Ladrões aos bandos invadem as praias do Rio com o sol por testemunha

Defensoria Pública incentiva criminalidade no Rio

Pedro do Coutto

Todos os finais de semana, tendo o sol por testemunha, bandos de ladrões invadem seguidamente os bairros de Copacabana e Ipanema, e recentemente Botafogo, a caminho do mar, pretexto que usam para roubar e agredir a torto e a direito homens, mulheres e crianças. Sábado passado se repetiu a mesma cena, apesar da presença da PM nas ruas e esquinas de acesso preferidas pelos delinquentes.

O título deste artigo, claro, está inspirado no filme francês famoso dirigido por Henry Clement. Enquanto a reação dos moradores resulta da sensação de pânico ampliada pela audácia cada vez maior dos delinquentes em geral, que, no final da semana, chegaram ao cúmulo de provocar patrulhas policiais visando afastá-las dos locais em que estavam baseadas e assim liberar o campo de ação para seus sórdidos propósitos. Por isso agem em bandos.

ARRASTÕES

A excelente reportagem de Antônio Werneck, Leonardo Sodré, Darlan de Azevedo e Emanuel Alencar, O Globo, edição de segunda-feira, destacou com vigor necessário um quadro que se repete de uma anos para cá. Hordas, na maioria menores sob comando de criminosos de maior porte, força e idade, atacam em série, apoderando-se de mochilas, bolsas, celulares, além de outros objetos portados pelas vítimas, inclusive chinelos. São milhares.

Os moradores do Posto Seis, por exemplo, torcem até para que chova nos finais de semana, uma vez que os ladrões , numa escala de 90% atacam ao sol e a partir de agora, não só pelas manhãs como ao entardecer. No final das tardes ensolaradas quando banhistas se retiram pelas areias ainda quentes e molhadas de espuma. Uma situação de descalabro que se eterniza.

TRANSPORTE PREFERIDO

A linha do ônibus 474 (Jacaré-Jardim de Alah), destacada pela reportagem de O Globo, é o transporte preferido dos bandos em sequência. A insegurança de Copacabana, Ipanema e Leblon começa e termina ao longo desse trajeto. Os motoristas já conhecem muitos ladrões que se revezam, porém nada podem fazer, além de transportá-los, temendo até cobrar-lhes as passagens. Descem aos gritos pelas janelas. No mês de setembro, o panorama se agravou. O Secretário de Segurança, José Beltrame, com suas declarações agravou a insegurança.

Referiu-se a uma decisão judicial requerida, vejam só, pela Defensoria Pública, determinando que a PM só poderia agir reflexivamente e não preventivamente. Um absurdo. Só poder agir depois do delito significa não atuar para impedi-loI. Isso representa exatamente expor ainda mais os moradores da zona sul e dar proteção indireta a bandidos de todas as idades.

DISTORÇÃO

Defensoria Pública. Seu compromisso deve ser com a vida e a integridade de todos, não contribuir para expor a maioria esmagadora à sanha de uma minoria que tenta viver fora da lei, como se isso fosse possível.

Se grupos numerosos descem dos ônibus carregando instrumentos de agressão consigo, tal verdade já seria suficiente para a PM agir. E não esperar que tais armas causassem as ondas de vandalismo que se sucedem. As praias e o sol compõem o cenário dos ataques sucessivos. Os moradores, entre eles os idosos, já não suportam mais os episódios de tragédias mais do que presumíveis e previstas. A PM cumpre seu papel. A Defensoria, ao invés de defender a população, indiretamente incentiva a violência, os assaltos, os furtos, os roubos, os crimes. Não faz sentido.

13 thoughts on “Ladrões aos bandos invadem as praias do Rio com o sol por testemunha

  1. No tempo que aqui era a Capital do Brasil, havia uma corporação denominada “Polícia Especial”, que usavam boinas vermelhas, eram pessoas preparadas e o quartel era localizado no Morro de Santo Antônio.

    Eram especialistas em acabar com badernas urbanas.

    Lembro que seu comandante, um coronel do Exército de nome José Claraz, quando a situação era de enfrentamento direto com os baderneiros, ordenava a seus comandados “PAU NO BURRO” (sim, pois só burro enfrentava aqueles policiais mantenedores da ordem pública) e a situação, por pior que se apresentasse, era dominada.

    Naqueles tempos, cidadãos e cidadãs podiam caminhar pela cidade a qualquer hora do dia e da noite, pois as autoridades achavam que A CIDADE É DO CIDADÃO E NÃO DO DELINQUENTE!

    O correr do tempo me provou que para acabar com a BADERNA o remédio mais eficiente é a BORDUNA.

  2. E ainda têm uns bundões babacas aqui que ficam “horrorizados” quando se fala em intervenção militar novamente!! Queria ver vagabundo se criar com os militares tomando conta. Preferiria que não fosse necessário, mas na atual conjuntura, a intervenção militar com “direitos constitucionais” de alguma forma mitigados (sentirão essa mitigação apenas os vagabundos e não o cidadão de bem) é extremamente necessária. No bom português, fez merda, leva porrada mesmo!! Bem isso seria apenas teoricamente, pois na prática as forças armadas já estão corrompidas e compradas pelo PT. E quem for contra o que eu disse, danem-se e continuem tomando seu uisquinho Jack Daniels, ouvindo Chico Buarque! Hipócritas!

  3. Pelo andar da carruagem, a tendência é piorar. Darcy Ribeiro já previa que a violência iria bater nas portas dos ricos, referindo-se a zona sul numa época
    em que apenas a periferia do Rio de Janeiro, sofria mais com toda sorte de violência.
    Há muitos lugares, muitos mesmo nos subúrbios do Rio de Janeiro que não se pode entrar sem correr risco de vida. Com esse Código Penal, Código de Processo Penal, sistema
    carcerário, políticas federais, estaduais, municipais e esse Congresso, não vejo a curto,
    nem a médio prazo a diminuição da violência. Vamos carregar esse carma por longo tempo.

  4. Fico imaginando se toda essa onda de violência, criminalidade e vandalismo que assola o Rio, pelo menos há uns 15 anos, estivesse acontecendo em algum dos governos do Brizola. Veríamos gente pedindo a intervenção federal no Estado, presenças da CIA e do FBI, e até mesmo do Mossad.

  5. A violência começou a aumentar em todos os bairros após o desgoverno Moreira Franco, capacho da Rede Globo e do narcotráfico, que prometeu acabar com a violência em 6 meses e, consequentemente, incentivou a pratica criminosa.

  6. Sr. Coutto, cita o
    Rio de Janeiro no artigo, mas deveria se estender a outras localidades onde o crime assola as cidades, tantos de arrastões como nas carnificinas diarías das cidades, (mais de 30 dias e a maior chacina do Planeta Terra já foi esquecida pela Midica Tucanizada e seus jornalistas amestrados).,m
    A Riveira de São Paulo, des-governada pelo mesmo partido há 30 anos não fica atrás dos arrastões.
    Alguns com caracteristicas de filmes Hollywoodianos, como neste video de uma grande avenida de SP….
    E o governador, onde está.???
    Onde está o carlos sampaio, o Guardião da Ètica.???

    https://www.youtube.com/watch?v=1PPrEQWxaFw

Deixe um comentário para Ricardo Sales Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *