Juíza do processo do tríplex é conhecida pelo rigor técnico

Charge do Jader, reprodução de O Correio

Flávio Ferreira e Rogério Pagnan
Folha

Conhecida pela discrição e pelo rigor técnico, a juíza titular da 4ª Vara Criminal da capital, Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, já relatou a colegas do Fórum da Barra Funda sua preocupação com a superexposição do pedido de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que julgará nos próximos dias. Juízes e promotores dizem que a magistrada tem perfil de quem não cede a pressões e apostam que ela levará alguns dias para terminar o exame dos 36 volumes da denúncia contra Lula, já que é muito cuidadosa na análise das causas.

Segundo uma colega de fórum, na quinta-feira, após receber os autos, a juíza Maria Priscilla Oliveira fechou as janelas da sala onde trabalha para preservar sua privacidade profissional.

Formada em 1995 pela Faculdade de Direito da USP (Largo São Francisco), ela completará no fim de março 17 anos na magistratura. Antes de chegar à etapa final da carreira de primeira instância, como juíza titular de uma vara da capital, a magistrada atuou nas cidades de Mogi das Cruzes e Embu.

PROMOTOR

O promotor Cassio Roberto Conserino, 41, principal responsável pela denúncia contra Lula, tem “grandes brigas” no currículo, que incluem Palocci, pedófilos e criminosos do PCC.

Filho de promotor aposentado, o paulistano Conserino ingressou na carreira em 2000. Segundo colegas, não tem nenhuma ligação política partidária. É tido com “competente e corajoso”.

Em 2003, em Porto Ferreira, denunciou uma rede de pedofilia formada por políticos e empresários. No mesmo ano, participou em Ribeirão Preto de um grupo que investigou esquema de corrupção na prefeitura, na gestão do petista Antonio Palocci Filho. Um dos esquemas envolvia o suposto pagamento de propina de R$ 50 mil mensais a Palocci, que seria repassada ao PT.

3 thoughts on “Juíza do processo do tríplex é conhecida pelo rigor técnico

  1. No Yahoo: Truque de Lula: usar a denúncia do triplex para esvaziar juridicamente Moro – – Claudio Tognolli
    Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entraram com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) que, caso aceito, resultará no afastamento do juiz federal Sérgio Moro e da força-tarefa da Operação Lava-Jato da investigação. O recurso foi apresentado contra decisão liminar da ministra do STF Rosa Weber. Na sexta-feira, ela negou pedidos feitos pela defesa para suspender as medidas da Operação Aletheia, nome dado para a 24ª fase da Lava-Jato. A ministra também negou o pedido para suspender as investigações do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) sobre um apartamento triplex no Guarujá (SP) e um sítio em Atibaia (SP) . Há truques nisso, vou te explicar. Os advogados de Lula sustentam que,há um conflito de competência entre os diferentes órgãos do Ministério Público: estariam apurando os mesmos fatos. A ministra Weber fixou que a força tarefa do MPF que cuida da Lava-Jato e o MPSP estão investigand o mesmo objeto, “ mas sob perspectivas diferentes”. Reagindo a isso, a defesa de Lula volta alegar que os fatos são os mesmos, “ não sendo possível falar em perspectivas diversas”. Dizem que “ não há razão para o MPF no Paraná – ou seja, a força-tarefa da Lava-Jato nâo pode investigar imóveis privados localizados em São Paulo, o que caberia ao Ministério Público estadual paulista”. Esse é o truque de Lula: alegar que a denúncia oferecida ontem pelo promotor Cássio Conserino, sobre o tríplex, invalida as investigações de Moro.

  2. Faltou a atuação do Dr. Conserino na Praia Grande…. Ele acabou com metade das bocas de fuma e com 80% dos jogos de azar… Certa vez ele pediu à polícia para fazer uma diligência perto do bairro do jóquei que é mais pesado que muitos morros do Rio, a polícia disse que não iria aquela hora pois era risco. Ele foi a frente dos policiais…

    É super querido pela população de lá.

  3. Caro Jornalista,

    -É o que sempre digo: UM PAÍS SEM JUSTIÇA NÃO PODE SER CONSIDERADO UM LUGAR CIVILIZADO, pois é a justiça, por meio dos seus magistrados, que diz o que é certo e o que é errado, o que é do Júlio e o que é do César.
    -Sem justiça, não passamos de um bando de animais selvagens, de um bando de cães, onde, ao se jogar um pedaço de carne no quintal, o animal mais forte toma a própria parte e a que, civilizadamente, caberia ao mais fraco.

    -Quem sabe agora, apesar da Árvore do Poder Judiciário ter permanecido HIBERNANDO durante os últimos 500 anos na ESTAÇÃO DO INVERNO DA CORRUPÇÃO E DA PROMISCUIDADE, esses pouco brotos de despontam no CAULE RESSEQUIDO do Estado, em tribunais espalhados aqui e acolá , não produzem novas folhas e se transformam em caules frondosos de maneira a tornar este país MENOS CRUEL para os mais pobres da próxima geração?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *