Joaquim Barbosa pediu a Luciano Huck emprego para o filho, que já está trabalhando na Globo.

Carlos Newton

O mais novo contratado da rede Globo é Felipe Barbosa, filho do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa. Formado em comunicação social, Felipe entrou para a produção do programa “Caldeirão do Huck”.

A informação foi publicada pela Folha de São Paulo, na coluna Outro Canal. De acordo com a colunista Keila Jimenez, inicialmente a Globo negou a contratação de Felipe e afirmaram que ele foi apenas fazer uma visita ao Projac. Depois, a emissora confirmou a contratação do filho do presidente do STF.

O presidente do Supremo recentemente ficou amigo de Huck e de Angélica. Veio ao Rio de Janeiro dia 2 de junho para assistir ao jogo Brasil e Inglaterra no camarote do casal de apresentadores, no Maracanã. Aproveitou para levar o filho Felipe. Daí para a contratação pata o jovem trabalhar na Globo, foi um pulo.

Joaquim Barbosa está sendo muito criticado, porque usou recursos do Supremo para se deslocar ao Rio de Janeiro e assistir a esse jogo com Huck e Angelica. O STF diz que a viagem foi paga com a cota que os ministros têm direito, mas não divulgou o valor pago nem qualquer regulamento sobre o uso da cota. O tribunal apenas confirmou à imprensa que não havia na agenda do presidente nenhum compromisso oficial no Rio de Janeiro durante o final de semana do jogo no Maracanã.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

42 thoughts on “Joaquim Barbosa pediu a Luciano Huck emprego para o filho, que já está trabalhando na Globo.

  1. QUERIA ENTENDER, O QUE A TRIBUNA TEM CONTRA O JOAQUIM BARBOSA, POIS ESTOU OBSERVANDO OS SEUS COLUNISTAS SEMPRE FAZENDO CRÍTICA A ELE DE UMA FORMA SARCÁSTICA E DEBOCHADA, ENQUANTO PROTEGEM O TRAFICANTE DE PEDRA PRECIOSA E VENDEDOR DE ARMAS NA ÁFRICA SR. LULA, QUE DECEPÇÃO TRIBUNA, AFINAL O QUE VOCÊS QUEREM QUE LULA VOLTE, NÃO POSSO ACREDITAR NISSO. NUNCA VEJO VOCÊS MALHAREM O LADRÃO DO LULA E SEU FILHO RICO POR MEIO DE TRANSAÇÕES MAIS QUE IMUNDAS QUE CORREM EM SEGREDO DE JUSTIÇA.

  2. Sra. Vanda.
    A LEI foi feita para todos, portanto, ninguém está acima dela. Não adianta pregar contra o mal feito somente do Legislativo, o PODER que emana do povo e em nome desse povo deve ser exercido. Os jovens que foram para às ruas se manifestarem, no que chamamos de “PRIMAVERA BRASILEIRA” clamaram por nova postura ética de todos os PODERES, para um Brasil melhor, logo, o recado das ruas foi dado para todas as autoridades. O personagem citado por você tem sido muito criticado no BLOG, contudo, ele não é mais autoridade e são das autoridades que o povo está exigindo mudanças.

  3. Por essas e outras que o Brasil não tem mais jeito.
    O jeitinho brasileiro está “enraizado” em tudo, desde lá de cima até aqui embaixo.
    Se enganam as pessoas que acham que eles “ouviram” as vozes da ruas.
    Não sentiram nada, tanto que estão pouco se lixando , como vimos os últimos acontecimentos.
    Só vai mudar mesmo daquele jeito, e todos sabem como é..

  4. Não é de hoje que a GLOBO contrata familiares de importantes autoridades, normalmente filhos para manter sua influência no poder. Já vimos atados à Globo o filho do general negociador da transferência de poder da ditadura militar em 1985, Leônidas Pires Gonçalves. no então Banco Roma do Roberto Marinho, logo em seguida o enteado do Ulysses Guimarães, que dividiu o poder de nomeação com o próprio presidente Sarney em seu período governamental, e agora o filho do Joaquim Benedito Barbosa Gomes, presidente do STF. Só para citar esses. É por essas e outras que a GLOBO é blindada em suas falcatruas no Brasil, frauda documentações descaradamente em processos administrativos e judiciais, como CPF inexistente no processo da TV Paulista, e o judiciário brasileiro se acumplicia criminosamente, entre muitas outras bandidagens das Organizações. Luciano Huck e Angélica são empregados “relações públicas” da Globo e o presidente do STF aceita a mordomia e vantagens para o filho docemente constrangido. Esses tipos de autoridades são facilmente desmascarados.

  5. Isso não foi nada, lamentável foi ele condenar sem provas e ainda escondendo as provas que inocentavam vários dos “condenados” por ele no mentirão, de modo implacável.

    JOAQUIM BARBOSA E ANTONIO FERNANDO DE SOUZA ESCONDERAM PROVAS QUE PODERIAM MUDAR JULGAMENTO DO “MENSALÃO”
    A pedido do procurador Antônio Fernando de Souza, ministro Joaquim Barbosa manteve um inquérito paralelo sob segredo de justiça, no Supremo Tribunal Federal (STF), e decretou sigilo em outro processo que corre no Distrito Federal contra um ex-diretor do Banco do Brasil, acusado pelo mesmo crime que condenou Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do BB. Por esses dois outros procedimentos passaram parte das investigações do chamado caso do “Mensalão”. Por Maria Inês Nassif.
    Maria Inês Nassif

    São Paulo – O então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, criaram em 2006 e mantiveram sob segredo de Justiça dois procedimentos judiciais paralelos à Ação Penal 470. Por esses dois outros procedimentos passaram parte das investigações do chamado caso do “Mensalão”. O inquérito sigiloso de número 2474 correu paralelamente ao processo do chamado Mensalão, que levou à condenação, pelo STF, de 38 dos 40 denunciados por envolvimento no caso, no final do ano passado, e continua em aberto. E desde 2006 corre na 12ª Vara de Justiça Federal, em Brasília, um processo contra o ex-gerente executivo do Banco do Brasil, Cláudio de Castro Vasconcelos, pelo exato mesmo crime pelo qual foi condenado no Supremo Tribunal Federal (STF) o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato.

    Esses dois inquéritos receberam provas colhidas posteriormente ao oferecimento da denúncia ao STF contra os réus do mensalão pelo procurador Antônio Fernando, em 30 de março de 2006. Pelo menos uma delas, o Laudo de número 2828, do Instituto de Criminalística da Polícia Federal, teria o poder de inocentar Pizzolato.

    O advogado do ex-diretor do BB, Marthius Sávio Cavalcante Lobato, todavia, apenas teve acesso ao inquérito que corre em primeira instância contra Vasconcelos no dia 29 de abril deste ano, isto é, há um mês e quase meio ano depois da condenação de seu cliente. E não mais tempo do que isso descobriu que existe o tal inquérito secreto, de número 2474, em andamento no STF, também relatado por Joaquim Barbosa, que ninguém sabe do que se trata – apenas que é um desmembramento da Ação Penal 470 –, mas que serviu para dar encaminhamento às provas que foram colhidas pela Polícia Federal depois da formalização da denúncia de Souza ao Supremo. Essas provas não puderam ser usadas a favor de nenhum dos condenados do mensalão.

    Essa inusitada fórmula jurídica, segundo a qual foram selecionados 40 réus entre 126 apontados por uma Comissão Parlamentar de Inquérito e decidido a dedo para qual dos dois procedimentos judiciais (uma Ação Penal em curso, pública, e uma investigação sob sigilo) réus acusados do mesmo crime deveriam constar, foi definida por Barbosa, em entendimento com o procurador-geral da República da época, Antonio Fernando, conforme documento obtido pelo advogado. Roberto Gurgel assumiu em julho de 2009, quando o procedimento secreto já existia.

    A história do processo que ninguém viu

    Em março de 2006, a CPMI dos Correios divulgou um relatório preliminar pedindo o indiciamento de 126 pessoas. Dez dias depois, em 30 de março de 2006, o procurador-geral da República, rápido no gatilho, já tinha se convencido da culpa de 40, número escolhido para relacionar o episódio à estória de Ali Babá. A base das duas acusações era desvio de dinheiro público (que era da bandeira Visa Internacional, mas foi considerado público, por uma licença jurídica não muito clara) do Fundo de Incentivo Visanet para o Partido dos Trabalhadores, que teria corrompido a sua base aliada com esse dinheiro. Era vital para essa tese, que transformava o dinheiro da Visa Internacional, aplicado em publicidade do BB e de mais 24 bancos entre 2001 e 2005, em dinheiro público, ter um petista no meio. Pizzolato era do PT e foi diretor de Marketing de 2003 a 2005.

    Pizzolato assinou três notas técnicas com outro diretor e dois gerentes-executivos recomendando campanhas de publicidade e patrocínio (e deixou de assinar uma) e foi sozinho para a lista dos 40. Os outros três, que estavam no Banco do Brasil desde o governo anterior, não foram mencionados. A Procuradoria-Geral da República, todavia, encaminhou em agosto para a primeira instância de Brasília o caso do gerente-executivo de Publicidade, Cláudio de Castro Vasconcelos, que vinha do governo anterior, de Fernando Henrique Cardoso. O caso era o mesmo: supostas irregularidades no uso do Fundo de Incentivo Visanet pelo BB, no período de 2001 a 2005, que poderia ter favorecido a agência DNA, do empresário Marcos Valério. Um, Pizzolato, que era petista de carteirinha, respondeu no Supremo por uma decisão conjunta. Outro, Cláudio Gonçalves, responde na primeira instância porque o procurador considerou que ele não tinha foro privilegiado. Tratamento diferente para casos absolutamente iguais.

    Barbosa decretou segredo de Justiça para o processo da primeira instância, que ficou lá, desconhecido de todos, até 31 de outubro do ano passado, quando a Folha de S. Paulo publicou uma matéria se referindo a isso (“Mensalão provoca a quebra de sigilo de ex-executivos do BB”). Faltavam poucos dias para a definição da pena dos condenados, entre eles Pizzolato, e seu advogado dependia de Barbosa para que o juiz da 12ª Vara desse acesso aos autos do processo, já que foi o ministro do STF que decretou o sigilo.

    O relator da AP 470 interrompera o julgamento para ir à Alemanha, para tratamento de saúde. Na sua ausência, o requerimento do advogado teria que ser analisado pelo revisor da ação, Ricardo Lewandowski. Barbosa não deixou. Por telefone, deu ordens à sua assessoria que analisaria o pedido quando voltasse.

    Quando voltou, Barbosa não respondeu ao pedido. Continuou o julgamento. No dia 21 de novembro, Pizzolato recebeu a pena, sem que seu advogado conseguisse ter acesso ao processo que, pelo simples fato de existir, provava que o ex-diretor do BB não tomou decisões sozinho – e essa, afinal, foi a base da argumentação de todo o processo de mensalão (um petista dentro de um banco público desvia dinheiro para suprir um esquema de compra de votos no Congresso feito pelo seu partido).

    No dia 17 de dezembro, quando o STF fazia as últimas reuniões do julgamento para decidir a pena dos condenados, Barbosa foi obrigado a dar ciência ao plenário de um agravo regimental do advogado de Pizzolato. No meio da sessão, anunciou “pequenos problemas a resolver” e mencionou um “agravo regimental do réu Henrique Pizzolato que já resolvemos”. No final da sessão, voltou ao assunto, informando que decidira sozinho indeferir o pedido, já que “ele (Pizzolato) pediu vistas a um processo que não tramita no Supremo”.

    O único ministro que parece ter entendido que o assunto não era tão banal quanto falava Barbosa foi Marco Aurélio Mello.

    Mello: “O incidente [que motivou o agravo] diz respeito a que processo? Ao revelador da Ação Penal nº 470?”

    Barbosa: “Não”.

    Mello: “É um processo que ainda está em curso, é isso?”

    Barbosa: “São desdobramentos desta Ação Penal. Há inúmeros procedimentos em curso.”

    Mello: “Pois é, mas teríamos que apregoar esse outro processo que ainda está em curso, porque o julgamento da Ação Penal nº 470 está praticamente encerrado, não é?”

    Barbosa: “É, eu acredito que isso deve ser tido como motivação…”

    Mello: “Receio que a inserção dessa decisão no julgamento da Ação Penal nº 470 acabe motivando a interposição de embargos declaratórios.”

    Barbosa: “Pois é. Mas enfim, eu estou indeferindo.”

    Segue-se uma tentativa de Marco Aurélio de obter mais informações sobre o processo, e de prevenir o ministro Barbosa que ele abria brechas para embargos futuros, se o tema fosse relacionado. Barbosa reitera sempre com um “indeferi”, “neguei”. (Clique aqui e veja trecho da sessão)
    O agravo foi negado monocraticamente por Barbosa, sob o argumento de que quem deveria abrir o sigilo de justiça era o juiz da 12ª Vara. O advogado apenas consegui vistas ao processo no DF no dia 29 de abril do mês passado.

    Um inquérito que ninguém viu

    O processo da 12ª Vara, no entanto, não é um mero desdobramento da Ação Penal 470, nem o único. O procurador-geral Antonio Fernando fez a denúncia do caso do Mensalão ao STF em 30 de março de 2006. Em 9 de outubro daquele ano, em uma petição ao relator do caso, solicitou a Barbosa a abertura de outro procedimento, além do inquérito original (o 2245, que virou a AP 470), para dar vazão aos documentos que ainda estavam sendo produzidos por uma investigação que não havia terminado (Souza fez as denúncias, portanto, sem que as investigações de todo o caso tivessem sido concluídas; a Polícia Federal e outros órgãos do governo continuavam a produzir provas).

    O ofício é uma prova da existência do inquérito 2245, o procedimento paralelo criado por Barbosa que foi criado em outubro de 2006, imediatamente ganhou sigilo de justiça e ficou sob a responsabilidade do mesmo relator Joaquim Barbosa.

    Diz o procurador na petição: “Por ter conseguido formar juízo sobre a autoria e materialidade de diversos fatos penalmente ilícitos, objeto do inquérito 2245, já oferecia a denúncia contra os respectivos autores”, mas, informa Souza, como a investigação continuar, os documentos que elas geram têm sido anexados ao processo já em andamento, o que poderia dar margens à invalidação dos “atos investigatórios posteriores”. E aí sugere: “Assim requeiro, com a maior brevidade, que novos documentos sejam autuados em separado, como inquérito (…) ”.

    Barbosa defere o pedido nos seguintes termos: “em relação aos fatos não constantes da denúncia oferecida, defiro o pedido para que os documentos sejam autuados em separado, como inquérito. Por razões de ordem prática, gerar confusão.”

    No inquérito paralelo, o de número 2474, foram desovados todos os resultados da investigação conduzida depois disso. Nenhum condenado no processo chamado Mensalão teve acesso a provas produzidas pela Polícia Federal ou por outros órgãos do governo depois da criação desse inquérito porque todas todos esses documentos foram enviados para um inquérito mantido todo o tempo em segredo pelo Supremo Tribunal Federal.

  6. Não admira que ainda não venham petistas como o acima dizer que as manifestações são a favor do PT.
    Depois de 10 anos ocupando e dominando o estado, com a malandragem de 39 ministérios e mais de 25 mil cargos, nos EUA são 5000, os malandros vção querer largar o osso?
    A boca é muito boa.

  7. Já comentou, depois de novo que “não estou nem aí” e agora vem nos encher o saco com PT, ministérios, EUA, sem nenhum relacionamento com o tema. Por favor, tenha dó. Sinceramente, na boa, não seja inconveniente. Exponha suas idéias sobre o tema. Prefiro ler sua opinião bem divergente da minha, que coisas ininteligíveis sem relações com o tema.

  8. Quais serão os favores que o Ministro vai dar em troca a Globo e ao casal Huck e Angélica pelo emprego de seu competente filho. Lulinha o filho do Lula é o Fenômeno dos negócios. Já o filho do Ministro deverá ser o Neymar da mídia.

    • COLEGA, ESSE MINISTRO JÁ ESTÁ ENCOBRINDO TUDO DE FALCATRUAS DO PSDB E AS DÍVIDAS QUE A GLOBO TEM COM O PAÍS QUE SEGUIA EM SIGILO E JÁ OI DESCOBERTO. É ISSO QUE DÁ, SR. BARBOSA ANDAR COM HUCK E REDE GLOBO, CAIU A MÁSCARA IMACULADA DO SO SENHOR…POR ISSO, QUE A GLOBO SEMPRE PROCURAVA SANTIFICÁ-LO TANTO.

  9. Os comentaristas raivosos da direita golpista continuam caladinhos acerca da mega sonegação de impostos no País denunciada pelos Procuradores da Fazenda Nacional:
    2011 – 415 bilhões;
    2012 – 425 bilhões
    Jan/ 6 Julho de 2013 – mais de 212 bilhões.
    Certamente que pobre não sonega, apenas ricos.
    E aí vão continuar silenciosos e coniventes?

  10. O ultrachavismo sem voto da Rede Globo
    Enviado por Miguel do Rosário on 05/07/2013 –
    O presidente do Supremo Tribunal Federal, o ídolo dos coxinhas, Joaquim Barbosa, é hoje o principal trunfo político da Rede da Globo. Ancelmo Gois incensa-o regularmente desde que ele tomou as dianteiras da Ação Penal 470. Outro colunista, Roberto Damatta não apenas afirmou que votaria sem pestanejar nele, como achava que Barbosa levaria fácil no primeiro turno. Merval Pereira e ele estão sempre se telefonando, e o colunista publica a conversa no dia seguinte sem escrúpulos de chapa-branquismo. O ex-presidente do STF anterior, Ayres Brito, escreveu o prefácio do livro de Merval enquanto ainda tocava o julgamento do mensalão. É uma falta de vergonha inacreditável.

    Aí ficamos sabendo que Barbosa pagou as passagens de avião, com dinheiro público, para uma repórter da Globo lhe acompanhar à Costa Rica. Coisas de político da pior laia. Logo descobrimos que Barbosa pagou as passagens de avião para assistir o jogo do Brasil e Inglaterra, no Rio, com dinheiro público, e que ficou no camarorte de um apresentador da Globo, Luciano Huck. E que seu filho está trabalhando na Globo, com Luciano Huck, figura que o PSDB andou sondando para ser seu candidato ao governo do Rio.

    É incrível o poder da Globo de cercar os ministros do STF. Cercam-nos midiaticamente, incensando-os, arrumando-lhes camarotes de luxo, descolando empregos para seus filhos. É como se vivêssemos um ultrachavismo de direita e sem voto, comandado pela Rede Globo, que pode tudo. Pode fraudar o fisco em quase 2 bilhões de reais, e ainda sim receber dezenas de bilhões de reais em publicidade pública. O Ministério Público só investiga quem a Globo decide que tem de ser investigado. Os juízes só condenam quem a Globo decide que deve ser condenado.

    Vide o caso recente do jornalista Paulo Henrique Amorim. É ridículo que seja condenado com tal severidade por uma frase infeliz: mas como foi contra um jornalista da Globo, então vale tudo. O que o Paulo fez mereceria apenas retratação verbal no próprio site, se o juiz assim decidisse, mas querer prender na cadeia um blogueiro porque se deu uma interpretação racista à sua frase? Aí é demais. Aí é manipular a ditadura do politicamente corrento para beneficiar o mais poderoso. Afinal, o que significa tanta perseguição a PHA? Não é mais uma tentativa de censura, via sufocamento judiciário e financeiro?

    *

    A malandragem cabotina de Ilimar Franco

    Ilimar Franco é o colunista melhorzinho do Globo, mas é do Globo e tem de comer na mão de seus patrões. Não pode dar opinião, porque é “meio de esquerda”. Só quem pode opinar é Merval Pereira, o pitbull fiel e disciplinado dos Marinho. Hoje Ilimiar tenta fazer uma incursãozinha no trabalho sujo, provavelmente querendo se blindar.

    Veja essa notinha, publicada em sua coluna de hoje:

    ‘Queromeu’- Petistas, na reunião da Executiva, criticaram a comunicação do governo por desprezar as redes sociais. O eufemismo é usado por quem defende que o governo Dilma dê dinheiro público para páginas na internet não noticiosas e de baixa audiência, que são alinhadas com o petismo.

    A notinha, além de arrogante, é malandramente cabotina, porque o objetivo dela é pressionar o governo a continuar dando dinheiro pra Globo. Só que a Globo não tem página “noticiosa”. Tem uma central de produção de lixo. Deveria receber, talvez, alguma verba do Ministério do Meio Ambiente, para reciclagem e descontaminação. E as páginas “noticiosas-lixo” da Globo são alinhadas à direita golpista. Sonega informações descaradamente. Mente. Protege a corrupção de seus aliados. Cadê a investigação jornalística na grande mídia sobre a privataria tucana? Cadê a investigação sobre as fraudes fiscais da Globo? Cadê a investigação sobre as relações de Veja com a máfia de Carlinhos Cachoeira e Demóstenes Torres.

    Um governo que trabalha pela desconcentração da renda não pode, esquizofrenicamente, fomentar a concentração da mídia. Não pode matar a fome do povo, e esquecer de seu espírito. Mídia também é cultura, saúde e educação, porque através da mídia se pode transmitir valores, cuidados com a saúde e informação acadêmica e profissional.

    Eles construíram sua audiência em meios aos anos de chumbo, quando o governo (a ditadura) era seu aliado, e com ajuda dele, e dos Estados Unidos, esmagaram seus concorrentes, tornaram-se uma potência financeira e estabeleceram um monopólio. Tudo sempre regados a empréstimos bilionários, leis favoráveis no congresso, e uso de paraísos fiscais.

    Os platinados estão morrendo de medo de perder a boquinha do governo, que lhes rende mais de um terço de sua renda anual. O Cafezinho, que jamais recebeu um centavo do Estado, acha o seguinte: se estamos vivos até aqui, continuaremos vivos, mas defendo que o governo não dê mais dinheiro pra ninguém. Queremos que os bilhões da Secom sejam transferidos diretamente para investimentos em educação. O governo anunciaria suas ações através de uma lei que obrigaria toda concessão pública a veicular de graça publicidade de utilidade social. Pronto, acabaria a mamata. Eu ficaria tranquilo.

    Melhor ainda, o governo poderia criar um sistema randômico, para os anúncios serem veiculados em qualquer site brasileiro, mas com um teto máximo, para que os tubarões não ficassem com tudo e estimular os pequenos e médios.

    Para cúmulo da incompetência política, a Secom tem usado o Ad Sense do Google para anunciar na web, ferramenta que deixa 75% dos recursos públicos em mãos de uma empresa estrangeira, mais 20% nas mãos de agências, e somente 5% nas dos verdadeiros produtores de conteúdo.

    *

    A nossa sorte é que até agora nenhum Marinho tem gosto pela política, senão já tínhamos criado nosso Berlusconi, e seria muito pior do que o original italiano. Por isso é tão perigoso a direita voltar ao poder. Ela já tem o controle da mídia privada. No governo, terá também o da mídia pública.

    É o que vai acontecer se a Dilma continuar fazendo de tudo para perder as eleições, como tem feito.

    – See more at: http://www.ocafezinho.com/2013/07/05/o-ultrachavismo-sem-voto-da-rede-globo/#sthash.VcOctvVY.dpuf

  11. Sr. Roberto Nascimento.
    Acho que não me fiz entender, não estou defendendo nenhum mal feito seja lá de quem for, pois sou politizada, pagadora de impostos exorbitantes e muito consciente, apenas tenho observado leitora que sou da Tribuna há anos, que os colunistas do Blog e até o HF, o que muito me surpreende uma certa perseguição, crítica, sarcasmo e deboche em relação ao J Barbosa, e não vejo crítica ao desaparecido LULA causador disso tudo, que não sabe nunca de nada, esse homem que junto com sua corja petista saqueou e saqueia o Brasil, seu filho enriqueceu com a ajuda do Daniel Dantas que deveria estar em prisão perpétua e o processo senhor, corre em segredo de justiça, suas transações com tráfico de pedras preciosas e venda de armas na África, enfim a lista é tão grande e tão grave que eu precisaria de todo espaço do Blog para escrever, Sr. posso falar isso pq votei em LULA em 2002 e acreditei que o Brasil poderia mudar, com 1 mês estava arrependida, pois constatei que eles eram iguais ou piores que o PSDB, que nunca escondeu que não prestava mas o PT enganou a todos, a propósito Sr tenho mais de 40 anos e fui a todas as passeatas com o meu cartaz cobrando por ferrovias de carga, por revisão da tabela de imposto de Renda que não é reajustada desde 2002 e outras reinvindicações, e vi de perto como os jovens gritavam o nome de Joaquim Barbosa, aliás, com os candidatos que estão aí a única chance de eu votar é se ele for candidato, portanto Sr. vem pra rua também.

  12. Se houve esse fato não é crime. Aliás todos os brancos aqui já fizeram isso. Isso é da cultura e nem pecadinho pode ser considerado. Pedir emprego é normalíssimo. Mas não para a revista Amiga.
    Cometer crime sim, como os mensaleiros e não foi só Joaquim Barbosa que os condenou. Foi a maioria esmagadores dos juizes.

    Muitos aqui, petistas descarados, arranjaram emprego na máquina pública para não fazer nada através de pelegos e do PT. Recebem uma fortuna para não fazer nada. Dinheiro do povo.
    São 25 mil cargos. Nos EUA são 5 mil.
    Já viram né.
    Essa canalha que está no poder apela para qualquer fofoca de revista Amiga para justificar seus crimes.
    Arranjem outra, porque essa não colou.

  13. Já era ridulo as ironias deste Joaquim Barbosa, no julgamento da AP470, agora ele adota a lei do abominável FUX, “leve vantagem, sem precisar ter ética”. Como estes ministro suspeitos vâo julgar os políticos, vivemos uma situação ridícula. Para ser respeitado, hoje, basta não ser tão corrupto como foram os tucanos, os tucanos do Arruda, vivemos um pessimmo momento para o Brasil.

  14. Wanda, vivemos num país em que os misticismo ideológico ou religioso , o que dá no mesmo, é muito forte. Estamos numa época de muito mais censura que a ditadura, pois o tipo de censura vem do medo das religiões ou ideologias. E suas patrulhas estão atentas.
    Eu faço uma lista de 20 ou mais, que pode escrever que uma árvore é uma árvore e aqui não entra.
    Faço outra lista de 20 que escrevem baboseiras , pregações e até negando que uma árvore é uma árvore, que aqui tem espaço livre.
    Quero dizer que não tenho nada contra os ou a favor os 40 acima, pois meu negócio é arte, filosofia e história. Os dois primeiros pratico e história estudo.
    Só acho que a patrulha subliminar está com muita força por aqui.
    Isso não é bom para a democracia

  15. Se é verdade essa história do JB vir de graça ao Rio para uma partida de futebol, ir para o ninho dos apresentadores e logo depois o filho ganhar um emprego, desisto definitivamente de acreditar em qualquer um neste país.

    Não sei porquê, mas me lembrei do final de um filme, “Invasores de corpos” – original: “Invasion of the Body Snatchers”.

  16. Parece que a senhora acima se aborreceu sobre verdades a respeito do novo pretenso salvador da pátria. Não acho que a TRIBUNA protege quem quer que seja, menos ainda o Lula que muitos de nos já cansamos de expor os podres, como relações pretéritas com o Golbery do Couto e Silva autorizando-o a falar durante a ditadura na TVE, para espanto do então comandante do segundo Exército, e muitas outras coisas mais atuais que a senhora provavelmente não leu. Agora a senhora apresenta novas denúncias. Então, fundamente-as e cite as fontes sem partidarismo, para que os comentaristas possam avaliar. O que a senhora não pode negar é que o casal Huck é empregado da Globo, o filho do ministro se empregou na Globo e ele apareceu, após protelar como é seu hábito como juiz e sob o argumento de mais estudos para decidir sobre o processo dos sofridos aeroviários, no camarote justamente do casal empregado da GLOBO num jogo de futebol. Ora, minha senhora, ele é uma importante autoridade publica, presentemente a presidir o judiciário do país num momento delicado e de imensa insatisfação popular. Ademais, já fomos enganados no passado por candidatos vassourinha, caçador de marajá, sociólogo de fancaria, operário conversa fiada, negra pobre e favelada e temos que nos prevenir.

  17. Ao que consta, há norma jobiniana facultando o bilhete do ministro, que tem residência no Rio; freqüentar (¨) camarote oferecido por amigos não é delito algum, e pedir emprego para o filho – na iniciativa privada – é apenas um dos papéis (´) do pai, eventualmente. Nada disso merece o ruidoso carnaval aqui orquestrado contra o eminente ministro. Tomam-nos por tolos? Abraços fraternos

  18. Cansei chega…..

    Definitivamente cansei, sou apartidária cansei de partidos políticos, renans, jaders, sarneys, collors e etc. Meu Deus o PT13 invadiu o blog da Tribuna da Imprensa, isso é muito preocupante.

  19. Fico espantado de ler que gente grande ainda hoje no Brasil não se mancaram que partidos políticos aqui não passam de cartórios de legalização de candidatos para participarem de eleições, todos financiados por verbas públicas e grandes empresários, uns mais outros menos, de acordo ao número de parlamentares e pesquisas que apontam possibilidades de vitória, respectivamente. Todos têm menos histórias e torcidas que time de futebol. O povão defeca e se locomove para eles. Vivo num estado importante da federação, no Rio, não sei onde fica o PT, nunca tivemos um governador ou prefeito aqui eleito pelo PT, exceto uma vice desastrada do Garotinho que nem escolhida à epoca foi pela maioria dos ditos convencionais para a chapa de governadora, segundo se noticiou. Aliás, dizem que Garotinho, que já navegou em várias siglas, foi do PT. A atual presidenta da República nem fundadora do PT foi. Começou sua vida partidária legal no PDT, como aqui o ex secretário de Obras do Brizola Luiz Alfredo Salomão, e depois em anos distintos ambos ingressaram no PT por interesses individuais, assim como outros em sentido inverso. Ninguém se interessa em conhecer os estatutos desses partidos que nem respeitados pelas suas cúpulas são. Janio Quadros foi eleito presidente e no fim da vida prefeito de São Paulo sem dar importância a partidos, Collor idem num mais inexistente ainda, Sarney e a filha já integraram dois partidos desses sem dar importância a estatutos, etc.etc. A ditadura fechou um montão de partidos à época e nenhum “militante”chiou de tão sem apelo que eram. Agora surge uma comentarista a se “preocupar” que o PT invadiu o Blog da Tribuna por causa de críticas a um ministro do Supremo por suas relações com a Globo. Lamentável o nível de conhecimento de certas pessoas.

  20. A propósito de GESTÃO, citado pelo comentarista um pouco mais acima, outro dia escutei uma palestra sobre esse tema de um especialista empresarial. Dizia ele que a gestão dos negócios privados é algo difícil e que exige técnica e talento. Era a respeito do Eike Batista, que ele considerava um bom empreendedor e um mau gestor de suas empresas. Imaginem a gestão publica do Brasil, muito mais complexa, nas mãos de amadores, comprometidos com interesses privados e frequentemente corruptos.

  21. Nunca um Ministro do STF pediu emprego para filhos na TV GLOBO que tem querelas judiciais em todas as Instâncias da Justiça. Segundo Jornais, comprou um apartamento em Miami Beach. O salário de um funcionário público não dá para isso. Viajou para ver jogo no Rio com dinheiro público. É grosseiro, mal educado e perdulário, segundo o Associação de Magistrados. Ainda bem que é debilitado fisicamente.

  22. São todos iguais, falam uma coisa e fazem igual, não há um só que seja leal, quando teremos um que não use do cargo para angariar privilégios, ficará com certeza devendo favor ao sr. Lucianno Huck e principalmente a rede globo, é uma pena.

  23. Parabéns de pé para o comentarista Iaco Silva. Utilizou o contraditório com elegância, porém, de forma contundente. O BLOG da Tribuna da Imprensa não segue nenhuma linha partidária ou ideologias de esquerda ou de direita.
    Aqui há espaço para todas as tendências políticas e filosóficas. As críticas aos comentaristas e aos articulistas, as vezes ácida, raivosa e personalística tiram o brilho das análises, que não encontramos em nenhum outro BLOG, pela simples razão desta Tribuna não ser “chapa branca” nem ser financiada pelos poderes constituintes. Aqui a Tribuna é livre.
    Ninguém pode ser contra àqueles que gostam do Joaquim, do Sociólogo e acadêmico Fernando, do metalúrgico Luis Inácio, do venezuelano Hugo, do revolucionário Fidel, do “cara” Barack Obama, entretanto, como figuras públicas, suas ações devem ser objeto de críticas contra ou a favor, sim senhor.
    O Brasil sofreu muito com apostas messiânicas em figuras similares ao Sassá Mutema da novela, que depois de eleitos mostraram a verdadeira face, o outro lado da moeda. Presidentes autoritários, racistas, neoliberais, marajás, entreguistas e até com viés bolivarianos. Contudo, o Brasil é maior do que tudo isso, e o gigante se renova a cada eleição jogando para o ralo seus representantes e siglas partidárias do controle do poder.
    Faço um apelo aos comentaristas: Não cansem jamais. Quando algum personagem aqui sai do tom e descamba para agressões pessoais, simplesmente ignoro a provocação e o deixo de lado. É a melhor tática contra quem não deseja o bom combate livre das ideias.
    Os acessos de leitores ao BLOG da Tribuna da Imprensa tem alcançado números significativos, o que demonstra a qualidade dos artigos aqui postados. O Editor não censura ninguém, desde lulistas, dilmistas, fernandistas, coloridos ou os que não seguem ninguém, apenas a própria consciência. Afinal, como dizia o filósofo grego Sócrates: “Só sei que nada sei”. E por saber que não sabia tudo estava apto a aprender. Quem acha que sabe tudo e que detêm o monopólio da razão está perdido e não sabe, sem saber que não sabe de nada.
    Alea jacta est

  24. Vale lembrar o saudoso músico e compositor BEZERRA DA SILVA : ” para tirar o Brasil desta baderna, só quando o morcego doar sangue e o saci cruzar as pernas”.
    Eunápolis-Bahia

  25. Privado ou estatal dá no mesmo em termos de comando. Estão nas não de seres humanos. O privado sempre administra melhor, pois se dedica a apenas aquilo que tem. Já o estado, como o nosso, um balaio de gatunos, não tem como fazer nada certo ou honesto.
    Patrocínio jurídico ou físico não quer dizer nada também.
    Tudo vai depender que quem o administra.
    Quem garante que no da pessoa física não há preferência?
    Nada pessoal, mas não acredito nem em mim. Nem em falsos-pudores.
    Física ou jurídica, quem dá mais leva?

  26. Tentar denegrir a conduta pública do ministro JB por ter ido a um jogo de futebol na cidade onde reside (todos os demais ministros têm prerrogativas de deslocamento à suas residências), e por ter um filho pretensamente empregado pela Globo só deveria interessar aos racistas e petistas. Qual ilícito ou irregularidade teria cometido Joaquim Barbosa?

  27. A Globo sabe de tudo, manipula tudo e tem todos na mão.
    Ligar Barbosa a Globo já acho exagero apelativo demais.
    Quem não trabalharia na Globo ?
    Somente ricos demais ou idiotas de menos.

  28. Devo confessar que quando vi o ministro Barbosa se posicionando de forma ríspida contra os artífices do mensalão imaginei ser ele homem digno do meu voto. Senti uma certa alegria em meu coração , pois , há muito já não voto.Sou um cidadão comum ,como tantos outros , não possuo curso superior,e o pior , sou detentor de uma inocência política muito grande. Nessas condições penso eu , há milhares de brasileiros.Porém quando vi que o referido ministro usufruiu de bens públicos para deslocamento pessoal , e não em labor funcional,e,além disso ,pedir colocação profissional para o seu filho na Globo , ai foi a gota d’água.Ter sido a emissora Rede Globo ou função solicitada , isso é de menos ,a dissonância está nos atos. Toda galinha canta quando bota,porém pode haver ovos com duas gemas.Nesse caso ovo é comum .Acho que não votarei mais uma vez.

  29. A historia da Política e da justiça brasileira submissas ás midias, no momento das versões de Veja,Estadão, Folha e Globo esta no brasilnu.blogspot.com.br contadas em textos curtos e precisos desde 1996. Histórico.

  30. Tem pessoas que são idiotas de nascença, só querem notícias ruins de quem elas não gostam. Tem que acabar esse negócio de que roubou, mas fez, todo político tem obrigação de ser honesto. Reforma política já e do judiciário também. Queremos elição para o pode judiciário. Chega de fisiologismo e protecionismo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *