Justiça trabalhista é um carro sem freio descendo a ladeira

http://3.bp.blogspot.com/-DVCS7ZesInk/USqg3JsuMhI/AAAAAAAABYI/HM83S8p13Xc/s1600/charge.jpg

Roberto Monteiro Pinho                         

O Judiciário trabalhista se transformou num pandemônio, com sucessivos erros graves na sua administração, péssima conduta dos seus magistrados e serventuários. Isso tudo, diante da miopia do governo federal, até porque a este interessa o atual status da especializada, a morosidade lhe é aprazível, eis que o poder público e as estatais respondem com o inimaginável percentual de 82% dos processos.

Este segmento laboral, data maxima venia, só atende a dois senhores: seus integrantes e o governo, esse último, através das suas estatais, as execuções fiscais, e também as ações públicas de serventuários. Se não paga ninguém, quando perde, após recorrer dezenas de vezes, o poder público deixa a ação cair em precatório. O que se constitui uma faceta, não condizente com a essência da ação trabalhista, péssimo exemplo, porque trabalhador não se alimenta de papel.

Enquanto o governo não honra seus compromissos, perduram nessa Justiça, as expressões difíceis, as sessões secretas, as cancelas e muros, o aparato, o corporativismo, tudo em flagrante prejuízo aos cidadãos. O resultado reflete na lentidão, e na balburdia que se encontra a Justiça do Trabalho.

EXEMPLO DA ESPANHA

Alerto que a situação poderá se agravar caso ocorra basta uma crise econômica. Vale lembrar que a Espanha, país que até o estouro da bolha imobiliária de 2008, vivia um milagre econômico, com uma legislação laboral exemplar, associou causa efeito, e nada menos de 6 milhões de espanhóis procuravam emprego no país no terceiro trimestre de 2011.

Se este for o paradigma da reforma trabalhista em curso no Congresso brasileiro, ela tomará um caminho diferente, a exemplo à aprovação da PEC da Terceirização (PC 4330/2004), e mesmo que superada a barreira das Centrais Sindicais será preciso, podar a ingerência da entidade classista dos juízes trabalhistas, Anamatra, cujos arroubos jurídicos são de cunho corporativo e reserva de mercado, eis que em causa própria, protege o estável emprego público como principal interesse de classe.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Justiça trabalhista é um carro sem freio descendo a ladeira

  1. Esta matéria só vem respaldar o que aconteceu na “SEMANA NACIONAL DE EXECUÇÃO TRABALHISTA”, onde o volume conciliado não chegou a 1%, apenas alcançou quase 0,03%, ou seja, na há menor dúvida que quem participa é o setor privado, governos federal, estadual e municipal, continuam com a prática de proteleção e assim vai passando de governo a governo, chegando a mais de 20 anos de processo e uma quantidade de volumes, é um absurdo.
    Até quando a justiça trabalhista irá permitir estas manobras e até quando os magistrados das varas irão aceitar passivamente.

  2. Só a trabalhista???!!! Na verdade, TODA a justiça (propositalmente em caixa baixa) brasileira trabalha e muito… em causa própria! O espírito de corpo (corporativismo) dos magistrados e serventuários é invencível! Haja vista que, no quesito PRODUTIVIDADE DO JUDICIÁRIO, são coesos na posição CONTRA, mesmo uma causa nos Juizados Especiais (Pequenas Causas) que, teoricamente, foram criados para dar mais ‘agilidade’ ao judiciário, demorar, em média, 3 a 5 anos para ser julgada! É dura a vida de quem advoga para a ‘patuléia!’ (royalties para Elio Gaspari).

  3. A JUSTIÇA DO TRABALHO… TODOS ABSOLUTAMENTE TODOS OS JUIZES TRABALHISTAS SÃO COMUNISTAS OU SIMPATIZANTES DO COMUNISMO, ENCARAM O EMPRESÁRIO COMO UM
    —“INIMIGO DO POVO”— MASSACRAM IMPIEDOSAMENTE A ATIVIDADE ECONOMICA ATENDENDO, NA MAIORIA DAS VEZES , FALSAS QUEIXAS TRABALHISTAS E ASSIM ARRUINANDO PEQUENOS E MÉDIOS EMPREENDIMENTOS.
    A PERSEGUIÇÃO A ATIVIDADE ECONOMICA PELOS FISCAIS,PROMOTORES E JUIZES DO TRABALHO REVELAM O COMUNISMO SELVAGEM ENRUSTIDO QUE HÁ NO BRASIL .Quanto ao trabalhador de estatais ,estados e municipios, terceirizados ou não amargam anos de protelação e de recursos do “desgoverno” e estes ainda passam cínicamente os impagaveis precatorios como “pagamento” que são uma imensa ZOMBARIA contra o necessitado trabalhador.
    Agora se for um patrão domestico, um pequeno ou médio empresário estes fariseus comunistas perseguem impiedosamente e torturam com sanha cruel o infeliz pois tem ódio dos” selvagens capitalistas’ exploradores do povo”
    O Brasil do PT é a cara de Stalin .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *