Janot indica que as investigações já começam a chegar perto de Michel Temer

Charge do Amarildo (amarildocharge.wordpress.com)

Aguirre Talento e Márcio Falcão
Folha

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou ao STF (Supremo Tribunal Federal) que o ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo) atuou para obter recursos desviados da Petrobras em troca de favores para a empreiteira OAS. Parte do dinheiro do esquema desbaratado pela Operação Lava Jato teria abastecido a campanha de Alves ao governo do Rio Grande do Norte em 2014, quando ele acabou derrotado.

A negociação envolveria o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. As afirmações da Procuradoria constam do pedido de abertura de inquérito para investigar os três, enviado no fim de abril ao Supremo, mas até hoje mantido sob sigilo.

No despacho obtido pela Folha, Janot aponta que Cunha e Alves atuaram para beneficiar empreiteiras no Congresso, recebendo doações em contrapartida.

DESTINAÇÃO DE RECURSOS

“Houve, inclusive, atuação do próprio Henrique Eduardo Alves para que houvesse essa destinação de recursos, vinculada à contraprestação de serviços que ditos políticos realizavam em benefício da OAS”, escreveu Janot.

“Tais montantes (ou, ao menos, parte deles), por outro lado, adviriam do esquema criminoso montado na Petrobras e que é objeto do caso Lava Jato”, completou.

É a primeira vez que Janot liga os repasses feitos para Alves aos desvios ocorridos na Petrobras. O peemedebista foi ministro do Turismo do governo Dilma e voltou ao cargo com Michel Temer.

PROCESSO OCULTO

Como o processo se encontra oculto, não há informações se houve decisão do ministro do Supremo Teori Zavascki pela abertura do inquérito. As suspeitas são de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

A investigação tem como base mensagens apreendidas no celular de Pinheiro.

Janot diz que Cunha recebeu valores indevidos, em forma de doações oficiais, por ter atuado em favor de empreiteiras. O mesmo teria ocorrido com o ministro.

“Verificou-se não apenas a participação de Henrique Eduardo Alves nesses favores, como também o recebimento de parcela das vantagens indevidas, também disfarçada de ‘doações oficiais'”.

COBRANÇAS DIRETAS

Entre 10 e 23 de outubro de 2014, houve ao menos oito pedidos de recursos para Alves, feitos por Cunha a Pinheiro. Também há cobranças diretas do atual ministro ao empreiteiro.

Alves, segundo a Procuradoria, prometeu ao comando da OAS atuar junto ao Tribunal de Contas da União e ao Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte, onde a empreiteira tinha pendências.

As mensagens também citam diversos encontros dos empreiteiros com Alves.

Na prestação de contas da campanha de Alves, há o registro do recebimento de R$ 650 mil da OAS. Além disso, outros R$ 4 milhões, doados pela Odebrecht, são considerados suspeitos por Janot, porque as doações teriam sido feitas a pedido de Cunha para um posterior acerto da Odebrecht com a OAS.

TEMER É CITADO

O pedido de inquérito também cita outros nomes fortes do governo Temer, como o próprio presidente interino, o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Moreira Franco (secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimento).

Janot faz referências a doação de R$ 5 milhões que Pinheiro teria feito a Temer e afirma que o pagamento tem ligação com a obtenção da concessão do aeroporto de Guarulhos, atualmente com a OAS.

“Léo Pinheiro afirmou que explicaria, pessoalmente, para Eduardo Cunha [sobre a doação], mas que o pagamento dos R$ 5 milhões para Michel Temer estava ligado a Guarulhos”, escreveu Janot.

O procurador-geral, porém, não pede especificamente para investigar esses fatos relacionados a Temer nem diz se entrarão no objeto do inquérito.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Muito importante a matéria enviada pelo comentarista Moacir Pimentel, mostrando o envolvimento direito do atual ministro do Turismo, que nunca foi santo. O mais importante, porém, é que as investigações começam a chegar em Michel Temer, exatamente quando Léo Pinheiro, da OAS, inicia sua delação premiada. Vamos aguardar. (C.N.)

13 thoughts on “Janot indica que as investigações já começam a chegar perto de Michel Temer

  1. Quando é que a bomba vai explodir pra valer, só se fala em merrecas, milhões pra cá, milhões pra lá, como é possível uma obra (Abreu e Lima) inicialmente avaliada em 8,750 bilhões de reais aumentar para 70 bilhões ou, apenas sete vezes mais?
    *
    Estamos perdidos se a incompetência sair teremos o retorno das múmias com seus fantasmas, ninguém quer saber do país, da população, os politiqueiros apenas aprovam as demagogias propostas pelos sindicalistas de boteco onde destilam suas idéias etílicas e nas horas vagas só tramoias, conluios e discursos de vigaristas acima de qualquer suspeita.

  2. A TOCHA !

    Em clima olímpico, ‘New York Times’ publica editorial: ‘Medalha de ouro do Brasil para a corrupção’
    —–
    Em mais um duro editorial sobre o momento político que o Brasil vive, o jornal “The New York Times”, nesta segunda-feira, coloca Michel Temer contra a parede. O texto, intitulado “A medalha de ouro do Brasil para a corrupção”, entra no clima olímpico (de forma irônica, obviamente) e coloca um ponto de interrogação sobre o compromisso do presidente em exercício contra as práticas ilícitas dos poderosos em Brasília.
    O editorial logo começa lembrando das nomeações polêmicas de Temer, que escalou um ministério exclusivamente branco e masculino. Em seguida, cita os sete ministros empossados e que estão na mira da Lava-Jato: “As nomeações aumentaram as suspeitas de que o afastamento de Dilma Rousseff, mês passado, tinha um motivo real: interromper as investigações”.

    Na sequência, o texto menciona Romero Jucá e Fabiano Silveira, ministros-relâmpago do governo provisório, que deixaram seus respectivos cargos do Planejamento e Transparência, pegos em gravações tentando obstruir as investigações da Lava-Jato.
    Neste ponto, o editorial questiona o compromisso de Temer com a operação da Polícia Federal: “Estes fatos forçaram Temer a prometer, semana passada, que o Poder Executivo não iria interferir nas investigações da Petrobras. Considerando os homens dos quais Temer se cercou, isso soa falso. Se o presidente em exercício quiser ganhar a confiança dos brasileiros, muitos dos quais têm chamado o afastamento de Dilma de ‘golpe’, ele e seu gabinete devem tomar medidas significativas contra a corrupção”.

    Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/em-clima-olimpico-new-york-times-publica-editorial-medalha-de-ouro-do-brasil-para-corrupcao-19449710.html#ixzz4AoISugZy

  3. A OCDE VIROU UM PERIGOSO AGENTE DO COMUNISMO INTERNACIONAL !

    ‘Só sairemos dessa crise com eleições presidenciais ainda este ano’, sugere Joaquim Barbosa.
    Por Julia Affonso e Fausto Macedo
    06/06/2016, 11h44
    No Twitter, ex-presidente do Supremo diz que ‘para que isso ocorresse, dois ilustres brasileiros teriam que renunciar aos seus interesses pessoais e pensar no país: D Roussef e M Temer’
    O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa afirmou em seu Twitter que ‘só sairemos dessa crise com eleições presidenciais ainda este ano’. O ex-ministro fez as afirmações em duas mensagens postadas em sua rede social na manhã de sábado, 4.
    Joaquim Barbosa citou em suas mensagens a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne 34 das mais importantes economias mundiais. E mandou um recado direto para a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) e o presidente em exercício Michel Temer (PMDB).
    “OCDE diz o que eu venho dizendo em palestras: só sairemos dessa crise com eleições presidenciais ainda este ano. Disse-o em 22/4 e 12/5”, declarou o ex-ministro. “Para que isso ocorresse, dois ilustres brasileiros teriam que renunciar aos seus interesses pessoais e pensar no país: D Roussef e M Temer.”
    Dilma caiu no dia 12 de maio, por decisão do Senado. Ela vai ficar afastada 180 dias, período em que será conduzido o processo de impeachment por crime de responsabilidade atribuído à petista.
    O governo interino de Michel Temer vem sendo alvo de frequentes críticas. Nesta segunda-feira, 6, o jornal americano The New York Times questionou em editorial o compromisso do peemedebista de acabar com a corrupção e pede medidas concretas do novo governo e sua equipe para combater as irregularidades. Uma destas medidas é extinguir a imunidade de parlamentares e de ministros, descrita no texto como “injustificável”.
    The New York Times começa o artigo, que recebeu o título “A medalha de ouro do Brasil para a corrupção”, criticando o ministério de Temer, formado apenas por homens brancos e faz referência à ficha suja de alguns deles, mencionando que sete são investigados pela Operação Lava Jato. O avanço das investigações já levou à queda de dois ministros, Romero Jucá, do Planejamento, e Fabiano Silveira, da Transparência, em apenas poucos dias de governo, ressalta o texto.
    http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/so-sairemos-dessa-crise-com-eleicoes-presidenciais-ainda-este-ano-sugere-joaquim-barbosa/

  4. Por favor senhores delatores esqueçam o Michel Temer ate resolver-mos o impedimento da presidenta, mas por favor não deixem barato, pois a probabilidade dele estar no esquema do petrolao e tambem do sacolao (ainda não divulgado) e de aproximadamente 99,9999999%.

  5. Acho que esta chegando a hora de voltarmos a ter uma monarquia por aqui.
    É chamar o príncipe herdeiro da coroa brasileira,
    entregar o poder a ele e pedir que organize um governo. Só com gente nova.
    Dizem que durante o segundo império, o Brasil era
    bem melhor e o imperador, popularíssimo.
    Os donos de escravos, que eram “azelite” da época, não perdoaram, derrubaram o imperador e em seu lugar puseram lula e Dilma da época.
    Deodoro e Floriano. Foi assim que tudo isso começou.

  6. Não há mínima segurança para qualquer profecia para mais de 8 horas. Pior que a nuvem de Magalhães Pinto, que dizia: você olha, está assim; olha de novo, está assado. Tá c´a molesta dos cachorro-doido!

  7. Newton, o interessante é que ninguém se lembra do golpe da “Proconsult” contra Brizola em 1982 em que Moreira Franco era o beneficiário. Tentaram tomar de Brizola a vitória empregando o “Diferencial Delta”.Brizola avisado da fraude que estava acontecendo, junto com Cesar Maia e outros companheiros invadiu a apuração. Viu ainda sairem sorrateiramente dois coroneis do SNI.. Chamou a Imprensa Internacional e denunciou o golpe. Hoje Moreira Franco tem como genro o filho de Cesar Maia, que assim como o sogro estão envolvidos em corrupção. Os orelhudos do PT não exploram o golpe da Proconsult contra Moreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *