Inquérito descarta execução e aponta que Adriano da Nóbrega morreu em confronto com PMs

Departamento de Polícia Técnica concluiu que não houve tortura

João Valadares
Folha

Inquérito da Polícia Civil da Bahia, concluído nesta quarta-feira, dia 26, aponta que o ex-capitão da PM-RJ (Polícia Militar do Rio de Janeiro) Adriano da Nóbrega, morto em fevereiro deste ano, atirou sete vezes contra policiais militares antes de ser atingido por dois tiros. Laudo do DPT (Departamento de Polícia Técnica) concluiu que não houve tortura e descartou execução.

Apontado como chefe de uma milícia do Rio de Janeiro, Adriano foi citado na investigação que apura a prática de um esquema de devolução de salários no gabinete do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), no caso conhecido como “rachadinha”. O filho do presidente, que nega as acusações, o homenageou duas vezes na Assembleia do Rio de Janeiro. O miliciano teve duas parentes nomeadas por Flávio Bolsonaro.

TIROS CONTRA PMS – Conforme o inquérito da Polícia Civil da Bahia, dois disparos feitos por Adriano atingiram o escudo dos policiais que tentavam prendê-lo em um sítio na cidade de Esplanada (170 km de Salvador). Os outros cinco tiros acertaram a parede e uma janela do local.

Três dias após a morte de Adriano da Nóbrega, o senador Flávio Bolsonaro se pronunciou nas redes sociais. “Denúncia! Acaba de chegar a meu conhecimento que há pessoas acelerando a cremação de Adriano da Nóbrega para sumir com as evidências de que ele foi brutalmente assassinado na Bahia. Rogo às autoridades competentes que impeçam isso e elucidem o que de fato houve”, escreveu.

Nesta quarta-feira, em entrevista coletiva, o delegado Marcelo Sansão, à frente das investigações, afastou a hipótese de que Adriano tenha sido executado. “Através dos depoimentos de testemunhas e dos envolvidos, além dos exames do DPT, percebemos que os policiais atuaram na tentativa de efetuar a prisão e acabaram entrando em confronto, após disparos de Adriano”, afirmou. Ele destacou que as declarações das testemunhas e as perícias técnicas convergiram.

CONFRONTO – O perito José Carlos Montenegro, um dos responsáveis pela reprodução simulada, afirmou que os policiais que participaram da operação foram ouvidos separadamente. “Remontamos o cenário, com cada um de forma isolada, e a sequência relatada foi a mesma. O cenário analisado retrata um confronto”, destacou.

O diretor do Instituto Médico Legal (IML), Mário Câmara, declarou que a necropsia realizada no corpo do ex-capitão da PM não constatou elementos que indicassem tortura e nem tiros com armas encostadas ao corpo. “Foram dois tiros que atingiram Adriano, em distâncias superiores a um metro”, ressaltou. Conforme as perícias técnicas, a ação policial durou 6 minutos e 30 segundos.

A investigação apontou que Adriano da Nóbrega tentou se esconder dentro de uma casa no sítio. Os policiais, ao se aproximarem da entrada, teriam dito para ele se render. “Diante da ausência de resposta, o tenente deu a ordem para arrombamento da porta principal”, contou Montenegro. De acordo com ele, neste momento, Adriano teria efetuado os disparos.

DISPAROS – “A guarnição estava sob a proteção do escudo. Não só ele recebe os disparos, a parede posterior aos policiais também foi atingida”, declarou Montenegro. Os três policiais dispararam e dois tiros quase simultâneos atingem tórax, pescoço e clavícula. Adriano ainda chegou a ser levado para um hospital da região, mas não resistiu.

O pecurarista Leandro Guimarães é suspeito de ter ajudado o miliciano. Ele chegou a ser preso por porte ilegal de armas durante a operação que resultou na morte de Adriano, mas teve a sua prisão relaxada pela Justiça mediante fiança e uso de tornozeleira eletrônica.

INVASÃO – Em depoimento à polícia, Guimarães afirmou que, na véspera da operação policial, foi ameaçado por Adriano para que o ajudasse a se esconder no sítio de Gilsinho de Dedé — este último, que é vereador de Esplanada pelo PSL, alega que não conhece Adriano e teve o seu sítio invadido pelo ex-policial. A Polícia Civil informou que as investigações indicam que Gilsinho não sabia que Adriano estaria no sítio.

Adriano da Nóbrega era alvo de um mandado de prisão expedido no início de 2019 a pedido do MPRJ ( Ministério Público do Rio de Janeiro), que investiga integrantes de uma milícia com atuação em Rio das Pedras, na zona oeste do estado.

4 thoughts on “Inquérito descarta execução e aponta que Adriano da Nóbrega morreu em confronto com PMs

  1. Nesse angu tem caroço, com certeza. Tudo acontece em função de uma lógica, até o absurdo. O petismo não é nenhum primor de inteligência, nunca foi, mas não seria tão burro ao ponto de permitir que policiais militares sob suas ordens desse cabo da vida de um enorme telhadão de vidro do Bolsonarismo, talvez o seu terceiro maior arquivo vivo, depois do Queiroz e do Wassef. Que raio de confronto armado esse travado a 1,5 metros de distância que um exímio matador não consegue acertar sequer um tiro em seus oponentes em posição mais privilegiada do que estes ? A lógica do resumo da ópera aponta para a execução do Capitão Adriano, covardemente, por agentes pró bolsonarismo, ou para a entrega de um diploma de burro para o lulopetismo baiano.

  2. Eu não estava presente, no cenário do crime, mas sei de fontes fidedignas (inclusive informado por familiares): 99% dos alegados confrontos ou troca de tiros são forjados pelos quadrilheiros policiais. Viaturas já saem para as diligências com armamentos de numeração raspada e trouxinhas de drogas. As esse “kit ressalva” dão o nome de “vela”. Quando o infeliz a ser “encaveirado” tomba, os “bandiciais” plantam o bagulho junto ao presunto!
    Outro truque por demais manjado, é aquele desdobramento de um assalto, envolvendo muita grana: são 50 meliantes, a polícia tira 49 de combate, executando ou prendendo: adivinhem quem levou o malote com a mufunfa? O bandido que escapou, é claro! É quase sempre assim, mas ainda existes burros que acreditam!
    Do mesmo modo as balas perdidas com morte: o projétil saiu da arma dos bandidos escusos, porque os bandidos legalistas são santos!

  3. Esta e a triste situação em que o Estado é parceiro do crime organizado a anos.Observem os fatos no tropa de elite.O crime não chegaria neste ponto sem a participação dos três poderes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *