Judiciário trabalhista entrando na rota do inferno

Roberto Monteiro Pinho

Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) revelam que tribunais e varas de todo o país precisaram de R$ 33,5 bilhões no ano passado (2008), para garantir a prestação do serviço. Em 2007, a despesa foi de R$ 29,2 bilhões, e os custos com a folha de pagamento dos servidores do judiciário foram os mais expressivos dos últimos anos, cerca de R$ 29,5 bilhões foram gastos com pessoal, ou seja: 88% do total da despesa do judiciário. Em comparação ao número de habitantes, o Judiciário gastou R$ 177,04 por brasileiro em 2008. No ano anterior, foi registrado o custo de R$ 158,87 por habitante, embora os gastos e a demanda tenham aumentado, o número de juízes se manteve praticamente o mesmo: em 2007, havia 15.623 profissionais. No ano seguinte, 15.731. O número atual de juízes é considerado baixo – 7,78 por grupo de 100 mil brasileiros.

De acordo com estudos realizados pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Eedi) a taxa de crescimento da força de trabalho diminuirá pela metade no Brasil, nos próximos 15 anos, “(…) em conseqüência da ampliação do peso dos trabalhadores mais velhos na sua composição”. A informação tem ao aval de outro estudo realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), sobre o comportamento do mercado de trabalho no grupo de países que formaram em tempos recentes a sigla “BRIC”, ou seja, Brasil, Rússia, Índia e China – as quatro maiores economias em desenvolvimento. O quadro aponta para o crescimento econômico do grupo que em 2000-2005 levou à criação de 22 milhões de empregos, no entanto registrou elevado índice de postos de trabalhos existentes na informalidade, que representa o altíssimo índice de 45% do emprego total no Brasil.
Já segundo o Eedi, as taxas de desemprego permanecem elevadas em todos os quatro países, embora sejam mais altas no Brasil, que atinge 9%, enquanto na Rússia é de 7,9%, na China 8,3% e na Índia 6,0%, estas duas últimas na área urbana. Existe registro de que em “outubro de 2003, existiam no Brasil 10.525.954 pequenas empresas não agrícolas, das quais 98%, ou seja, 10.335.962 pertenciam ao setor informal e ocupavam 13.860.868 pessoas, enquanto o aumento dos postos de trabalho nas empresas informais foi de cerca de 8% no mesmo período. Entre as unidades da federação, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia e Rio Grande do Sul concentravam, juntas, 57,6% das empresas do setor informal de todo o País”. Todo este elenco de informações sinaliza que somente um judiciário equilibrado, com regras rígidas e avessas a inovações teatro/jurídicas de atores da JT, monocráticos, que se consistiram em verdadeiros vilões dos pequenos formais e micros e pequenos empregadores, poderá contribuir para estancar este fenômeno social.

Atento a este sinalizador social, o legislador brasileiro, veio através da Lei Complementar 123/06, que instituiu o Estatuto Nacional das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, já alterada pela Lei Complementar 127/07, colocar ponto final nesta questão. A idéia é a de “(…) prescrever e fazer vigorar normas que incentivam as próprias sociedades empresárias e aos próprios empresários a saírem da informalidade, o mesmo, obviamente, deverá ocorrer com os trabalhadores que vivem nesta mesma situação. A nosso ver, tudo é muito louvável, mas os efeitos somente serão vistos e sentidos num futuro não muito próximo”, ou melhor, hoje, terminantemente, sem a colaboração dos integrantes do judiciário trabalhista, nada será alcançado. Isto equivale comparar que diante do incêndio, o evento passa a soprar com maior veemência, e por isso a JT, não pode ser em absoluto um componente terminal para esses micros e pequenos empregadores.

Tudo indica que o judiciário trabalhista está se colocando com entrave a este sinalizador, em nada está colaborando, e por isso entra na rota do inferno dos milhões de processos mofando em suas dependências, mais da metade com execuções complexas e sem previsão de solução, satisfazendo de forma vestal, mais o INSS com seus cálculos extrapolantes, que propriamente o empregado. Visto tecnicamente ao que nos parece, a solução para este triste, inquestionável e inegável desamparo ao trabalhador brasileiro propugna, por uma conscientização de toda a sociedade brasileira, bem como a reestruturação de alguns institutos legais vigentes (leis dúbias que dão margem à criação de decisões nocivas ao direito), inclusive a CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, já que o hipossuficiente de 1943, ainda carece de certos e úteis tratamentos diferenciados, um deles o “jus postulandi”, que infelizmente no judiciário trabalhista tido como oxigênio para os litigantes, não tem a inteligência dos seus integrantes nesta focada nesta ordem.

Um desses malogros, tem origem na Amatra 3 (MG), proposta por demais discricionária, de acordo com o documento no capitulo de execução, acrescenta no texto da reforma trabalhista, a “Eliminação da possibilidade de interposição de recurso de revista ou de recurso extraordinário na fase de execução de sentença, inclusive no processo incidente de embargos de terceiro”, e “Criação da Certidão de Regularidade dos Débitos Trabalhistas, a ser expedida pela Justiça do Trabalho, a ser exigida como condição de participação em qualquer licitação pública ou para a obtenção de empréstimos em órgãos financeiros públicos ou de incentivos fiscais etc”. Esta proposta é um contra-senso, já que a entidade tem se posicionado frontalmente contra a adoção de processo seletivo das empresas para admissão de empregados, confrontando sua ficha de ações na justiça do trabalho.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Judiciário trabalhista entrando na rota do inferno

  1. Justiça trabalhista e em geral é uma vergonha, os magistrados não tem a mínima preocupação com o tempo, se ainda estiver vivo pode o cidadão talvez possa receber seus direitos, caso contrário fica para a viúva, isto é um deboche com o cidadão/trabalhador/contribuinte, esta justiça que existe no Brasil é uma piada.

Deixe uma resposta para Roberto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *