Japão, o exemplo na economia, apesar da alta de juros


Paul Krugman

Uma geração atrás, o Japão era admirado –e temido– por muitos, sendo visto como paradigma econômico. Best-sellers sobre negócios traziam imagens de guerreiros samurais em suas capas, prometendo ensinar ao leitor os segredos da administração à moda japonesa; thrillers de autores como Michael Crichton retratavam as corporações japonesas como gigantes cujo avanço era irrefreável e que estavam rapidamente consolidando seu domínio sobre os mercados mundiais.

Então o Japão mergulhou numa queda aparentemente interminável, e a maior parte do mundo perdeu o interesse. As exceções principais foram um grupinho relativamente pequeno de economistas entre os quais, por acaso, figuravam Ben Bernanke, hoje presidente do Federal Reserve, e este que vos escreve.

Esses economistas obcecados pelo Japão viam os problemas econômicos do país não como prova da incompetência japonesa, mas como sinal do que estava por vir para todos nós. Se um país grande, rico e politicamente estável podia tropeçar tão mal, eles se indagaram, não poderia a mesma coisa se dar com outros países semelhantes?
Poderia, e aconteceu. Hoje em dia somos todos japoneses, economicamente falando. E é por isso que o experimento econômico ainda em curso no país que deu início ao ciclo é tão importante, não apenas para o Japão, mas para o mundo.

Em certo sentido, o que é realmente surpreendente na chamada “Abenomia” (a economia de Shinzo Abe) –a opção inequívoca pelo estímulo monetário e fiscal feita pelo governo do premiê Abe– é o fato de que ninguém mais no mundo avançado está tentando realizar algo semelhante. Na verdade, o mundo ocidental dá a impressão de ter se rendido ao derrotismo econômico.

DESEMPREGO NO EUA

 

Nos EUA, por exemplo, ainda há mais de quatro vezes mais trabalhadores desempregados no longo prazo quanto havia antes da crise econômica, mas os republicanos parecem querer falar apenas sobre falsos escândalos. E, para sermos justos, faz tempo que o presidente Barack Obama não diz alguma coisa contundente em público sobre a geração de empregos.

Mas, pelo menos, estamos crescendo. A economia da Europa está em recessão novamente, e nos últimos seis anos ela na realidade cresceu um pouco menos do que cresceu entre 1929 e 1935. Enquanto isso, o desemprego não para de alcançar novos patamares altos. Mesmo assim, não se vê sinal algum de uma mudança importante nos rumos.  Na melhor das hipóteses, podemos prever um leve afrouxamento dos programas selvagens de austeridade que Bruxelas e Berlim estão impondo aos países devedores.

Seria fácil para as autoridades japonesas apresentarem as mesmas desculpas para a inação que as que ouvimos no Atlântico norte: citar o problema da população em processo acelerado de envelhecimento, o fato de a economia ser onerada por problemas estruturais (e os problemas estruturais do Japão são legendários, especialmente a discriminação contra as mulheres), a dívida alta demais (muito mais alta, em relação às dimensões da economia, que a da Grécia). E, no passado, autoridades japonesas gostavam realmente de apresentar tais desculpas.

Mas a verdade –uma verdade que o governo Abe parece compreender– é que todos esses problemas são agravados pela estagnação econômica. Um incentivo de curto prazo ao crescimento não vai sanar todos os males do Japão, mas, se puder ser concretizado, pode representar o primeiro passo em direção a um futuro muito mais promissor.

CRESCIMENTO

A “Abenomia” está funcionando, então? A resposta cautelosa é que ainda é cedo para dizer. Mas os primeiros sinais são positivos, e a quedarepentina das ações japonesas na quinta-feira não muda essa situação.  As boas notícias começam com o crescimento econômico surpreendentemente rápido do Japão no primeiro trimestre deste ano –na realidade, um crescimento substancialmente maior que o dos EUA, enquanto a economia europeia continuou a encolher. Nunca se deve exagerar a importância das cifras de um só trimestre, mas esse é o tipo de

resultado que queremos ver.
Enquanto isso, os preços das ações japonesas subiram muito, enquanto o iene caiu. E, caso você esteja se perguntando, um iene fraco é ótima notícia para o Japão, porque aumenta a competitividade das indústrias de exportação japonesas.

Alguns observadores soaram o alarme sobre a alta das taxas de juro de longo prazo japonesas, embora elas ainda estejam inferiores a 1%. Mas a combinação de alta nos juros e alta nos preços das ações sugere que ambas refletem um aumento no otimismo, e não receios quanto à solvência japonesa.
É verdade que a venda grande de ações de empresas japonesas na quinta-feira prejudicou levemente essa avaliação otimista. Mas as ações ainda estão muito mais valorizadas que no ano passado, e eu tenho idade suficiente para me recordar da Segunda-Feira Negra de 1987, quando as ações de empresas americanas despencaram 20% de repente sem motivo evidente, sendo que a recuperação econômica em curso não sofreu nada por isso.

Portanto, o veredito global sobre o esforço do Japão para imprimir uma virada em sua economia é “tudo bem até agora”. Esperemos que esse veredito continue a valer e se fortaleça com o tempo. Pois, se a “Abenomia” funcionar, cumprirá um papel duplo, proporcionando um reforço muito necessário ao Japão e, para o restante de nós, um antídoto ainda mais necessário à letargia na política econômica.

Como eu disse no início, o mundo ocidental parece ter sucumbido diante de um caso grave de derrotismo econômico; nem sequer estamos tentando solucionar nossos problemas. Isso precisa mudar. E talvez, quem sabe, o Japão possa ser o instrumento dessa mudança.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Japão, o exemplo na economia, apesar da alta de juros

  1. Sobre o crescimento da economia no contexto mundial no primeiro trimestre de 2013, enquanto o Brasil cresceu 0,6% a Coreia do Sul e o Japão cresceram 0,9%.

    A zona do euro está, realmente, terrível.

    Outros países:

    México: 0,5%
    Reino Unido: 0,3%
    Alemanha: 0,1%
    UE: -0,1%
    Holanda: -0,1%
    França: -0,2%
    Portugal: -0,3%
    Espanha: -0,5%
    Itália: -0,5%

  2. A Economia do Japão, hoje com 130 Milhões de Japoneses, com pequenas flutuações, cresceu a Taxas “Chinesas” desde a Guerra da Coréia (1950 -1953), até 1990. Atingiu um PIB (Produto Interno Bruto de US$ 4,6 Trilhões, e Renda perCapita US$ 36.000, com Renda +- bem distribuída. A partir daí, entrou em estado estacionário, com leve Deflação. 22 anos de Produção, Salários, Taxa de Juros Básica, etc, tudo próximo a Zero ou Negativa. Como a População cresce a 0,2%aa, quase também está estagnada, administraram esses 22 anos de Estagnação, sem grandes danos, conseguindo manter um desemprego baixo, +- 4,5%, mandando embora quase todos os Trabalhadores estrangeiros. Eram a segunda Economia do Mundo. O Problema é que nesses 22 anos, a China ultrapassou a Economia do Japão, atingindo já um PIB de US$ 5,5 Trilhões e continua crescendo a taxas Chinesas, embora já desacelerando, a Índia com todas as suas complexidades vem crescendo bem já há 12 anos, e tem potencial para ultrapassar também o Japão em futuro não muito distante, e até as Coréias, que um dia vão se unificar, chegarão perto de um Japão Estacionário. Solução, para o Japão não ficar um País “sem importância”, tem que voltar a crescer. O atual Primeiro-Ministro Shinzo Abe, PLD, ganhou as eleições do fim do ano, com a Plataforma Política de crescimento da Economia. Como, depois de 22 anos de Estagnação, fazer pegar no tranco a terceira Economia do Mundo, o Japão? o PM Shinzo Abe prometeu e está fazendo: Na Política Monetária, dobrar a quantidade de Moeda Circulante (Crédito Bancário), saindo de uma Deflação para uma Inflação de 2%aa, em 2 anos, estimando que a Tx. Básica de Juros sairá de Zero para +- 3%aa. Na Política Fiscal, apesar do já grande Endividamento Público, 236% do PIB, aumentar o Orçamento Federal e consequentemente a Dívida Pública ainda mais, e fazer grandes obras de Infra-Estrutura, etc, e depois que a Economia voltar a crescer, aumentar bastante os Impostos de Consumo. Na Política Cambial, desvalorizar o Yen, Moeda do Japão em +- 20% para ativar a Exportação. Tudo isso visando um crescimento do PIB de +- 4%aa. É fascinante acompanhar como tudo isso vai evoluir. Uma coisa é certa, sem crescimento, o Japão vai perdendo importância. Abrs.

  3. Pingback: Japão, o exemplo na economia, apesar da alta de juros | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Deixe um comentário para Wagner Pires Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *