Indevidamente, PT tenta usar a imagem de Vargas, Jango, Brizola e Darcy

Resultado de imagem para trabalhismo charges

Charge do Chico Caruso, reprodução de O Globo

Marcelo Câmara

O Trabalhismo brasileiro, seus personagens, seus feitos, suas conquistas e os crimes que sofreu, transformou-se no grande acervo para os discurseiros desarticulados do PT e seus aliados. O PT sempre odiou, combateu e ridicularizou Getúlio Vargas, João Goulart, Leonel Brizola e Darcy Ribeiro, a doutrina trabalhista brasileira. Eis alguns assaltos oportunistas:

Vargas, o maior estadista da História do Brasil, que editou a CLT, produto de uma equipe de notáveis de pensamento socialista (Lindolfo Collor e outros), para o PT “sempre foi o ditador sanguinário, que construiu a CLT, documento fascista de dominação e controle dos trabalhadores, diploma ultrapassado, feito em cima da Carta del Lavoro, de Mussolini”.

MAS AGORA… – Nas nas sessões do processo de impeachment, repetiam: “A CLT é sagrada, uma conquista dos trabalhadores, que Getúlio Vargas deu ao povo brasileiro. A CLT é o porto seguro dos trabalhadores. E Temer quer revogar a CLT, um crime etc.”.

Compararam ao cerco que Carlos Lacerda e a Direita fizeram a Getúlio Vargas em 1954 e que o levaram ao suicídio à posição de ré de Dilma Roussef. Chamaram o Palácio do Jaburu, de onde Temer governava, de “a mesma República do Galeão que traiu Getúlio”. Uma esquizofrenia histórica. O Senador Requião, nacionalista, é verdade, mas aliado do PT, leu, na íntegra, da tribuna, a Carta do Testamento de Getúlio Vargas, emocionando o Plenário. Pretendeu encarnar a Carta no PT, identificá-la com o partido de Lula. Impossível. Nenhuma identidade.

IMPOSTO SINDICAL – Para o PT, o Sindicalismo que Getúlio criou sempre foi falso, dirigido pelo ditador. O PT sempre se colocou contra o imposto sindical. Até a posse de Lula em 2003. Nos últimos dias, nada mais democrático, legítimo e representativo que a “herança sindical de Getúlio, que teceu a base do Sindicalismo brasileiro, que, agora, Temer quer destruir…”

Leonel Brizola, o último estadista que este País teve, sempre foi “um demônio” para os petistas, inimigo mortal, mesmo sendo o responsável pela maior transferência de votos já havida na política brasileira a favor de Lula no RJ, quando, em 1989, o “sapo barbudo” não se elegeria vereador entre os fluminenses. Pois bem, durante o processo de impeachment, Brizola foi a referência da Esquerda (que Lula e o PT nunca foram), o grande líder nacionalista, trabalhista, socialista, democrata.

Resultado de imagem para darcy ribeiro caricatura

Arte do Kacio Pacheco (kacio.art.br)

DARCY E OS CIEPS – Darcy Ribeiro construiu os CIEPS. Para o PT “depósitos de crianças, prédios caríssimos, programa sem pedagogia, demagogia brizolista”. No início dos anos 1990, o PT elaborou e distribuiu panfletos contra Brizola, Darcy e os CIEPS, nos corredores do Congresso Nacional, durante a discussão de um projeto da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de interesse da Direita conservadora, que se confrontava com uma proposição do próprio Darcy.

Nas sessões do impeachment, Darcy foi citado e recitado todos os dias. Até Dilma, nos funerais do dia 31, no Alvorada, mutilou um pensamento de Darcy. Pior: leu a reprodução do seu ghost writer de versos de Maiakovski. Certamente, Dilma pensou que fosse um slogan de uma vodca russa.

27 thoughts on “Indevidamente, PT tenta usar a imagem de Vargas, Jango, Brizola e Darcy

  1. Verdade que o PT sempre odiou o Trabalhismo e particularmente Leonel Brizola. O PT usar o Trabalhismo em proveito próprio, pura retórica, se deve a ação desastrada de um incapaz que atende pelo nome de Carlos Lupi, o infeliz que preside com mão de ferro e autoritariamente o PDT.

  2. E o Temerjara quer mudar a CLT, criando os regimes de trabalho escravo e semiescravo , conforme prometeu aos seus reais patrões. Só que com 68% de impopularidade vai ser difícil.
    Os bancários de São Paulo já haviam decretado greve para 3.ª, hoje os do Rio também aderiram, quero ver qual vai ser a posição dos trabalhistas ???

  3. Comparar Getúlio Vargas, João Goulart, Leonel Brizola e Darcy Ribeiro com PT de Lula, é brincadeira, nunca, Lula deveria agradecer o imposto sindical que o sustentou, as comparações são indignas, uma ofensa a quem tanto fez por este país, é um assunte a memória destes verdadeiros trabalhistas, mas tem uma corja que critica, é igual uma hiena.

  4. Em seu livro Jango e Eu, o Darcy fala que o Samuel Wainer adorava levar uns pixulecos e falava isso abertamente… Também diz que entravam malas de pixulecos no Palácio… Darcy foi o seu Chefe da Casa Civil.

  5. Pois eu não gosto do Getúlio, uma vez ditador, sempre ditador.

    ” (…)… As autoridades policiais brasileiras favoreceram e acobertaram as ações dos partidários do nacional-socialismo, assim como fortaleceram as relações do Brasil com a Alemanha na década de 1930. O governo Vargas não conseguia ocultar suas simpatias pelos paradigmas nazifascistas. Basta enumerar a presença efetiva de germanófilos e antissemitas no alto escalão do Estado Novo e na grande imprensa brasileira. Os adeptos do nacional-socialismo ostentavam a suástica como símbolo de sua identidade política. Além disso, eles preservavam elementos identificadores da cultura alemã e do sentimento de pangermanidade, em circulação na Alemanha desde o século XIX.
    Ao ser acusado de “fascista”, o Estado tentou calar as vozes destoantes com medidas repressivas. Desde 1935, Getúlio Vargas estava sob constante pressão dos Estados Unidos, que, valendo-se dos diplomatas brasileiros radicados naquele país, cobrava-lhe uma postura mais democrática e menos pró-Alemanha. Com a intenção de burlar essa vigilância ideológica norte-americana, o governo brasileiro manteve secretas e confidenciais algumas de suas iniciativas antissemitas, como um conjunto de circulares contrárias à entrada de judeus fugitivos das perseguições nazistas. Alianças com a Igreja garantiam ao Estado um perfil católico, que serviu também para seduzir grande parte da população que identificava os comunistas como “homens sem Deus” e incendiários. O comunismo foi eleito o“monstro das mil cabeças”, um “cupim da tranquilidade e da ordem”, enquanto o Tribunal de Segurança Nacional era defendido como a máquina repressora idealizada para eliminar os adversários do regime. Acobertado pela lei e por um discurso populista, o governo Vargas sustentava assim o discurso da autoridade, que ocultava o discurso da violência e as ações antissemitas, como a expulsão de comunistas do país e a negação de vistos aos judeus que fugiam do nazifascismo.

    http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/o-brasil-diante-dos-nazistas

  6. O PT sempre desprezou o getulismo como paternalista e defensor do patronato, e a CLT como uma alegada cópia da Carta Del Lavoro da Itália fascista. Mas agora, fora do poder, se sente à vontade para se apropriar de ícones do passado, para manipula-los a seu interesse.

  7. Parabéns pelo excelente e verdadeiro artigo.
    É muita cara de pau querer comparar o impeachment da Dilma com a tentativa de golpe que levou Getúlio Vargas ao suicídio, que os motivos principais foi ser nacionalista, defensor dos interesses nacionais e a criação da Petrobrás, que a elite da época não consegui destruir, mas agora o PT consegui. João Goulart foi tirado por um golpe da direita, aliados a alguns militares, boa parte da Igreja Católica que hoje apoia o PT, a direita conservadora e a CIA. pelos mesmos motivos da tentativa de golpe contra Getúlio Vargas. Quanto ao Brizola, a ditadura preparou bem o campo para que Brizola nunca chegasse a Presidência da República, para isso, o Golbery viu no Lula o homem ideal para dividir a classe trabalhadora: um retirante do nordeste, pobre, falando a linguagem da maioria do povo alienado brasileiro, o homem ideal para tomar o lugar do Brizola. O PT chegou ao poder e quem mais ganhou dinheiro no governo do PT foram as elites. Dito pelo próprio Lula: os banqueiros nunca ganharam tanto dinheiro como no meu governo. As grandes empresas, em destaque as empreiteiras também foram os grandes beneficiados do governo do PT. Desde o início do governo petista até a afastamento da Dilma, o Brasil mergulhou numa corrupção endêmica e levaram o país a ruína, mas ainda assim, de toda forma. lutam para não perder o poder. O que se percebe é que manter-se no poder é o mais importante, o Brasil que se dane.

  8. De outra coisa tenho certeza:
    Brizola jamais sofreria um processo de impeachment, simplesmente porque saberia negociar com politicos, já que ele próprio era politico.
    Assim como lula também nem chegou perto de sofrer um processo de impeachment, porque ele também sabia conversar com politicos! Mas com certeza há de chorar eternamente lágrimas de sangue, primeiro quando botou uma “posta” na presidencia e depois por covardia não conseguiu impedir o mesmo “posta” de concorrer para o 2º mandato. Deu no que deu!
    Mas realmente essa gentalha petralha não chega nem aos pés de Vargas, Brizola Ou Jango! Não passam mesmo de uns boçais esquerdopatas sem uma ideologia clara e definida! Querem apenas o poder pelo poder! Querem apenas ser ” phoderosos” !

  9. Nunca é demais falar em Getúlio, Jango, Brizola e Darcy. Naturalmente sem fazer comparações impossíveis e desnescessárias. Acho que Câmara está certo. Só sou contra a demosntração de ódio. Quem é trabalhista seguidor de Getúlio, Jango e Brizola , conhecedor da história não pode usar o ódio para explicar ao povo a diferença entre o PDT e o PT. É fácil: O PTtem seu ideário baseado no sindicalismo norte-americano ALFACIO. O PDT tem o ideário do Trabalhismo Brsileiro que é autotone. Sua Gênese é a Revolução Farroupilha de 1835. Não podemos usar o ódio udenista para fazermos críticas raivosas. O Trabalismo verdadeiro é legalista e reformador que caminha no rumo do Socialismo. Tripudiar sobre um adversário vencido não faz parte de nosso ideário. Não somos policiais da história.

    • Perfeito Aquino, perfeito.
      Quanto ao texto – a título de confessada provocação -, eu só corrigiria a afirmativa de que “Brizola foi o último estadista do Brasil” para dizer que “Brizola foi o ÚNICO estadista do Brasil”.

      Getúlio teve lados discutíveis (foi um ditador) e Jango fraquejou na hora H, permitindo um golpe civil com apoio dos militares, o que deixou Leonel Brizola profundamente contrariado, embora seu elevado senso ético nunca tenha permitido que se manifestasse de forma aguda contra o cunhado.

      Já o Darcy Ribeiro, embora genial, não ocupou cargos que pudessem lhe conferir o título de estadista.

      Aliás, sem querer de forma nenhuma empanar o brilho desse brilhante colaborador do Brizola, lembro-me de um episódio que em nada agradou ao governador.

      Nos primeiros dias de governo, em 1983, Darcy, como vive-governador, cismou que poderia mandar parar o Ford Landau oficial na porta do seu prédio, na Rua Bolivar, n.º 7, esquina com a Av. Atlântica, em Copacabana.

      Veio um guarda, disse que era proibido, houve um péssimo “sabe com quem está falando”. O guarda sabia. Mas disse que rebocaria, mesmo assim.

      O vice-governador resolveu apostar. Após rebocado – acredite-se -, o vice foi perturbar o governador, para dar uma solução… Lamentável.

      A solução definitiva, dada alguns dias depois, foi plantar uma placa na porta do prédio, com uma vaga privativa do vice-governador.

      Muito menos grave que isso, mas flagrantemente eivada de ilegalidade, foi a proposta de Darcy Ribeiro que transformava todo falecido sem manifestação quanto à doação de órgãos, automaticamente, em doador.

      Independentemente de aspectos religiosos, é lógico que não se pode, quanto a uma coisa séria como essa, fazer do silêncio permissão. Principalmente se se trata do silêncio de alguém sem direito à réplica.

      Legislação com esse perfil contraria o bom senso.

      Atenua o afoito ato do vice seu afã em resolver o problema da escassez de órgãos disponíveis para doação. Em momento seguinte, a lei foi revogada, ou considerada inconstitucional – pormenor que não me lembro.

  10. Nos anos 39/40 os integralistas do Dip para cultuar a imagem do Vargas publicavam a Revista Ave Maria, que dizia que comunistas estupravam freiras… Recordar é viver…

  11. Oigres Martinelli, sabes do respeito que te tenho, isso entretanto não impede que eu externe opiniões diferentes das que esposas. É humano que assim seja. O mundo seria insuportável se todos o vissem pelas mesmas lentes. Acho um despropósito quando trêfegos escritores escrevem a história vulgarizando-a e viciando-a com invencionices. Todo ser humano erra, mas devemos seguir a lição de Ortega: O homem e a sua circunstância. Falas em Darcy por atos que praticou e que achaste reprováveis. Creio firmemente que para sermos justos devemos olhar o outro lado dos acontecimentos, Se condenarmos ad eternum” uma pessoa sem avaliarmos as razões do acontecimento é por que pre-julgamos. Não é bom policiarmos os mortos.
    Depois de morto só a história desprovida de paixões é que pode fazer um julgamento justo. Valeu amigo.

  12. Falo uma de Darcy: Darcy candidato a governador em 1986. Uma garota de 14 anos é assasinada depois de estar em uma casa noturna chamada “Papagalio” (ou coisa parecida) que ficava na Lagoa, aqui no RIo-RJ. Eu morava no Leblon e um amigo influnenciado por outras pessoas me diz: Quem matou Ana foi o garoto amante do Darcy. Eu perguntei, você conhece o Darcy? Respondeu: Não, mas estão falando que ele paga o aluguel do apartamento desse garoto. Veja que absurdo. A versão era criminosa espalhada pelos meios de comunicação e pela elite raivosa. Fizerm uma passeata culpando o Darcy pela morte de Ana, e de uma outra moça que foi violentada, estrupada e morta em uma garagem em Copacabana. Quem conheceu o Darcy sabe de seu caráter e de sua civilidade. Por ser vice-governador na época e candidato a governador espalharam coisas, as mais depreciativas contra ele. O fanatismo político é como o religioso; não tem parâmetros.

  13. Na verdade Mordaz, esse pedido Nélson Rodrigues fez ao Médici. Nélson Rodrigues era um sabujo tão sórdido da ditadura militar que pediu a Médici que Nelsinho saísse do país na época da guerrilha, pedido ao qual o ditador acedeu, mas Nelsinho recusou honrosamente. Nélson perseguiu Dom Hélder Câmara de forma covarde, vil e cruel, enquanto puxava o saco do seu patrão Roberto Marinho, lambia a bota dos militares de 64 e fazia aquelas sacanagens imbecis com seu amiguinho Otto Lara Resende, outro sabujo empregado de Roberto Marinho. Nélson Rodrigues foi um gênio excepcional fenomenal extraordinário da nossa literatura e dramaturgia que mereceria certamente um Prêmio Nobel de Literatura, mas como ser humano era uma merda. Por ironia, o nosso único Prêmio Nobel, que teria sido o da Paz, poderia ter sido Dom Hélder pela campanha que fazia no exterior denunciando as torturas que havia no Brasil no início dos anos 70, mas foi violentamente sabotado pelo Serviço de Informações do Exterior do Itamaraty chefiado pelo embaixador da extrema direita Pio Corrêa, o mesmo que perseguiu Vinícius de Moraes. Segue abaixo link comprobatório sobre a história do pedido de Nélson Rodrigues a Médici, a qual está descrita no quarto parágrafo você lendo de baixo para cima.

    http://www.releituras.com/nelsonr_bio.asp

  14. O PT foi a pior doença que se instalou na lavoura dos sonhos do povo brasileiro. Lula foi a “vassoura de bruxa” (fungo que ataca a lavoura cacaueira) que destruiu esses sonhos. Governo de mentiras, corrupção e atraso. Uma ideologia que dividiu o Brasil entre “nós e eles” e que levou a desunião ao povo brasileiro. Felizmente, o dia 31 de agosto de 2016, foi o dia da nossa libertação. O povo brasileiro está livre dos 14 anos de desilusão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *