Investigação de ministros é mais um fator de desgaste para Dilma

Edinho chefiou a campanha. Se Dilma cair, a culpa é dele

Tânia Monteiro
Estadão

A investigação de dois ministros diretamente ligados à presidente Dilma Rousseff, ambos com gabinete no Palácio do Planalto, é mais um fator de desgaste para a petista e mais um ingrediente pesado ao clima político já ruim de Brasília. Um ministro consultado pelo Estado tentou minimizar o problema alegando que “investigação não é denúncia”. Justificou ainda sua tese lembrando que, no final do mês passado, a Procuradoria-Geral da República, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato junto ao Supremo TRibunal Federal (STF), pediu o arquivamento do inquérito contra o ex-governador de Minas Gerais e senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) depois de ter, primeiro, aberto uma investigação, porque a PGR entendeu que não havia “elementos mínimos” para prossegui-la. E é nisso que eles apostam.

A presidente Dilma tem defendido todas as investigações, mas também tem destacado que não é possível fazer prejulgamento de ninguém. Nesse clima, pelo menos por enquanto, não se fala em afastamento deles no Planalto. Mas a presidente sabe que será cobrada a endossar ou reiterar sua confiança neles, ou ainda sair em defesa deles, como fez na última quarta-feira, em relação ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, por motivos completamente diferentes.

DOAÇÕES ILEGAIS

Os ministros da Comunicação Social, Edinho Silva, e da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que tiveram autorização dada pelo STF para investigação, têm reiterado que todas as doações foram legais. Mas uma das linhas desta investigação é se os recursos doados, mesmo que por meios legais, são oriundos de desvios de contratos, ou seja, de propina, conforme afirmou em depoimento o empresário Ricardo Pessoa, da UTC e coordenador do cartel das empreiteiras.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA situação está tão escalafobética que a presidente Dilma convocou reunião do núcleo palaciano para a noite de domingo, no Alvorada. Mandou convidar o vice-presidente Michel Temer, mas ele saltou de banda, como se dizia antigamente. Até agora, metade do PMDB já desembarcou da base aliada, mas não entregou os cargos. Temer diz que continua apoiando o governo e ainda há quem acredite. (C.N.)

2 thoughts on “Investigação de ministros é mais um fator de desgaste para Dilma

  1. Um governo que manda cercar com muro de aço de 2 metros de altura para impedir a presença do povo, não tem mais condições de governar.
    Os manifestantes aproveitaram e escreveram: O MURO DA VERGONHA.
    Não precisa dizer mais nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *