Joaquim Levy mentiu para valer perante a Comissão do Senado

Levy mentiu muito, chegou a dizer que não há perda de direitos sociais

Deu no Estadão

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta terça-feira, 31, que a mudança do indexador das dívidas dos Estados é inócua para a maior parte dos entes federativos. Ele afirmou que o projeto do indexador foi estabelecido em outro momento e que o custo dos Estados era muito abaixo do custo de financiamento da União.

Ele explicou que em momentos de desaceleração econômica a União tem que tomar medidas mais drásticas, enquanto os Estados pagam menos nessas circunstâncias. Na tarde de hoje, o plenário do Senado pode votar o projeto de lei que estabelece 30 dias de prazo para o governo regulamentar a lei que muda o indexador.

Levy afirmou que o diálogo com Estados e municípios é muito importante. Sua ifa ao Senado foi justamente para tentar evitar que a Casa coloque em votação o projeto que obriga o governo a regulamentar em 30 dias a lei do indexador da dívida dos Estados e municípios.

“A retomada do crescimento vai depender em grande parte também da ação dos Estados e municípios”, afirmou. “O próprio nome do País diz que é a República Federativa do Brasil”, ressaltou. Ele disse que é uma honra participar da audiência pública na comissão onde se discutem os assuntos mais importantes do País.

REFORMA DO ICMS

Para Levy, o ajuste fiscal é necessário não só para evitar os problemas atuais, mas para “pavimentar o caminho para frente, em que se valorize as conquistas sociais”. Ele afirmou que, em sua fala, explicará os motivos do ajuste fiscal e, ao final, comentará a questão do ICMS. Para facilitar o acordo que selou o adiamento da votação, Delcídio Amaral (PT-MS), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, “embalou” no pacote o discurso de uma negociação mais ampla da reforma do ICMS e da convalidação dos incentivos fiscais concedidos pelos Estados.

“Reputo [as discussões em torno do ICMS] como um dos fatores primordiais para a retomada econômica e do ambiente de confiança para investidores. O investidor de carne e osso tem que escolher o lugar, se estabelecer, conhecer as regras antes de levantar os muros da fabrica”, afirmou, acrescentando que ter segurança é fundamental para que se retome investimentos. Se a Fazenda conseguir apresentar na CAE sinalizações concretas de avanço nesses dois pontos, a expectativa de aliados do Planalto é de que haverá espaço para negociar a retirada de pauta do projeto que obriga o governo a regulamentar a mudança no indexador.

GRAU DE INVESTIMENTO

O ministro disse também que o Brasil pode perder o grau de investimento dado pelas agências de classificação de risco caso o ajuste fiscal não seja feito. “Se não fizermos ajuste, ainda existe risco de perder o grau de investimento. O custo será altíssimo para o governo, para as empresas e para o trabalhador”, afirmou.

Levy lembrou que muitos investidores não podem aplicar em países que não têm grau de investimento e que isso teria grande impacto na economia real. “Para preservação do emprego, temos que botar a dívida pública em uma trajetória sustentável, que nos traga para a esquerda (do gráfico apresentado aos senadores). Sempre movendo para a esquerda”, disse, em tom de brincadeira.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Já era esperado. Muita embromação e enganação. Dizer que a mudança do indexador das dívidas dos Estados é inócua para a maior parte dos estados, sem a menor dúvida, é menosprezar a inteligência alheia. Se a mudança é inócua, por que o governo luta tanto para evitar que ocorra? O ministro alegou também que as mudanças no pagamento de seguro-desemprego ajudarão a reduzir a rotatividade no mercado de trabalho. Como pode dizer uma bobagem dessas? Seu despreparo, portanto, é estarrecedor. Nas propostas de Levy, não há corte de custeio, o governo só cortará em investimentos, piorando a crise. Ele diz que se formou em Chicago, mas na verdade segue a teoria do professor francês Pangloss, inspirador da teoria econômica do “laisser faire”, que significa deixar como está. Uma decepção. Deveria voltar logo para o terceiro escalão do Bradesco. (C.N.)

13 thoughts on “Joaquim Levy mentiu para valer perante a Comissão do Senado

  1. Vê-se que aquela que está lá na cadeira presidencial não teve alternativa; era Levy, ou Levy. A princípio, pensava-se que viria para a Fazenda um nomão, que fosse respeitado pelo mercado, pela indústria. O que se vê é que veio um tipo engomadinho, metido a competentão, que não sabe bem como livrar a mulé e o país da enrascada em que os petistas nos meteram. Talvez não fique muito. Ele não convence, quando fala. E ainda arrematou: o aumento astronômico da conta de energia é bom, porque mostra ao consumidor como é caro produzir energia. Pode?

    • Mara, concordo com você, e vou mais adiante, não passa de um rentista, e é só rentista, e não acredito que tenha bom caráter, quem serve a bandidos, não é lá grande coisa, no minimo, tem uma identidade com os petralhas, os mesmos defeitos de caráter.

  2. Joaquim Levy atende aos Banqueiros que mandam neste País. Ele está pouco se lixando com o trabalhador brasileiro. E a despreparada, desastrada e incompetente Dilma ainda colocou o mesmo para ser Ministro da Fazenda. Isto demonstra que ela também está pouco se lixando com os trabalhadores brasileiros. Mas tem gente que ainda bate palmas para ela e para seu desgoverno.

  3. O interessante de tudo isso é assistirmos Levy apontando seguir, os petistas reclamando da direção indicada por ele, mas acocorados, aceitando-o com revolta, indignados por haverem percebido muito tardiamente que o PT não tem economista.

  4. Um recado para o senhor Joachim Levy:

    – Tenha vergonha na cara e diga para essa analfabeta da Dilma que não precisa fazer nada disto que está sendo proposto. Basta cortar as despesas criminosas que este governo criou e pode até baixar impostos e juros.
    Ou, volte para o Bradesco e deixe esta merda explodir, pois parece que só assim teremos um novo começo.
    Chega de jogar a conta das cretinices desses políticos ladrões e incompetentes sobre a população e principalmente sobre as costas dos trabalhadores da iniciativa privada, pois os outros, pendurados nos cabides do setor público, não obstante INÚTEIS, continuam com seus imerecidos salários.
    Com um salário mínimo R$ 780,00 , no governo temos ascensorista com R$ 8.000,00 mensal e motorista com R$ 13.000,00 , também mensal.
    Isto pode ? Isto é um deboche. É uma cuspida na cara da população.
    E, sr. Levy, se a única coisa que você aprendeu é aumentar impostos, juros e baixar a renda dos trabalhadores da iniciativa privada, vá se catar !!!

  5. Eu não assisti sua apresentação. Além de mentir esta cara também é um cagão. Pois, falou mal da dilma trambique e depois ficou se desculpando. Esta cara é um manteiga piorado.

  6. Senhores,
    Este Sr. Levy é capataz de banco!
    Não tem plano de Nação nem de economia para a ela! Já disse pra que veio!
    Teremos mais 4 anos perdidos por incompetência da classe dirigente e, atualmente, sem classe alguma!
    Salve-se quem puder! Viva o Brasil!

  7. Ela pensou no presidente do bradesco, ele não pode aceitar o emprego porque já está empregado, ai ela perguntou se ele poderia sugerir algum nome como sugiro (deve ter no japão aos montes) não há então, ele indicou o seu office-boy de luxo. Como pensar que ele diz que qualquer mudança no indexador, das dívidas dos estados é inócua, mudanças no seguro desemprego reduz a rotatividade, pô se alguém ficar desempregado nessa altura do campeonato para conseguir outro será uma luta isso é se conseguir. Quer tirar a folha de pagamentos dos servidores e, passar ou melhor dar de presente para o bradesco do seu patrão, o famoso vai para e manda para cá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *