Juiz que mandou prender Queiroz diz que Flávio Bolsonaro liderava organização criminosa

Flávio Itabaiana, em seu gabinete no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro Foto: Felipe Cavalcanti / TJ-RJ

Flávio Itabaiana Nicolau é um juiz rigoroso, mas avesso a polêmicas

Jorge Vasconcellos
Correio Braziliense

As investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro que resultaram na prisão do ex-assessor Fabrício Queiroz, na quinta-feira (18/02), apontam o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) como “líder” de uma organização criminosa que operava em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), à época em que ele era deputado estadual e cometia crimes de peculato na prática da “rachadinha” – desvio de salários dos funcionários.

Queiroz é apontado como operador do esquema, cujos repasses teriam alcançado R$ 2 milhões entre abril de 2017 a dezembro de 2018.

DISSE O JUIZ – Na ordem que assinou para as prisões de Fabrício Queiroz e sua mulher, Márcia de Oliveira Aguiar, o juiz Flávio Itabaiana aponta que, conforme conclusões da Promotoria, “as movimentações bancárias atípicas e o contexto temporal na quais foram realizadas resultam em evidências contundentes da função exercida por Fabrício José Carlos de Queiroz como operador financeiro na divisão de tarefas da organização criminosa investigada, tanto na arrecadação dos valores desviados da Alerj quanto na transferência de parte do produto dos crimes de peculato ao patrimônio familiar do líder do grupo, o então deputado estadual Flávio Nantes Bolsonaro”.

Preso pela Polícia Civil de São Paulo em Atibaia (SP), em uma propriedade do advogado Frederick Wassef, que assiste Flávio e também o presidente Jair Bolsonaro, Queiroz pagou as mensalidades das escolas das filhas do senador e fez, ao menos, um depósito de R$ 25 mil pessoalmente na conta da mulher do parlamentar, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro.

DESPESAS PESSOAIS – “Queiroz não se limitava à arrecadação dos valores junto aos demais assessores, já que o aludido investigado também transferia parte dos recursos para o patrimônio familiar do ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro, mediante depósitos bancários que ocorriam de forma fracionada em valores menores e pagamentos de despesas pessoais”, afirma o juiz em um trecho da decisão.

8 thoughts on “Juiz que mandou prender Queiroz diz que Flávio Bolsonaro liderava organização criminosa

  1. Tudo ladrão de galinhas. Milicianos de baixo nível. As rachadinhas eram consensuais. E as práticas ilícitas nas favelas? Ainda vão chegar lá. Quem poderia falar sobre o assunto séria o braço armado dos Bolsonaros, o Adriano.

  2. O Brasil perdeu mais uma vez.
    Se o PR tivesse realmente com a verdade citada na Biblia; teria ‘fechado’ com seu clã e pago o que devia e realmente ficaríamos livres dos hediondos corruptos pois ninguém teria coragem de por as ‘manguinhas de fora’ após o PR ter imolado o filho para o bem do Brasil.
    Uma infelicidade que custou pelo ‘pacto com os demonios’; o projeto anticorrupção do Ministério da Justiça ir para a lata do lixo da história.
    Vamos ter que deixar para as novas gerações a tarefa de transformar o Brasil em uma Nação Democrática na acepção integral da palavra e não esta democracia de só para alguns em detrimento de milhões.

  3. O Rio jamais foi e jamais será dominado por estas denominaçoes que tu te referes.
    O Rio tem uma história grandiosa e, para início de conversa e para seu governo, o Rio foi fundado à flexão e fogo, e seu povo reconhece e homenageia seus fundadores, em especial o principal: Estácio de Sá que morreu flexão.
    O Rio é cosmopolita, e tem algo inigualável como sua beleza esplendorosa como se.fosse o strip tease da natureza.
    Dobre a língua para falar do Rio do Clube de Regatas Vasco da Gama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *