Judicirio e Ministrio Pblico pem Temer no fio da navalha na anistia ao caixa 2

Resultado de imagem para caixa dois charges

Charge de Ivan Cabral (ivancabral.com)

Pedro do Coutto

O ttulo recorre ao romance famoso de Somerset Maugham, adaptado para o cinema na dcada de 50, que, a meu ver, pode interpretar bem a situao a que est sendo conduzido o presidente Michel Temer no estranho episodio da tentativa de anistiar os culpados por terem recebido doaes polticas fornecidas atravs do famoso Caixa Dois. O Caixa Dois, no fundo, tornou-se uma nuvem para encobrir do sol a principal forma de corrupo que atingiu o pas, levando Operao Lava Jato.

O tema est plenamente focalizado nas reportagens de Isabel Braga, Letcia Fernandes, Evandro boli e Jailton de Carvalho, O Globo de sexta-feira. A manobra estava urdida na Cmara Federal, mas foi bloqueada pela forte e firme reao da magistratura e da Procuradoria Geral da Repblica.

O juiz Srgio Moro, por exemplo, afirmou que a pretexto de anistiar doaes eleitorais no registradas sero igualmente beneficiadas condutas d corrupo, incluindo lavagem de dinheiro entre outras ilegalidades.

OPERAO ABAFA – Aprovado (e sancionado) tal projeto, a Operao Lava Jato perderia seus efeitos. At pessoas j condenadas teriam de ser soltas para, em liberdade, aproveitarem o produto dos roubos que praticaram, beneficiando-se a si mesmos.

Mas falei em fio da navalha. Isso mesmo. A expresso estende-se a Michel Temer porque, no caso de o Congresso vir a aprovar tal absurdo, caber a ele sancionar ou vetar a alarmante anistia. Alarmante e contraditria, sob o ngulo poltico, violadora da realidade no plano jurdico.

Por que isso? Explico. O texto, de autor oculto, includo sob a forma de emenda no projeto de Combate Corrupo, qualifica-se por si mesmo. At agora a prtica de Caixa Dois considerada crime. Deixaria de ser com a sinuosa anistia. Porm, voltaria condio de crime daqui para frente. Ora, desnecessrio sublinhar a duplicidade do conceito legal, absolver os criminosos existentes, voltar a condenar os criminosos desta data em diante.

TEMER VETAR? – Mas qual o motivo da matria conduzir o presidente Michel Temer atmosfera do clssico de Somerset Maugham? Simplesmente pelo fato de representar uma bomba em suas mos.

Se viesse a sancionar o projeto, portanto transformando-o em lei, a reao contra ele seria intensa, muito mais intensa (e densa) do que a atmosfera que marcou as demisses de Romero Juc, Henrique Eduardo Alves e, agora, a de Geddel Vieira Lima. Se vetar, em decorrncia da presso do Judicirio e do Ministrio Pblico, em acordo com a populao brasileira, entrar em choque com sua base parlamentar integrada por diversos personagens claramente vinculados ao mar de corrupo que inundou o convs da Petrobrs e abriu um rombo nas finanas pblicas do Estado do Rio de Janeiro.

EM CAUSA PRPRIA – Os parlamentares defendem a anistia porque os livrar dos respectivos processos judiciais. Assim, esto nitidamente agido escandalosamente em causa prpria.

Em causa prpria e alm da lei, chancelando uma ruptura com a moral e a tica. So aliados incmodos de Michel Temer, que se tornaria ainda mais prisioneiro dos falsos amigos no Palcio do Planalto. A reao da plancie abalaria os obstculos do poder que ainda se mantm sua volta.

Para Temer, foi melhor – acentuo – rejeitar o projeto agora do que ter de vet-lo depois.

2 thoughts on “Judicirio e Ministrio Pblico pem Temer no fio da navalha na anistia ao caixa 2

  1. O grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO analisa o Projeto de Lei de Anistia de Caixa 2 , que tramita no Congresso, que parece atingir +- 90% dos Partidos/Polticos Brasileiros.

    Ora, se Caixa 2 era CRIME antigamente, e abrangia +- 90% dos Operadores Polticos, porque a Justia Eleitoral no Punia?
    Responder-me-eis: Porque difcil Provar.
    Mas se era difcil Provar antes, mais ainda vai ser difcil Provar daqui para a frente.

    O que seria necessrio era fazer uma REFORMA POLTICA, simplificando. barateando e aumentando enormemente nossa REPRESENTATIVIDADE, de tal forma que a Vontade do POVO chegue facilmente na Administrao Pblica.

    Para resolver nosso Problema Poltico, no adianta atuar nas Consequncias, temos que atuar nas CAUSAS.

    O resto discutir o sexo dos Anjos, e sem ESTABILIDADE POLTICA no voltaremos a crescer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.