Juiz rejeita a denúncia contra Valdirene, a protegida de Aldemir Bendine

Bendine imitou Lula e bancou sua amante com recursos públicos

Deu no Estado de Minas

A Justiça Federal em São Paulo rejeitou denúncia contra a socialite Valdirene Aparecida de Marchiori, a Val Marchiori, acusada pela Procuradoria da República por crime do colarinho branco. Segundo a acusação, Marchiori em 2013 obteve, “de forma livre e consciente, mediante fraude”, financiamento oriundo do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES-PSI) em valor equivalente a R$ 2,79 milhões.

Em sentença de oito páginas, porém, o juiz Silvio Luís Ferreira da Rocha, da 10.ª Vara Federal Criminal, anotou que “não se pode admitir a propositura de ação penal desprovida dos pressupostos mínimos necessários”. Silvio Rocha classificou de “atípica a conduta” atribuída à Marchiori e destacou a “ausência de justa causa”.

O juiz também rejeitou denúncia contra outros dois acusados pelo Ministério Público Federal – um irmão de Marchiori, Adelino Marcos de Marchiori, e Alexandre de Melo Canizella, à época gerente geral do Banco do Brasil de uma agência na zona sul de São Paulo.

MEDINTE FRAUDE

A Procuradoria acusou Marchiori de violação do artigo 19 da Lei 7492/86 – obter, mediante fraude, financiamento em instituição financeira; pena de reclusão de dois anos a seis anos e multa.

A denúncia relatava que no dia 18 de julho de 2013, Marchiori, na condição de administradora da empresa Torke Empreendimentos e Participações Ltda, formalizou Proposta de Abertura de Crédito – PAC -, junto ao Banco do Brasil, instituição credenciada no BNDES, com objetivo de obtenção de financiamento destinado à aquisição de 5 caminhões e 5 semirreboques (carroceria fechada).

A Procuradoria apontou “flagrante utilização de manobras, por parte da denunciada, as quais terminaram por macular por completo a sua conduta”.

JUIZ REJEITA

“Considerado que não houve fraude, atípica a conduta imputada aos denunciados”, decidiu o juiz federal. “Afigura-se, no caso, a situação de ausência de justa causa para a instauração da ação penal, isto é, de suporte probatório mínimo que deve lastrear toda e qualquer acusação penal.”

Silvio Rocha argumentou, ainda, que “embora o tipo não exija a configuração de prejuízo, não houve qualquer abalo ao patrimônio da instituição (Banco do Brasil) ou ao próprio Sistema Financeiro Nacional”.

Segundo o magistrado, “diversamente do que consta da exordial (denúncia) não é possível vislumbrar em que medida houve indução ao erro ou engodo, já que os fatos eram de conhecimento prévio da instituição financeira”.

“Para que seja caracterizada a falsidade ideológica é imprescindível que a finalidade da declaração seja prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante, o que também não se vislumbra”, assinalou o juiz federal.

A denúncia apontou a participação de Adelino Marcos de Marchiori, irmão de Val, sócio administrador da empresa Veloz Empreendimentos Participações e Administração de Bens.

“Para que pudesse desempenhar as atividades de transporte de sua empresa, Adelino necessitava dos instrumentos adequados. Buscou informações acerca dos requisitos necessários à obtenção de financiamento junto ao BNDES, o qual viabilizaria a aquisição de cavalos mecânicos e carretas e, em consequência, o apropriado desenvolvimento das atividades da empresa Veloz.”

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Esta matéria, enviada pelo comentarista Wilson Baptista Jr., necessita de tradução simultânea. A denúncia foi mal feita pelo Ministério Público. Não adianta processar Valdirene por fraude, se o Banco do Brasil diz que não foi fraudado, que a operação é normal etc. e tal, embora a espalhafatosa Valdirene tenha usado parte do dinheiro para comprar um carro esporte Porsche. Se a denúncia tivesse sido contra o Banco do Brasil e seu então presidente Adelmir Bendine, que não só mandou liberar o financiamento como também patrocinou com dinheiro do BB a carreira “artística” da amante, certamente o juiz teria postura diversa. Apesar dessa folha corrida, Bendine virou presidente da Petrobras e agora, segundo o blog “O Antagonista”, vai presidir a empresa Cielo, um sociedade do Banco do Brasil com o Bradesco, vejam até onde chega o poder do generoso amante da Val. (C.N.)

6 thoughts on “Juiz rejeita a denúncia contra Valdirene, a protegida de Aldemir Bendine

  1. É a cara do Brasil, a IMPUNIDADE, se fosse o cidadão comum teria que prestar contas e pagar juros cobrados como qualquer trabalhador que pega empréstimos, é inacreditável, esta senhora ainda goza da cara do povo brasileiro, justiça quê justiça!

  2. …bem, os peticionantes não devem ser amadores; pode ter havido apenas uma encenação, que também não é cabível/compatível com uma causa Jurídica; quanto às personagens Val & Rose, a “grobo” poderia aproveitar para uma novela em horário nobre, incluindo, claro os respectivos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *