Investidores internacionais reúnem-se com Mourão e aguardam rigor na ação ambiental

Investidores esperam resultados da política ambiental, diz Mourão ...

Mourão se saiu bem na conferência com investidores estrangeiros

Pedro Henrique Gomes e Guilherme Mazui
G1 — Brasília

Após videoconferência com o vice-presidente Hamilton Mourão e ministros para discutir a preservação da Amazônia, fundos internacionais divulgaram notas nas quais afirmaram que acompanharão os resultados do Brasil na preservação ambiental, como a redução do desmatamento.

O Brasil tenta melhorar sua imagem no exterior, após críticas à política ambiental do governo do presidente Jair Bolsonaro e cartas enviadas por investidores nacionais e estrangeiros, preocupados com aumento de desmatamento e queimadas.

AMEAÇAS AO BRASIL – Recentemente, o registro de queimadas na Amazônia voltou a subir – em junho foi o maior observado para o mês desde 2007, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em consequência, fundos de investimento europeus ameaçam retirar recursos do Brasil se não forem adotadas ações para conter a devastação.

A reunião virtual entre o vice-presidente da República, ministros e representantes dos fundos ocorreu na manhã desta quinta-feira (9), comandada por Mourão, presidente do Conselho da Amazônia.

Após a reunião, os fundos Storebrand Asset Management, da Noruega, e Nordea Asset Management e SEB Investment Management, ambos da Suécia, divulgaram notas sobre a videoconferência com o governo brasileiro.

PONTOS CRUCIAIS – O chefe do fundo Storebrand, Jan Erik Saugestad, afirmou na nota que os fundos apresentaram ao governo brasileiro cinco pontos considerados importantes para avaliar a política ambiental brasileira: redução significativa nas taxas de desmatamento; aplicação do Código Florestal; prevenção de incêndios nas áreas florestais, ou nas proximidades, a fim de evitar a repetição do que ocorreu em 2019; acesso público a dados sobre desmatamento, cobertura florestal, posse e rastreabilidade das terras que produzem commodities; e eficiência dos órgãos de fiscalização brasileiros para fazer cumprir a legislação ambiental e de direitos humanos.

“Somente por meio da colaboração entre governos, empresas e investidores é que podemos alcançar as mudanças necessárias. Isso marca um começo”, disse Saugestad em nota.

QUEREM “ENTENDER” – De acordo com o Storebrand, as instituições queriam entender a posição do governo brasileiro sobre a proteção do que chamou de “capital natural” do país, em particular as florestas tropicais. Porém, disse não ser papel da instituição endossar ou comprometer-se com nenhum item apresentado pelo Brasil.

Saugestad também observou que os fundos enxergam o desmatamento e o impacto às mudanças climáticas como um risco para os investimentos. Daí, a importância de se encontrar uma forma de preservar a floresta.

Javiera Ragnartz, CEO do SEB Investment Management, disse em nota que queria discutir o papel de florestas tropicais, como a Amazônia, no combate às mudanças climáticas.

MONITORAMENTO – Segundo Javiera Ragnartz, o fundo continuará a monitorar o desenvolvimento das ações do Brasil na política ambiental para avaliar a exposição do fundo aos riscos financeiros decorrentes do desmatamento.

O SEB Investment disse que o diálogo com o governo brasileiro começou com uma carta de investidores da Noruega, Suécia, Dinamarca, Reino Unido, França, Holanda, Japão, Estados Unidos enviada ao Brasil. Segundo o fundo, 34 investidores, representando cerca de US$ 4,6 trilhões participam das conversas.

Também em nota, o Nordea Asset Management avaliou a reunião como um sinal positivo por parte do governo brasileiro. O fundo disse que o vice-presidente e ministros que participaram da reunião reconheceram a necessidade de combater o desmatamento e o enfatizaram várias vezes.

FALTA UM PLANO – Na nota, o Nordea disse que não foram estabelecidas metas concretas para a redução do desmatamento, mas que isso também não era esperado. A instituição afirmou que está pendente um plano de como o governo lidará com o desmatamento daqui para frente.

De acordo com o governo, participaram da videoconferência os seguintes fundos: Legal and General Investment Management – Reino Unido; Nordea Asset Management – Suécia; SEB Investment Management – Suécia; Storebrand Asset Management – Noruega; KLP – Noruega; Robeco – Países Baixos; AP2 Second Swedish National Pension Fund – Suécia; e Sumitomo Mitsui Trust Asset Management – Japão.

DISSE MOURÃO – Em coletiva de imprensa após a reunião, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou que o plano do governo é manter as operações de repressão aos crimes ambientais, realizar ações mais efetivas nas áreas de regularização fundiária e de pagamentos de serviços ambientais para que, “pouco a pouco”, se chegue a um “número de desmatamento que seja aceitável”.

Mourão afirmou também que a gestão do presidente Jair Bolsonaro não pode ser responsabilizada pelo “desmonte” de agências de fiscalização ambiental, com a redução do número de servidores.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Com muita habilidade, Mourão tenta excluir a culpa de Bolsonaro e dos ministros Ernesto Araújo e Ricardo Salles, que estão destruindo a imagem do Brasil no exterior. Mas fica cada vez evidente que o país precisa se livrar desses governantes de fancaria. O impeachment já se tornou uma necessidade sanitária, digamos assim. (C.N.)

 

6 thoughts on “Investidores internacionais reúnem-se com Mourão e aguardam rigor na ação ambiental

  1. “Investidores Internacionais” ? É isso mesmo que acabei de ler ? “Investidores Internacionais” ? Na realidade purissima estes são “Sugadores internacionais”…Estes nunca pensaram em nos ajudar com as nossas riquezas (incluindo ai a nossa Amazonia Brasileira), estes canalhas malditos querem mesmo é nos alijar do nosso civico dever de tomarmos conta do que é nosso , não precisamos dos seus “investimentos podres” seus papéis são podres no mais puro sentido ..pura especulação para se aproveitar de nossas riquezas naturais sempre foi assim…e sempre será.. Nosso Congresso precisar agir e frear quaisquer desejos internacionais de nos dar ordem do que fazer com nossa amazonia .

    Quem aqui tem uma minima noção de dominação colonial sabe muito bem no que deu, quando uma nação livre e soberana abdicou de seu pleno direito de cuidar do que é seu..para deixar nas mãos dos interesses de outras nações …Essa palhaçada de querer bisbilhotar nossas riquezas é antiga..(vide o caso do Estado do Acre…e sua luta para fazer parte do Brasil …o nosso Brasil ).. São todos manipuladores..não me espanta em dizer que agentes infiltrados destas nações e sob a batuta destes “investidores canalhas” eles é que estão promovendo essas criminosas queimadas e promovendo através da imprensa maldita a divulgação tendenciosas sobre a nossa amazonia legal …

    Sabemos que nossas forças armadas através dos nossos sistemas de informações , devem estar a par de tudo que ocorre, e creio que elas são a nossa única reserva de nacionalidade e civismo em prol da verdade do que está ocorrendo com nossa amazonia para defender o que é nosso por direito . Por tudo isso é que o sistema internacional podre e canalha desde da fundação dos estados nacionais europeus ..promovem este sombrio interesse em “proteger” nossa amazonia , agora sob o canto da sereia de “investidores”…

    Espero que eu esteja certo no tocante as nossas forças armadas…e espero que elas tomem conta da situação , quando os trairas civis de nossa pátria …vierem com esse papo de “amizades com investidores internacionais”.

    ..Só para corroborar ..o que escrevo ..é nos atentarmos ..no que nos deixou escrito o Economista Escocês Adam Smith..sobre a colonização da Inglaterra no sudeste asiático em especial na India em Bengala …quando estes lá chegarem arruinaram a punjante Industria textil de Bengala e seus maravilhosos campos de Algodão..pois estes eram seus concorrentes no mercado asiático…e o resultado foi a miséria , fome e destruição de um povo…e por seguinte a morte … , e nestes campos do algodão agora destruidos a nação canalha da Inglaterra plantou papoulas para fazerem ópio e “exportarem” para a China … É assim que agem estas nações “investidoras” sempre visaram seus interesses sempre foi assim ..só mudam a forma …
    malditos sejam todos …uma vez malditos sempre malditos …

    Vejam a mesmissima cousa que fizeram a nação EUA …nas nações da América Central ..
    E a nação Mexicana ? Após ter seus mais valiosos e riquissimos Estados roubados pela nação EUA …só lhe resta ouvir o que disse um dos seus presidentes … ” Pobre México, Pobre México …tão longe de DEUS …e tão perto dos Estados Unidos …..”

    Então Srs. após tão grande nuvem de testemunhos sobre estes tais “investidores e suas nações canalhas sanguessugas “..vcs ainda acham que o que eles querem com nossa amazonia é apenas o mais “lindo interesse de protege-la “.. ?

    Só lamento , em não poder ajudar minha pátria onde nasci, onde tive meus filhos … e onde certamente serei sepultado..só lamento em não pode-la ajuda-la como um bom soldado da arma de Infantaria que honrei por longos 06 anos de minha tenra juventude…Quando minha pátria precisar de seus filhos valorosos…como foi …TODOS os seus filhos nas famosas batalhas de Humaitá, toneleiro, curupaiti…Riachuelo..e etc…

    Brasil ..minha nação …meu berço e meu local de descanso …

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE …

    • Vc é de jesuis mermo…las ponha os pés no chão.
      Existem nesses países uma fortíssima opinião pública, que alcançam a influenciar certis rumis da economia, pegando peli lado da economia.
      Das nossas Forças Armadas, o que esperar? A expectativa de dobrar o salário, com um cargozinho em Brasília. Bão precisa ir tão longe, aos campos de Algodão na Ásia buscar exemplo de abusos dd nações dominabtes, basta ver o imenso buraco em que se tornou Minas Gerais, com a exploração dos minérios e o esgotamento de suas reservas de água.
      A alma de garimpeiro do Jair quer levar o mesmo pqra a Amazônia. A exploração da àrea é inevitável? Que seja ao menos um tantinho mais racional

    • Menos bravata, e mais pé no chão.
      Para tudo tem que ter dinheiro, e aí trata-se de negócios, onde o trabalho é árduo e precisa empregar muitos desempregados.
      Branquear é fácil, difícil é colocar o dinheiro em risco, principalmente quando se tem um louco no poder.
      “Ou ficar a Pátria livre ou morrer pelo Brasil”
      Viu como é fácil?
      Difícil é fazer um estádio como o do Vasco em 10 meses, e até hoje ser o maior estádio particular de uma metrópole.
      Único no mundo durante 93 anos.
      Viu?
      Menos!

  2. Acreditaram na ditadura milico-servil
    Acreditaram no Sarney/plano cruzado
    Acreditaram no Collor
    Acreditaram no FHC
    Acreditaram no Lula/”conciliação” de classes
    Acreditaram no Cunha
    Acreditaram no Temer
    Acreditaram no BolsoMoro
    … agora, Acreditam numa neo-vaca fardada.

    Só não conseguem acreditar em si mesmos.
    De há muito desistiram de pensar por si.
    Teleguiad@s
    à Direita,
    à Exquerda,
    à “p.n” ou seja, seguidores de criminosos milicianos, adeptos da TORTURA e do ENTREGUISMO – todos que apoiaram o boçal que agora tentam defenestrar.
    .
    “E la nave, va…!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *