Jornal sírio diz que a Rússia já apresentou ‘provas conclusivas’ na ONU

Valter Xéu (site Pátria Latina)

Khalil Harb, do jornal As-Safir,  confirmou ao jornalista brasileiro Claudio Gallo, meu grande amigo, o que foi publicado há dois dias, em árabe, citando uma fonte russa.

Segundo a fonte, o embaixador da Rússia no Conselho de Segurança da ONU, Vitaly Churkin, já apresentou provas conclusivas (documentos e imagens de satélites russos) de dois foguetes carregados com produtos químicos, disparados de Douma, área ocupada pelos ‘rebeldes’ sírios, que explodiram em East Ghouta.

Morreram ‘rebeldes’, além de civis – inclusive aquelas crianças que aparecem nas capas dos jornais e revistas da “imprensa-empresa” ocidental.

A prova é conclusiva, diz a fonte russa. O próprio Lavrov, ontem, já dera indicações de que havia algo importante. Por isso, precisamente, não há resolução do Conselho de Segurança da ONU contra a Síria. E por isso, precisamente, Washington não quer que os inspetores da ONU descubram coisa alguma.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Jornal sírio diz que a Rússia já apresentou ‘provas conclusivas’ na ONU

  1. Em comentário anterior eu escrevera que, americanos e russos, tinham os árabes como um povo inferior, razão pela qual se invadirem a Síria e Arábia Saudita, respectivamente, como publicado hoje, amplio esta afirmação registrando que, NEM OS ÁRABES SE RESPEITAM COMO POVO, diante desta agressão inominável, criminosa, e aterradora contra eles mesmos!

  2. Amigos …
    Se a Síria for atacada … podemos esperar ataques a Israel …
    Podemos esperar com a participação da Russia ao lado da Síria …
    Por que esta “surpresa” com o uso de armas químicas? A ONU e mais 181 países manifestaram-se contra as bombas de fósforo jogadas na população palestina, na Faixa de Gaza. Estas bombas são proibidas em todos os Tratados Internacionais. Mas Israel jogou e … pronto, não se fala mais nisso. Há muita hipocrisia nesta questão. Todos jogam bombas químicas em todos, desde a primeira guerra mundial tem sido assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *