Juízes para a Democracia defendem responsabilização de Roberto Alvim

Ex-secretário especial da Cultura parafraseou discurso de Goebbels

Luiz Vassallo
Pedro Prata
Fausto Macedo
Estadão

A Associação Juízes Para a Democracia cobrou, nesta sexta-feira, dia 17, a responsabilização civil, administrativa e criminal, do ex-secretário Nacional de Cultura Roberto Alvim. Segundo a entidade, que reúne magistrados ativistas, o presidente Jair Bolsonaro foi ‘contraditório’ ao demitir Alvim já que seu governo ‘flerta continuamente com políticas totalitárias’.

Em vídeo em que anuncia o Prêmio Nacional das Artes, Alvim, citou textualmente trechos de um discurso do ideólogo nazista Joseph Goebbels. No mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a demissão do secretário nacional de Cultura e declarou ‘repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas‘.

“INACEITÁVEL” – “O pronunciamento oficial de um secretário de Estado, reproduzindo, em forma e conteúdo, a política de propaganda de um regime totalitário, mundialmente repudiado pelos prejuízos causados à humanidade, é inaceitável”, reage a AJD.

Segundo a entidade, presidida pela juíza Valdete Souto Severo, afirma que a ‘ação da Presidência da República, demitindo o referido secretário, constitui, no máximo, um sinal contraditório de um governo, cujas ações flertam continuamente com políticas totalitárias como o extermínio de populações periféricas e indígenas; intolerância com a população LGBT; censura do pensamento de oposição e destruição do ambiente’.

###
NOTA PÚBLICA

O pronunciamento oficial de um Secretário de Estado, reproduzindo, em forma e conteúdo, a política de propaganda de um regime totalitário, mundialmente repudiado pelos prejuízos causados à humanidade, é inaceitável.

A ação da Presidência da República, demitindo o referido secretário, constitui, no máximo, um sinal contraditório de um governo, cujas ações flertam continuamente com políticas totalitárias como o extermínio de populações periféricas e indígenas; intolerância com a população LGBT; censura do pensamento de oposição e destruição do ambiente.

A AJD repudia o pronunciamento feito pelo Secretário de Cultura e bem assim a política que vem sendo feita pelo atual governo. Além disso, exige que as instituições responsáveis pela garantia da democracia promovam a responsabilização civil, administrativa e criminal de Roberto Alvim.

ASSOCIAÇÃO JUÍZES PARA A DEMOCRACIA

22 thoughts on “Juízes para a Democracia defendem responsabilização de Roberto Alvim

    • O Estadão já está dando sinal de cansaço com a alma mais honesta deste mundo. Aqui o Editorial de 07/01/2020 do jornal.

      Stephen Kanitz…
      “Como tantos foram enganados por tanto tempo por tão poucos

      A esquerda no Brasil é extremamente pequena.
      Não passam de 1 milhão de intelectuais frustrados, jornalistas jovens e inexperientes, professores universitários preguiçosos e jovens arrogantes que acham já capazes de salvar o mundo.
      A direita é dezena de vezes maior, composta por 5 milhões de empreendedores, 8 milhões de profissionais liberais, 12 milhões de supervisores, contramestres, operadores logísticos que produzem todo dia bens e serviços para a sociedade .
      Por isso não tem tempo para se dedicarem de segunda a sexta ao esquerdismo, quando protestam é no domingo .
      A família Mesquita que controla pelo menos o editorial do Estadão escreve hoje leitura obrigatória:
      “O impeachment da presidente Dilma Rousseff será visto como o ponto final de um período iniciado com a chegada ao poder de Luiz Inácio Lula da Silva.
      Quando a partir de 2003, a consciência crítica da Nação ficou anestesiada.
      A partir de agora (recusam citar Bolsonaro ), será preciso entender como foi possível que tantos tenham se deixado enganar por um político que jamais se preocupou senão consigo mesmo, com sua imagem e com seu projeto de poder
      Por um demagogo que explorou de forma inescrupulosa a imensa pobreza nacional para se colocar moralmente acima das instituições republicanas.
      Por um líder cuja aversão à democracia implodiu seu próprio partido, transformando-o em sinônimo de corrupção e de inépcia.
      De alguém, enfim, cuja arrogância chegou a ponto de humilhar os brasileiros honestos, elegendo o que ele mesmo chamava de “postes”.
      Nulidades políticas e administrativas (como economistas como Dilma, Mantega, Coutinho, Barbosa, Gabrielli, Mercadante, Haddad, Buarque) que ele alçava aos mais altos cargos para demonstrar o tamanho e a estupidez de seu carisma.
      Muito antes de Dilma ser apeada da Presidência já estava claro o mal que o lulopetismo causou ao País.
      Com exceção dos que ou perderam a capacidade de pensar ou tinham alguma boquinha estatal, os cidadãos reservaram ao PT e a Lula o mais profundo desprezo e indignação.
      Mas o fato é que a maioria dos brasileiros passou uma década a acreditar nas lorotas que o ex-metalúrgico contou para os eleitores daqui.
      Fomos acompanhados por incautos no exterior.
      Raros foram os que se deram conta de seus planos para sequestrar a democracia e desmoralizar o debate político, bem ao estilo do gangsterismo sindical que ele tão bem representa. (Assistam O Irlandês no Netflix)
      Lula construiu meticulosamente a fraude segundo a qual seu partido tinha vindo à luz para moralizar os costumes políticos e liderar uma revolução social contra a miséria no País.
      Quando o ex-retirante nordestino chegou ao poder, criou-se uma atmosfera de otimismo no País.
      Lá estava um autêntico representante da classe trabalhadora, um político capaz de falar e entender a linguagem popular e, portanto, de interpretar as verdadeiras aspirações da gente simples. (Como Obama)
      Lula alimentava a fábula de que era a encarnação do próprio povo, e sua vontade seria a vontade das massas.
      O mundo estendeu um tapete vermelho para Lula.
      Era o homem que garantia ter encontrado a fórmula mágica para acabar com a fome no Brasil e, por que não? bastava, como ele mesmo dizia, ter “vontade política”.
      Simples assim.
      Nem o fracasso de seu programa Fome Zero nem as óbvias limitações do Bolsa Família arranharam o mito.
      Em cada viagem ao exterior, o chefão petista foi recebido como grande líder do mundo emergente.
      Mesmo que seus grandiosos projetos fossem apenas expressão de megalomania, mesmo que os sintomas da corrupção endêmica de seu governo já estivessem suficientemente claros, mesmo diante da retórica debochada que menosprezava qualquer manifestação de oposição.
      Embalados pela onda de simpatia internacional, seus acólitos chegaram a lançar seu nome para o Nobel da Paz e para a Secretaria-Geral da ONU.
      Nunca antes na história deste país um charlatão foi tão longe.
      Quando tinha influência real e podia liderar a tão desejada mudança de paradigma na política e na administração pública, preferiu os truques populistas.
      Enquanto isso, seus comparsas tentavam reduzir o Congresso a um mero puxadinho do gabinete presidencial, por meio da cooptação de parlamentares, convidados a participar do assalto aos cofres de estatais.
      A intenção era óbvia: deixar o caminho livre para a perpetuação do PT no poder.
      O processo de destruição da democracia foi interrompido por um erro de Lula:
      julgando-se um kingmaker, escolheu a desconhecida Dilma Rousseff para suceder-lhe na Presidência e esquentar o lugar para sua volta triunfal quatro anos depois.
      Pois Dilma não apenas contrariou seu criador, ao insistir em concorrer à reeleição, como o enterrou de vez, ao provar-se a maior incompetente que já passou pelo Palácio do Planalto.
      Assim, embora a história já tenha reservado a Dilma um lugar de destaque por ser a responsável pela mais profunda crise econômica que este país já enfrentou, será justo lembrar dela no futuro porque, com seu fracasso retumbante, ajudou a desmascarar Lula e o PT.
      Eis seu grande legado, pelo qual todo brasileiro de bem será eternamente grato.

    • Werneck, já que vc insiste em manter esse trecho fora de contexto, eu posto aqui o link da matéria com o trecho completo:

      http://www.e-farsas.com/lula-disse-em-entrevista-a-playboy-em-1979-que-admirava-hitler.html

      O trecho diz claramente:

      “Lula – Por exemplo… O Hitler, mesmo errado, tinha aquilo que eu admiro num homem, o fogo de se propor a fazer alguma coisa e tentar fazer.
      Playboy – Quer dizer que você admira o Adolfo?
      Lula – [enfático] Não, não. O que eu admiro é a disposição, a força, a dedicação. É diferente de admirar as idéias dele, a ideologia dele.”

      Vc perdeu, Werneck…

      • Pelo que me lembro isso foi depois de o reporter ter dado a encochada e ele sabidamente pescou e se esquivou muito mal e porcamente, fez pior que o besta do secretario, ou se alivia pro lula e não se alivia pro secretario?

      • Francamente, não é preciso recorrer a Hitler para escolher exemplos de “disposição, força e dedicação”. Há exemplos melhores e mais dignos. No campo esquerdo, Lenin seria um exemplo muito melhor disso tudo.
        Inclusive porque Hitler,não era exatamente nenhum modelo de “disposição, força e dedicação”. O partido de Hitler esteve à beira do colapso em 1931/1932, quando uma parte da SA, a milícia camisa-parda, se rebelou contra as regalias dos chefões do partido – a chamada revolta de Stennes, e com a briga interna entre a ala de Hitler e a ala “esquerdista” dos irmãos Gregor e Otto Strasser (que tiveram um forte papel em atrair as massas alemãs para o nazismo), e só chegou ao poder por conta da miopia política de políticos como Franz von Papen e Alfred Hugenberg, que pensavam que podiam manipular o líder nazista.

  1. Concordo com tudo que o prezado João Amaury Belem escreveu.
    Lula e PT estão desmoralizado pelo mal que fizeram ao país, a cúpula dos integrantes do PT foi condenada, só não continuaram presos graças a alguns ministros do STF.que aprovaram que o criminoso só pode ser preso após o transito em julgado.
    Mas, tudo isso é passado, vivemos o presente, o que importa saber é se o governo atual tem projetos para melhorar a economia, a saúde, a Previdência Social, a segurança, o emprego, o combate a corrupção, independentemente da ação da Lava Jato, a educação e uma política externa de interesse do Brasil.

    • Pelo que me lembro até ontem tavão falando de militarismo golpe militar, e agora tão querendo tratar o dia de ontem como passado longínquo, tá de sacanagem, até ontem o pais tinha um futuro um projeto um norte a seguir, ah isso é que é piada

  2. Roberto Alvim só foi demitido porque citou a frase de Joseph Goebbels, numa demonstração da sua linha política na Cultura, como a pressão foi muito grande, foi obrigado a ser demitido, caso contrário iria continuar na mesma linha política da direita radical adotada pelo governo.

  3. Cade essa açociação pedindo uma condenação a altura dos celerados que desgovernam essa nação nos últimos 30 anos, e pra não ficar no lula pt, vamos de temer pmdb, aecim psdb, tem agora o da Paraiba, que nem sei o nome, então que essa associação vá…….

  4. O espírito do Conde Vlad continua me atormentado, ‘Vai lá Marreta®, mande empalar todos desse governo, do chefe até o faxineiro. Globo, Estadão e Folha já estão na engajados, falta essa Tribuna aí, se você conseguir cooptá-la quando chegar aqui no Inferno terá o seu galardão, que vai ser maior ainda que o do Lula.’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *