Já é mais do que tempo de “lacrar” para sempre a era da irresponsabilidade

Resultado de imagem para gilmar mendes charges

                 Charge do Pataxó (Arquivo Google)

Percival Puggina

Nesta eleição, contra quase tudo e quase todos, o povo brasileiro promoveu uma grande faxina eleitoral. Se lamentamos a preservação de certos mandatos, simbolizados pelos de Renan Calheiros, Jader Barbalho e Ciro Nogueira, é forçoso reconhecer que sempre haverá eleitores com tais imagens e semelhanças. Por outro lado, três em cada quatro colegas da trinca sinistra foram devolvidos à planície. E muitos à justiça dos homens.

Diversos indicativos deste pleito sugerem haver chegado ao fim a era da irresponsabilidade. Até o indulgente e leniente Supremo Tribunal Federal será atingido com mudanças no seu perfil. Nos próximos quatro anos, duas ou três substituições por aposentadoria conduzirão a alterações no perfil do colegiado. Isso poderá levar, entre outras consequências, à maior valorização da colegialidade e à coibição do uso abusivo de prerrogativas individuais por seus membros.

UM PAÍS QUEBRADO – A era da irresponsabilidade quebrou o país. Impulsionado pela influência positiva de um ciclo de crescimento da economia mundial, o petismo fez explodir a despesa pública. Já no fim do ciclo, para preservar a bolha da aparente prosperidade geral, o próprio gasto das famílias passou a ser estimulado. Consequências: recessão, êxodo de investimentos, 14 milhões de desempregados, dívida da União próxima do PIB anual e, em julho deste ano, 63,4 milhões de brasileiros com contas atrasadas! São produtos da falta de juízo que casou o keynesianismo de alguns economistas de esquerda com o insaciável populismo eleitoreiro do petismo.

Simultaneamente, o aparelho estatal brasileiro, que já era tamanho XL, passou para a categoria XXL. Povoadas por companheiros, criaram-se 41 novas estatais. Na década petista anterior a 2015, o funcionalismo federal cresceu 28%. Contrataram-se centenas de obras que permanecem paralisadas.

DOIS LEGADOS – A irresponsável Copa de 2014, de tão má memória, desencadeou uma gastança altamente comissionada por todo o país (entre elas as famosas “obras da Copa”). A insanidade atingiu seu ápice com a simultânea realização dos Jogos Olímpicos que deixam reminiscências na crise do Rio de Janeiro e nas já ruinosas instalações esportivas.

A era da irresponsabilidade é um mostruário de lições penosas que – espera-se – tenham cumprido função pedagógica. O Estado brasileiro assumiu um peso insustentável. Também para ele falta dinheiro porque todo item de despesa criado pelo poder público adquire uma espécie de dimensão imanente da eternidade. Subsistirá até a ressurreição dos mortos. Daí a contenção de gastos. Daí, também, os crescentes bolsões de miséria salarial e material em serviços voltados ao atendimento da população nas áreas de segurança, saúde e educação. OPULÊNCIA –  Simultaneamente, bem à moda da casa, preservam-se no aparelho de Estado núcleos de opulência que, por pura “coincidência”, correspondem aos centros de poder e decisão. Claro.

A mesma sociedade que, nos limites do possível, promoveu sua lava jato eleitoral, precisa agora cobrar dos futuros detentores de poder todas as providências necessárias para “lacrar” em definitivo a era da irresponsabilidade.

36 thoughts on “Já é mais do que tempo de “lacrar” para sempre a era da irresponsabilidade

  1. Viver no Brasil, o país que agente ama, do lado de fora do cercado das elites delinquentes, já é em si uma tortura, infelizmente, por causa de políticos iguais a Bolsonaro, carreiristas, que lá estão no congresso fisiológico há 10, 20, 30 anos, ou mais, cuidando dos seus próprios interesses, mamando à beça, e com a família inteira tb com a boca na botija, enquanto o povo brasileiro morre à mingua. Portanto, não é de torturadores, nem de charlatões e nem de deputados de baixíssimo clero que estamos necessitando neste momento histórico, mas, isto sim, de Estadistas, de espíritos iluminados, capazes de desatar o nó górdio que ai está há 128 anos e que nos indique novos e promissores caminhos, porque evoluir é preciso em direção ao descortino de novos horizontes.

    • Pelo visto, seu José, necessitamos de Deus, né? Ora, bolas! Temos que fazer o melhor que pudermos com o que temos. Seria bom que limitássemos o número de mandatos dos congressistas para evitar a formação de quadrilha – um exemplo: evitar um Renan. Precisamos tentar.
      O Bolsonaro não é um Roosevelt, mas tem bons planos e determinação. Melhor um Bolsonaro do que o poste incompetente de um ladrão incompetente – o presidiário de Curitiba.
      Passe bem.

      • O único plano político do Bolsonaro e família, ao que parece, é morrerem de velhos mamando nas tetas do erário, a exemplo da família Sarney e tantas outras famílias picareta$ que infestam a política deste país, desde o descobrimento. Bolsonaro, enquanto político, não tem plano nenhum, sem o anti-lulismo não é nada, não passa de um copia e cola da Internet, um lombriga do Lula sem a merda do qual não sobrevive. Antes tivesse a humildade, inteligência e o desprendimento de se escorar em Estadistas, espíritos iluminados, extrapartidários, mas veja só quem ele já nomeou para ministro-chefe da casa civil senão o famigerado Onix Larenzoni, do DEM, com Rodrigo Maia, do DEM, na presidência da câmara, com o Aécio Neves dando o maior apoio. Fala sério. A quem vocês pensam que enganam ? Comigo não violão, vão cantar noutra freguesia, sinto o cheiro de picaretagem no ar a quilômetros de distância. A eleição da Dilma em 2014, revelou-se um estelionato eleitoral à esquerda, o golpe contra Dilma, revelou-se um estelionato à direita, e, em 2018 vem vocês outra vez, agora de Bolsonaro, que, à evidência, é mais um estelionato eleitoral à direita, mais continuísmo da mesmice, raso e seco, que segundo o Dr. Ayres Britto, ex-STF, é golpe, com os mesmos espertalhões da velha política agora buscando proteção das forças armadas e do STF, para se perpetuarem no poder, e se livrarem da Lava Jato. Está vendo, como conheço o espírito de vocês. Não duvido que cheguem lá, até porque grande parte do nosso povo, infelizmente, ama 171, e odeia quem fala a verdade como ela realmente é, mas eu não caio mais nos reiterados 171, de direita, esquerda e centro, e só voltarei a acreditar nos discursos e nas boas intenções dos me$mo$ quando conseguir vê-los convertidos em realidade e produzindo bons frutos. Fora disso, sou mais eu, do que vocês que somados não dão sequer meio Estadista, meio espírito iluminado. Não é de hoje que estudo o comportamento de vossas demências. Prefiro seguir antes só do que mal acompanhado cheio de esperança e motivação, inquebrantáveis, certo de que um dia conseguiremos quebrar a maldição, o retrocesso amaldiçoado e as heranças malditas que, há 128 anos, amarram este país e este povo que clamam por libertação e não por mais enganação.

          • Só da boca pra fora, se chegar lá vai sentar no colo do capital velhaco e do congresso bichado de maioria bandida, enquanto câncer da nação, e vai manter tudo como dantes no velho quartel de Abrantes, exatamente igual todos os seus antecessores, inclusive a famigerada ditadura militar armada até os dentes. Falta-lhe o estofo de Estadista, falta-lhe espiritualização e sobra-lhe complexo de vira-lata diante da bandeira norte-americana. E a outra opção tb não me parece muito diferente não.

    • Sim, Lauro José, precisamos de “… Estadistas, de espíritos iluminados, capazes de desatar o nó górdio que ai está há 128 anos e que nos indique novos e promissores caminhos …” é verdade, mas eles precisam aparecer, candidatar-se a um cargo na política, se é que têm que ocupar algum lugar escolhido pelo voto.

      Cada um tem seu motivo por ter escolhido Bolsonaro.
      Muitos o escolheram por seu espírito conservador, por defender valores tradicionais, pela defesa da família.
      Outros, por ser a única forma disponível para não permitir a volta do PT ao poder.

      Mas os “Estadistas, de espíritos iluminados”, etc. deverão ter oportunidades no governo Bolsonaro, ocupando cargos importantes em diversas áreas, e, com isto, ajudando o nosso país.
      Bolsonaro vem prometendo escolhas técnicas, sem, necessariamente, passar por indicação de aliados partidários e espero que seja assim.

      Enfim, Haddad é uma certeza que já conhecemos e Bolsonaro, uma esperança, que ainda não sabemos.
      Bolsonaro é a minha aposta e a de todos os seus milhões de eleitores.
      Que Deus o ilumine para o nosso bem e o de nossa família e de todo o povo brasileiro.
      Um abraço fraterno e que fique na paz.

  2. No congresso nacional houve mudança apenas quantitativa, com 100% de chance de o congresso eleito na urnas ser ainda pior que o anterior, como de costume, em sintonia com a Lei de Murphy e na contramão da Lei Tiririca, até porque a forma de forjar capeta$ ainda continua a mesma, intocável. Portanto, do manto que nunca saiu o coelho novo que o povo brasileiro tanto necessita é que não sairá nada de novo mesmo, mas, isto sim, apenas mais e mais novos sofismas ou novas combinações de palavras, apenas isso.

    • Confesso que fico muito triste com o pessimismo das pessoas. O pessimista coloca todo seu pensamento plantado na lei de murphy. Já dá errado por natureza. Não há contraditórios posto que o errado é certeza. Estes casos têm muitas dúvidas, hein?

      • O Louro José também conhecido com Lombriga de Leão e mais outros codinomes é um petista apavorado com a perda das regalias. Vai ficar muito mais pessimista a medida que o dia 28 se aproxima. Arrumar emprego num universo de 14 milhões de desempregados (deixados pelo PT) não é tarefa fácil.

        • “…é um petista apavorado com a perda das regalias…” De onde vossa demência tirou isso, lombrigão do Lula ? Olhando-se no espelho ? Nem petistas nem bolsonarista, nem 171, de lado nenhum, tô fora, esperando vocês se arrebentarem para que o caminho fique livre para o Novo de Verdade.

          • Ô, seu José, então o senhor não está cumprindo com as obrigações de um cidadão. O senhor está esperando que todos se arrebentem? Não acredito e estou certo que o senhor não diz isso de coração.

    • Sr. Lauro José, muitos políticos foram “demitidos” pelo voto.
      A primeira missão – indireta – de Bolsonaro se cumpriu: seus eleitores anteciparam e fizeram uma “limpeza” no Congresso, retirando de lá uma boa quantidade de velhos e viciados políticos, isso sem contar que muitos candidatos calouros, descendentes de velhos políticos, não conseguiram substituir seus pais, que estão cumprindo pena por seus delitos.

      A renovação é um processo que vai precisar de tempo e persistência, mas “nunca na história desse país” conseguimos avançar tanto.

      Precisamos ter boa vontade para aceitar e entender o avanço através dessas mudanças.
      O país já começou ganhando antes da posse do candidato vitorioso.

      • Fala sério, que grande mudança boba é essa da qual vc fala, que vantagem há em trocar 6 por meia dúzia. Tirar Aécio do senado e colocar na câmara, tirar um deputado da câmara e colocar no senado, com os novatos todos da mesma estirpe dos velhos, ou pior, talvez apenas mais magros e com mais fome, e que já, já, irão apresentar os mesmos vícios dos que continuam lá e dos que saíram de lá. Que raio de mudança é essa, senão apenas de troca de guarda ? Não passa de mais uma mudança do tipo 171, só de fachada, até porque mudança de verdade é acabar com o $istema político podre, viciado, enquanto forma de forjar capeta$, com propõe a RPL-PNBC-DD-ME, a Primavera Brasileira que vem ai, mais cedo ou mais tarde, que você não conseguirão deter.

        • Caro leitor e comentarista Lauro José,
          Explique-me o que venha a ser RPL-PNBC-DD-ME?
          Pois já perguntei ao leitor e comentarista Loriaga Leão e até o momento não obtive resposta.

    • Quanto a esse fanatismo, hemos de indagar:

      Qual a diferença entre um eleitor fanático de Bolsonaro e um psicopata, em termos de comportamento?
      A resposta que tenho verificado é que Nenhuma. Ambos não se importam com o que os outros pensam. A satisfação de suas vontades bastam, ainda que levem o sofrimento aos outros.

      E qual a semelhança entre um eleitor fanático de Bolsonaro e um urso-pardo americano? – este ursos não são os fofinhos pandas.
      A resposta é que ambos, claramente, possuem déficits cognitivo-emocional.

      O que difere é que um tem cérebro pequeno e o outro um cérebro grande concebidos para fazer uso segundo diante de seus graus evolutivos.
      Esses psicopatas-bolsominios, no entanto, têm pouca flexibilidade no CPFM (córtex pré-frontal medial), considerando fatores diversos, da genética à condução de suas experiências no meio ambiente em que viveram, e assumem, por isso, o comportamento de animal agressivo do seu passado símio, especialmente quando contrariados.
      E não é aquela figura do bom selvagem não. Eu preferiria ficar trancado com um indivíduo selvagem de tribos canibais a um urso-pardo ou bolsominio numa jaula.

      E para aqueles que acham que seja coisa a que deve ser atribuída mesmo também àqueles fanáticos de movimentos mais radiciais à esquerda, eu não tive até o momento qualquer experiência ou contato com notícia onde estes tenham atacado, agredido e matado tanta gente por opinião política.
      O Adélio teve filiação a um partido no passado mas o que se concluiu foi que praticou o ato meramente por discordância política e que notícias recentes revelam alguma relação com facção criminosa paulista.

  3. Nenhum dos eventos (Pan-Americano 2007, Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016), considerando os benefícios e custos, teve saldo positivo no que diz às instalações, ou seja, o tal legado. Mesmo as obras urbanas supostamente para ligação entre pontos da cidade e que favoreceriam à população, como vemos o metrô linha 4 (Jd Oceânico) e implantação dos BRT’s.

    E o Prefeito Crivella, do Rio de Janeiro, semana(s) atrás, assinou para mais um Pan-Americano. Inicialmente orçado em centenas de milhões (não duvido que esse valor ultrapasse a previsão inicial – como todos os outros eventos já realizados).

    Considerando o estado de abandono dos serviços públicos como Saúde, Educação etc. gostaria de entender como a Câmara Municipal, através de suas comissões, o Tribunal de Contas do Município e o Ministério Público silenciam sobre um tema desses. Todos são cegos ou a $$ rola solta.

    • Triste notícia.
      Cada um quer um novo evento para poder chamar “de seu”.

      Enquanto isso, a cidade vive um abandono em todas as obras anteriores, por falta de conservação.

      E agora, novamente, já ligamos o forno para torrar mais dinheiro.
      E ninguém consegue impedir tamanhas irresponsabilidades?
      Meu Deus, que país é este, que estado é este, que cidade é esta!

      Enquanto isso a saúde é um caos, a segurança, a educação, o transporte, enfim qualquer coisa que venha acompanhada da palavra “pública”.

        • Caro leão da montanha,
          Meu nome é bíblico (Gen. 5,15-20).
          Já matei a curiosidade e o google me informou que tenho uns xarás famosos.
          Um deles é o Leto (um monte de coisas: ator, cantor, inclusive vocalista da banda 30 Seconds to Mars.
          Outro, o Padalecki (ator e modelo americano), Sandler, Diamond.
          Olhei uns 30, até aí eu não apareci e parei.
          Quem sabe eu não era o 31º?
          kkkk

  4. “Nesta eleição, contra quase tudo e quase todos, o povo brasileiro promoveu uma grande faxina eleitoral.”

    -Lamentavelmente os BANDIDOS DO SUPREMO, tartarugas do PT e do PSDB ficaram de fora da faxina por estarem além do alcance dos cidadãos.

  5. O discurso de quem é contra Bolsonaro é hilário, contraditório até na raiz, ridículo na essência, inútil pelo que propõe!

    O comentarista Lauro José e seus textos são o exemplo que me refiro.

    No seu comentário, acima, reclama de Bolsonaro pelo tempo que está no Congresso, no entanto, propositadamente omite que quem o colocou todo esse tempo em Brasília foram seus … eleitores!

    Registra que precisamos neste momento de “Estadistas” que precisamos evoluir e seguirmos em direção a novos horizontes.
    Nada a opor, mas, Lauro José não pode aspirar esse futuro para o povo e país com Haddad!

    Ou, lá pelas tantas, imagina que nós, brasileiros, menos os petistas, claro, somos todos absolutamente imbecis e idiotas!

    Petistas também estão no Congresso por várias legislaturas, porém alguém pode publicar o que fizeram de bom para o Brasil e sua população??!!

    Pelo que nossos registros dizem, a petezada se lambuzou em roubar, a tal ponto que esta nação hoje está em estado pré-falimentar!

    A quantia aproximada que a organização criminosa desviou para seu partido e aliados, atinge DOIS TRILHÕES DE REAIS, cálculos feitos pela Justiça, mediante apuração com os responsáveis por tais crimes.

    Lauro José deve estar debochando dos seus colegas na TI, só pode.
    Ele não tem nada para escrever de elogios a Haddad, pelo contrário, o estafeta, marionete e mandalete de Lula, ladrão e genocida, é cúmplice desses bandidos!

    E é este o “estadista” que Lauro José nos recomenda??!!

    Ô, Lauro, toma tenência, meu!
    Respeita o povo brasileiro ou, pelo menos, tenta.

    • Não estou citado, mas como discordo de algumas de suas afirmações, me intrometo na disputa para expor como compreendo essas coisas de eleição.

      Tenho pessoas do meu círculo que, naturalmente, têm opiniões bem diferentes das minhas. Respeito a todos, como também aqui na Tribuna.

      Entre os eleitores de Bolsonaro, alguns são militares, outros parentes de militares. Se eu tivesse parente a probabilidade seria que votasse em um seria maior, talvez.

      Há aqueles, no entanto, que afirmam votar nele pelas razões que sintetizo a seguir:

      a) pela postura firme, promessa na segurança pública e o fato de andar com medo pelas ruas
      b) ser a favor da ditadura
      c) pela privatização e estado mínimo
      d) diminuição das obrigações trabalhistas e adoção do modelo de livre mercado
      e) pela sua defesa da família tradicional do Escola Sem Partido
      f) contra o estado de corrupção
      g) representar a quebra de tudo que aí está no sistema

      Entre esses últimos citados, alguns expressam mais de um cumulativamente, enquanto outros, um ou outro em particular.

      O que chama a atenção é a escolha do candidato sem a menor consideração no todo que representa, mas apenas seletivamente, vendo nelas um perfil contraditório ou ignorância mesmo segundo cada uma das motivações e personalidade que possuem:

      “a” – como se crimes fossem resolvidos na caneta do presidente da república

      “b” – sem que tenha vivido numa (alguns bem ridículos e outros exóticos – chegam a ser curiosos de ostentar poster, cantar músicas do Renato Russo, Cazuza etc.)

      “c” e “d” – quando tem duas, três formações, recebendo salário em dia e quando atrasado reclamam e, ainda, de fato só estão trabalhando com carteira graças a esse modelo

      “e” – extremamente “racistas” pois militam pela pureza ideológica, tem discurso contra a ciência. Gostam de viajar e contar que conheceram pessoas e lugares novos nas férias ou passeio de final de semana. Mas não aceitam as diversidades. Atacam no direito de autodeterminação das outras pessoas no mundo real do dia a dia e no pluralismo de ideias que encontramos nos livros e opiniões, no ambiente escolar, inclusive, acusando de doutrinação, mas não critica quando se trata da religião dominante da qual faz parte. O nome disso é hipocrisia.

      “f” – coisa que qualquer indivíduo honesto deve ser contrário – pois honestidade é qualidade, atributo.
      Ou seja, nada de que possam apropriar-se com exclusividade aqueles eleitores que assumem posição Anti-PT pois há petistas, inclusive, contrários à corrupção… O problema da corrupção está nas pessoas. E quando temos nas instituições (públicas ou privadas) respondem os indivíduos, pois são eles que as conduzem. E na composição dos Partidos, sejam quais forem, haverá, como em toda sociedade, bons e maus indivíduos, como também aqueles medianos. Logo, não dá para demonizar o PT, o PSDB, o MDB, o PSL etc… enquanto partido, SALVO SE sua finalidade fosse para cometimento de crime – o que, neste caso, representaria um crime em si, e, portanto, completamente nulo o ato de sua criação e ilegal o partido, pois encontra vedação em norma a reunião de pessoas para fins ilícitos.

      “g” – melhor seria adotar a posição anarquista como eu.

      Concluindo, vejo contrariedades na maioria dessas pessoas que passam pelo meu caminho, votam sem consciência, pouco pensando nas consequências, por ignorância mesmo, e as perdoo apenas por isso, compreendendo o voto apenas daquelas que possuem alguma identidade com histórica de classe com o inconveniente candidato.

      Da minha parte, como sujeito da minha experiência, escolho um voto pragmatista para o próximo dia 28.

    • Ué, não entendi. Pois cumpriria aos órgãos citados coibir atos públicos que resultem em dano ao erário, por descumprimento ou má gestão do orçamento, corrente ou futuro, afetação de serviços outros pelo comprometimento de gastos e atendimento ao preceito que todo ato deve perseguir: o fim público.

  6. Muito bom artigo. De fato, a copa e as olimpíadas foram dois autênticos contos do vigário custeados pela população brasileira, tudo para satisfazer o ego inflado de uma liderança política que se deixou levar pela própria propaganda e passou a se acreditar infalível. A copa de 2014 foi como a copa argentina de 1978, um evento absurdamente caro imposto a uma nação quebrada, para vender uma ilusão de grandeza e criar um clima favorável ao governo. Só faltou darem um jeitinho para o país-sede ser campeão.

  7. De acordo com a citação do amigo Brendl, o PT, cujos números alcançaram, segundo a citação, os dois trilhões.
    O PCC e o CV podem perpetuar-se por mil anos que não chegarão lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *