Imprudente, ministro Teori Zavascki errou feio e conseguiu agravar a crise

Resultado de imagem para teori zavascki charges

Charge do Nani (nanihumor.com.br)

Carlos Newton

O ministro Teori Zavascki, que tem sido por demais prudente na condução dos inquéritos da Lava Jato, que se arrastam na costumeira letargia do Supremo Tribunal Federal, acabou se mostrando imprudente ao conceder a liminar requerida por um integrante da Polícia do Senado (leia-se: requerida por determinação do senador Renan Calheiros). Numa questão delicada como esta, que envolve os três Poderes da República, teria sido mais recomendável ouvir a Procuradoria-Geral da República, a Polícia Federal e a 10ª Vara Federal Criminal de Brasília, antes de tomar a decisão. Mas o ministro-relatornão agiu assim. O  foi logo acolhendo a liminar, no estilo “inaudita altera pars” (sem ouvir as outras partes envolvidas na questão).

Não satisfeito em suspender a Operação Métis, Zavascki determinou que as maletas antigrampo apreendidas pelos federais sejam enviadas para o seu gabinete. Foi uma medida ensandecida e contraditória, porque o Supremo não tem a menor condição de periciar os equipamentos e precisará pedir apoio técnico aos especialistas da própria Polícia Federal, vejam como o ministro agiu impulsivamente.

RENAN E GILMAR – Fica claro que o ministro-relator se deixou levar pelas emocionadas e espetaculosas manifestações do presidente do Senado e do ministro Gilmar Mendes. Segundo dispõe a Lei Orgânica da Magistratura, magistrados  estão impedidos de externar opinião em causa alheia, mas Gilmar Mendes não se contém e dá pitaco em qualquer assunto, só falta participar de mesa-redonda de futebol.

Zavascki se emocionou com os argumentos dúbios de Gilmar Mendes (“Colocar polícia no Congresso não é o melhor método”), e de Renan Calheiros (“Se a cada dia um juiz tomar uma decisão, estaremos passando a um Estado de exceção depois de um estado policialesco, como disse Gilmar Mendes em 2009”).

Aparentemente, Gilmar e Renan podem até ter razão. Mas as aparências quase sempre enganam. A operação da PF tinha fortes fundamentos, todos são iguais perante a lei e o Senado é uma casa do povo, não dispõe das prerrogativas de inviolabilidade.

UMA TESE ARDILOSA – Constata-se que o ministro Zavascki se deixou levar por uma tese ardilosa, levantada por Renan, de que a Polícia do Senado tem competência para fazer varreduras a pedido de parlamentares. Trata-se de um argumento óbvio, nem deveria entrar em discussão. O que o relator do Supremo teria ter levado em conta (e nem considerou) é que a Polícia do Senado jamais poderia ser usada para varreduras em casas de ex-parlamentares, como José Sarney e Lobão Filho, e muito menos em residência de genro de ex-senador, conforme ocorreu, e com despesas extras de viagem da equipe até São Luís do Maranhão.

Zavascki agiu de forma primária e ingênua. Não percebeu que a principal justificativa da Operação Métis nem eram as varreduras ilegais, que efetivamente existiram, mas os repetidos atos de obstrução da Justiça, cometidos pela Polícia do Senado.

Foram quatro tentativas seguidas para impedir a busca e apreensão no apartamento funcional de Fernando Collor, com mandado judicial emitido pelo próprio Supremo, tendo como signatário o ministro Celso de Mello, mas o relator Zavascki nem considerou esse fato, mais do que comprovado no relatório da equipe da Polícia Federal.

CÁRCERE PRIVADO – No apartamento funcional, indevidamente usado como “escritório” por Collor, o diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo Araújo, chegou a ponto de trancar a porta do apartamento, para impedir a saída da delegada federal e dos agentes que executavam a operação. A equipe da PF só conseguiu sair, porque a delegada ameaçou dar voz de prisão ao pretensioso diretor da Polícia do Senado, por crime de cárcere privado.

O ponto central da Operação Métis não eram as varreduras (repita-se, “ad nauseam”, como dizem os juristas), mas a reiterada prática de obstrução da Justiça, que já havia ocorrido antes, no caso da busca e apreensão no apartamento do casal Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann. Mas o impetuoso ministro Zavascki nem percebeu essa realidade.

O relator do Supremo agiu como se o juiz Vallisney Oliveira tivesse extrapolado em sua competência funcional. Ao suspender a Operação Métis, o ministro procedeu como se a Justiça Federal houvesse invadido o foro privilegiado dos senadores, mas isso jamais aconteceu. A não ser que Zavascki considere que a Polícia do Senado também possui foro privilegiado, e aí seria caso de internação.

AGRAVANDO A CRISE – Com uma inabilidade impressionante, Zavascki conseguiu agravar a crise institucional. Ao mesmo tempo, desautorizou um juiz federal de currículo brilhante e inatacável, que não dá entrevistas nem procura notoriedade, e desautorizou também o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, considerado um dos melhores juristas da nova geração, autor de importantes obras e ensaios de Direito Constitucional.

Moraes tinha afirmado que a Polícia do Senado “extrapolou sua competência”. O relator Zavascki discordou do ministro da Justiça e decidiu de imediato que foi o juiz federal Vallisney Oliveira quem extrapolou. Com isso, Zavascki declarou que o ministro Alexandre de Moraes também extrapolou, vejam bem o grau de esculhambação institucional em que este país está mergulhado.

###
PS
Já ia esquecendo. O presidente Temer afirmou o seguinte: “Não entro no mérito da decisão, seria pretensão demais, não é? O que eu posso dizer é que, processualmente, foi uma medida correta“. Em tradução simultânea, Temer apenas disse que Zavascki tinha direito processual de aceitar ou recusar a liminar. Não disse se Zavascki agiu certo ou errado. Mas o título da matéria no importante site G1, da Organização Globo, foi o seguinte: “Decisão de Teori de suspender Operação Métis foi ‘correta’, diz Temer”. Ou seja, os jornalistas não conseguem entender nem mesmo o que publicam. (C.N.)

14 thoughts on “Imprudente, ministro Teori Zavascki errou feio e conseguiu agravar a crise

  1. O pecuarista de flying cows deve, tal e qual madre superiora, ter podres sobre colegas e magistrados do Supremo que dá a ele aquele ar de intocável.
    Aquela sabatina no Senado para selecionar candidatos a empregos vitalícios sem concurso para o Supremo é apenas um faz de conta. Se um governo indicar um analfabeto ou um que nunca tenha conseguido aprovação em concurso para a magistratura de 1º grau e antes liberar verbas para parlamentares, o candidato não terá nenhuma dificuldade de passar. Se alguém perguntar a ele se deu pra passar, responderá: deram.
    Este é o país da palhaçada pronta, do perdão ao crime político garantido pelo foro privilegiado e da pizza garantida.

    • O que tudo indica e transparece nesse imbróglio, é que Zavaski possa ser mais um caso típico sim, mas não de internação, como nosso primoroso analista Carlos Newton sugere com toda sua perspicácia!
      A bem da verdade, tudo indica se tratar de mais um notório reflexo de cooptação de um judiciário cada vez mais notoriamente cúmplice de uma trama que confronta a Constituição Federal e o Estado Democrático de Direito!

      Está se tornando cada vez mais evidente para a sociedade, através dessa infinita sucessão de ‘entendimentos judiciais que protegem criminosos de colarinho branco’, que não se tratem de ‘casos fortuitos’ de interpretações ‘equivocadas’ da Carta Magna por ‘Juristas de Notório Saber’, mas de uma clara orquestração, para a deliberada proteção de criminosos que ocupam cargos públicos eletivos do país!
      Tais canalhas, conquistaram a salvaguarda do STF, exatamente por terem sido os responsáveis por VALIDAR SUAS INDICAÇÕES PARA O POSTO NO SUPREMO, numa trama de cumplicidade de proporções sem precedentes, na história política recente do país!

      Continuar classificando essa descarada cumplicidade como ‘inabilidade’, ‘impetuosidade’, ‘emoções’ ou quaisquer outros adjetivos para ‘não ferir suscetibilidades’ das ‘poderosas oligarquias jurídicas’ encasteladas no topo da pirâmide do poder – tanto da nação como dos salários – continuarão não contribuindo em nada para a correção do rumo de nossa claudicante democracia!

      Insistir nessa abordagem produz o efeito nocivo de dificultar a compreensão com nitidez pela sociedade, das reais causas da ‘eternização’ de nossas mazelas!

      Indistintamente, TODAS nossas mazelas se originam na ‘oficialização’ (legalidade) do apadrinhamento de ‘autoridades públicas’, que cria castas e perpetua a hipocrisia caudilha esquizóide em que a nação foi transformada nos últimos 21 anos do exercício, infiltração e doutrinação do marxismo, que acabou distorcendo o pouco de ética que ainda restava e conseguiu acabar de aviltar nossos parcos valores civilizatórios reminiscentes, sempre através de interpretações enviezadas do que determina a constituição ! ! !

  2. Teori, agiu por impulso (emoção) oriunda de seu medo consequencia de seu rabo preso !!! Quem não deve não Temer!!! Esse aí tá mais sujo que seus pares do legislativo e alguns colegas de STF. Triste País que. Ao pode confiar em seus representantes !

  3. Caro Newton, com esta, como diz o ditado popular, o ministro “mijou fora do pinico”; se colocou na situação do sistema “Renan” JUIZECO,
    A pergunta: e agora José? pergunto e agora Drª Carmen? o stf vai continuar stf, em razão de seus membros, vai!! Drª Carmem, o Zé e Maria Povinho, sacrificado pela canalhada, por conivência do stf, com sua lentidão a passos de cagado, aguarda ansioso, que suas palavras de posse se transforme em ação; Renan, o Amoral, está dando as cartas, e lamento dá razão a Lula, quando disse que o stf, é covarde.
    Quando o stf voltará a ser STF??? a 1ª instância, de novos Juízes, está dando exemplo de Dignidade e Justiça.
    Por um Brasil decente e justo.
    Temer, estou a te temer, governe para o povo, teu desgoverno, está pondo a Soberania do País na lata de lixo!
    Que Deus nos ajude a sair dessa podridão.

  4. Caros Senhores,
    Tenho uma dúvida, dentre tantas, para a qual peço a ajuda para tentar entender um pouco melhor a questão:
    Muito li que as escutas com autorização judicial são feitas diretamente nas operadoras de telefonia.
    Então pergunto:
    a. Pode a justiça autorizar também escuta física ou câmera, ou seja, através de gadget instalado no recinto?
    b. Porque o instrumental da polícia do senado, ou as maletas se preferirem, tem a capacidade de instalar escutas físicas? Teria competência a polícia do Senado, e seria esse um ato legal, de plantar uma escuta física?
    c. Uma vez que a polícia do Senado ganhou foro privilegiado por osmose, teria o presidente do senado competência para solicitar grampos?
    Um Forte Abraço,

  5. Pessoas com a inteligência, preparo e experiência de um Teori não tomam decisões como essa à toa. Parece que de vez em quando os ministros resolvem fazer testes de paciência com o povo, para ver se já podem decidir como se fosse uma ditadura, em perfeita sintonia com os ladrões dos demais poderes, como a corte da Venezuela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *