poderoso, que tenha piedade de nós e de forças a esta oposição raquítica para tentar resolver esta situação.

  5. Excelente, NENNO G! Tudo o que os petralhas do poder jogaram para cima, nesses anos todos governando o Brasil, começa a cair sobre as suas cabeças!

    E os dejetos que caem certamente vão aniquilá-los. É só questão de tempo.

  6. faltar recursos para o Itamaraty não será NENHUMA originalidade;

    basta lembrar a situação de hospitais e escolas públicas EM TODO O PAÍS !!!

    .

    quero ver faltar dinheiro para

    ROUBO, AFANO, DESVIO, DILAPIDAÇÃO, ESBULHO, ESCAMOTEAÇÃO, EXPILAÇÃO, FURTO, GATUNAGEM, LADROEIRA, MAMATA, MARMELADA, NEGOCIATA, PILHAGEM, RAPINAGEM, ROUBALHEIRA, SAQUEIO, TRAPAÇA, USURPAÇÃO

    da p.e.t.r.a.c.a.n.a.l.h.a.d.a ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! !

  7. Virgílio, Virgílio, a vaca está é indo para o brejo.
    Sem ”tossir”.
    E o Brasil, ”terra adorada” ? É como diz o Juca Chaves :
    Brasil, ó Pátria amada, que palhaçada !!!

  8. A.N.A. Agência de Notícias Alternativa

    BRASIL
    (ANA – Paris) Foi preciso tragédia na França para se saber que ali existe um embaixador brasileiro. Inspirada por humor macabro, a presidenta do Brasil anunciou que « seu » embaixador iria representá-la no protesto contra o terrorismo. A pessoa errada no lugar errado. Quem não trabalha, para homenagear quem morreu trabalhando. Um parasita, para homenagear heróis que dependiam de vender cada jornal para pagar suas contas.
    PRECISA
    (ANA – Paris) A maior proeza do embaixador brasileiro, comentada nos cafés e nas ruas de Paris, é a de que ele pegou o piano da embaixada e levou para casa. Ora, temos experiência em comissões de sindicância. Podem nos convocar. A coisa é grave. Piano não anda sozinho. Será que a embaixada pagou o caminhão?
    ABRIR
    (ANA – Paris) A embaixada é uma das bijouterias mais inúteis pagas pelo povo brasileiro. Não se vê o tal embaixador em evento brasileiro na cidade. No máximo ele assina apresentação de festival de cinema carioca em Paris, usando o nome do Brasil em algo que não tem nem regulamento para interessados participarem. Qualquer grupo de capoeira, sem um centavo do governo, divulga muito mais o Brasil, atraindo turistas e divisas.
    CAIXA
    (ANA – Paris) Conversem com um diplomata. Ele vai reclamar do salário. Mas passa a vida toda apenas maquinando, futricando e intrigando para se promover. Alguém já viu agenda de embaixador ? Até Obama, até Presidente, ministro e qualquer prefeito possuem agenda pública. Embaixadas brasileiras são representação pessoal e biombos para negócios excusos de elites, como o envio de recursos a paraísos fiscais. Além do principal, o Brasil tem outros embaixadores oficiais em Paris. Para fazer o quê?
    PRETA
    (ANA – Paris) O consulado em Paris alugou palácio para que eleitores brasileiros pudessem votar, quando o Brasil já paga dois endereços caros(embaixada e consulado). País rico é outra coisa. Eleitores franceses no estrangeiro votam em suas embaixadas ou consulados. Mas o Brasil pode jogar dinheiro fora. Acontece que a França é quatro(4!) vezes mais rica. O PIB francês é maior, para população quatro vezes menor que a do Brasil.
    DE EMBAIXADAS
    (ANA – Paris) Dizem que o Itamaraty vai recuperar prestígio. É pra morrer de rir? Durante a ditadura dedurava exilados que voltavam ao Brasil, para receberem tortura e morte. Nessas ilhas do direito, ainda não chegou a democracia. Antros de encostados, fofocas e intrigas. Mas sustentado com dinheiro suado do povo. Que não tem nem direito de ouvir embaixador tocar piano. Pode ser que um dia ele toque, na PF. O Brasil mal ou bem evolui.

    TODO APOIO À POLÍCIA FEDERAL E À JUSTIÇA

    Efraim Mellara – Editor

    O Governo do Brasil perdeu as eleições em 99% das comunidades brasileiras no exterior. Mas não toma vergonha na cara. Tudo tem um motivo.
    Um dia no Consulado do Brasil em Paris. Filas de eleitores se inscrevem para votar. De repente passa a vice-consul(!), esposa do embaixador, reclamando alto: «brasileiro é desse jeito, deixa tudo pra última hora». A madame entra no carrão estacionado em frente, em mais um dia de nada a fazer. Ela nunca parou para pensar que os brasileiros da fila trabalham como condenados, em cidades distantes, para mandarem dinheiro ao Brasil, que vira imposto, para pagar salário de diplomatas inúteis.
    Os mais importantes documentos fundadores da democracia no Ocidente, a Declaração de Independência dos EUA e a Declaração dos Direitos do Homem, reconhecem que todo o povo tem o direito, mesmo pela força, de se libertar da opressão.
    O brasileiro descobriu que, quando paga um bilhete de metrô ou paga um litro de gasolina, estão roubando seu sangue. E no exterior descobre que quando renova o passaporte ou envia dinheiro ao Brasil, também está sendo assaltado. Não é democracia, é a maior cleptocracia do mundo.
    Mas pela primeira vez a Polícia Federal e a Justiça estão podendo trabalhar com um mínimo de interferência dos chefes das quadrilhas políticas. Nunca antes tantos tubarões foram presos.
    Para colaborar com este momento, brasileiros no exterior criaram o grupo «Respectez le peuple pas les corrompus» (Respeitem o povo, não os corruptos). O movimento já conta com página no Facebook. O objetivo é apoiar Justiça e Polícia Federal contra pressões que podem interromper o processo em curso.
    Por estarem fora do Brasil e, em sua maioria, não dependerem do governo, brasileiros no exterior podem colaborar decisivamente para que o Brasil saia do esgoto. Podem organizar atos em outros países (respeitando as leis locais) quando da visita de autoridades brasileiras, a começar da Presidente. Oportunidade não falta e nem vai faltar. Acompanhar, protestar, denunciar, cobrar !
    Devem ter como exemplo aquele brasileiro que sozinho parou uma rua em Paris para protestar. Teclem no google : « Sarney é igual a Hitler ». E vão descobrir o episódio em ele conseguiu fazer valer sua voz. Até eu tenho inveja de gente assim. Apenas com atos como este o Brasil pode sair da periferia da civilização.
    A presidente do Brasil foi reeleita para mudar. Mas não para pior. Se ela não andar com as próprias pernas, e longe dos malandros, ao invés de aumentar sua popularidade e entrar para a história, pode sim sair do Palácio pelo elevador de descarga.
    Aquele cidadão solitário, mas repleto de verdade, em uma rua de outro país, um dia colocou ela pra correr. E provou que isto é possível.

    Pedidos de assinaturas da agência A.N.A. devem ser enviados ao email
    contact@ci-da-dao.com
    A citação da fonte é aconselhável para que a Agência A.N.A. assuma
    TODA e COMPLETA responsabilidade pelo que vai informado ou comentado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *