Interferência, possibilidade de fuga e continuidade de crimes levaram MP a pedir a prisão de Queiroz

Fabrício Queiroz estava em um imóvel de Frederick Wasseff

Arthur Guimarães
G1

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) afirmou, no pedido de prisão de Fabrício Queiroz, ter encontrado indícios de que o ex-assessor de Flávio Bolsonaro continuava cometendo crimes. Fabrício Queiroz, ex-assessor e ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso em Atibaia, interior de São Paulo, na manhã desta quinta-feira, dia 18.

A TV Globo apurou que o MP considerou ter reunido três condições para pedir a prisão de Queiroz: continuava delinquindo, estava fugindo e vinha interferindo nas provas.

COMO FOI A PRISÃO – Queiroz estava em um imóvel de Frederick Wasseff, advogado da família Bolsonaro, aonde a força-tarefa chegou por volta das 6h30.O ex-assessor foi levado para unidade da Polícia Civil no Centro da capital paulista. Ele passou pelo Instituto Médico-Legal e foi levado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa. Sua transferência para o Rio estava prevista para esta quinta.

Segundo um relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira considerada “atípica”. Policial Militar aposentado, Queiroz trabalhou para Flávio Bolsonaro na época em que o filho mais velho de Jair era deputado estadual no Rio.

ELOGIOS – No Rio, a Polícia Civil também fez buscas no início da manhã em um imóvel que consta na relação de bens do presidente Bolsonaro, em Bento Ribeiro, Zona Norte da capital fluminense. No final de maio, ao rebater acusações feitas pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, durante transmissão na internet, Flávio Bolsonaro elogiou Queiroz e o chamou de “cara correto” e “trabalhador”.

Em Brasília, nesta manhã, o presidente deixou o Palácio da Alvorada, residência oficial, em um comboio em alta velocidade, e não parou para falar com apoiadores, como costuma fazer rotineiramente.

“RACHADINHA” – Os mandados de busca e apreensão e de prisão contra Queiroz foram expedidos pela Justiça do Rio de Janeiro, num desdobramento da investigação que apura esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A prisão foi feita numa operação da Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo.

Segundo um delegado que participou da operação, foi preciso arrombar o portão e a porta da casa onde Queiroz estava. Ele não resistiu e só disse que estava muito doente. O advogado de Flávio Bolsonaro dono do imóvel de Atibaia onde Queiroz estava ao ser preso, Frederick Wasseff, é o mesmo que fez a defesa do presidente no caso da facada que Bolsonaro sofreu de Adélio Bispo em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral para a presidência da República, em 2018. Wasseff também atuou na defesa da família Bolsonaro no caso do porteiro.

NA POSSE – Wassef participou nesta quarta-feira, dia 17, da cerimônia em que o presidente Jair Bolsonaro deu posse ao novo ministro das Comunicações, Fábio Faria. Em setembro de 2019, quando não se sabia o paradeiro de Fabrício Queiroz, Wasseff disse ao programa Em Foco não saber onde estava o ex-assessor, e afirmou que não é advogado dele.

Queiroz foi assessor e motorista de Flávio Bolsonaro até outubro de 2018, quando foi exonerado. O procedimento investigatório criminal do Ministério Público Estadual do RJ que apura as irregularidades envolvendo Queiroz na Alerj chegou a ser suspenso por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, após pedidos de Flávio Bolsonaro em 2019.

COAF – As investigações envolvem um relatório do Coaf, que apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Alerj. Recursos usados para pagar funcionários na Alerj voltavam para os próprios deputados estaduais.

A movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz ocorreu, segundo as investigações, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, incluindo depósitos e saques.

6 thoughts on “Interferência, possibilidade de fuga e continuidade de crimes levaram MP a pedir a prisão de Queiroz

  1. Tomem nota.

    A prisão de Fabrício Queiróz não será daquelas de

    longa duração. Em breve, muito em breve, um

    Habeas-Corpus será concedido de plano, ou

    seja, sem delongas, imediatamente, para ordenar

    a sua soltura. Fala-se de plano, sem delongas

    e imediatamente, porque dispensará a

    formalidade de, antes do exame do seu

    deferimento ou indeferimento, a autoridade

    judicial superior ao Juiz da 27a. Vara Criminal

    do Rio, doutor Flávio Itabaiana de Oliveira

    Nicolau, a este nem pedir as “informações”

    de praxe, como determina a lei processual.

    Muito menos vai ouvir antes o Ministério Público.

    O Mandado de Soltura será imediato e rápido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *