Laudo da Perícia indica que Temer pressionou o BNDES em favor da JBS

Resultado de imagem para temer e maria silvia

Maria Silvia saiu após a gravação ser divulgada

Renata Agostini
Folha

Análise feita pela Polícia Federal da conversa que o presidente Michel Temer teve com o empresário Joesley Batista em março sugere que o peemedebista disse ao dono da JBS ter pressionado o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em favor da empresa em janeiro deste ano. Melhorias feitas no áudio da conversa, que foi gravada por Joesley secretamente, permitiram aos peritos da PF reconstituir trechos do diálogo que antes estavam inaudíveis, segundo o laudo da polícia. No encontro, Joesley afirma ter ouvido do ex-ministro Geddel Vieira Lima que houve empenho e esforço com “o BNDES e aquela operação lá”.

De acordo com trecho que os peritos da PF dizem ter recuperado agora, o presidente da República responde então ao empresário: “Sabe que eu fui em janeiro pressionar”.

MARIA SILVIA – O contexto da conversa sugere que a pressão relatada por Temer ocorreu sobre a então presidente do BNDES, Maria Silvia Marques Bastos. Isso porque, um pouco mais adiante, o peemedebista completa: “Muito recentemente eu a chamei, porque ela tá travando muito crédito”, de acordo com transcrição feita pelos peritos da PF.

“Eu chamei e ela veio me explicar”, disse Temer. Ele relata então o diálogo travado com Maria Silvia. “Aquele [ininteligível] da JBS, deu para fazer [ininteligível]?”, perguntou Temer, segundo a PF. “Nós fizemos de outro jeito que deu certo”, disse a presidente do BNDES, sempre de acordo com o que a PF afirma que Temer disse na conversa.

O encontro do presidente com Joesley Batista ocorreu no dia 7 de março deste ano no Palácio do Jaburu, em Brasília. Em 2016, a JBS anunciara um plano de reestruturação, mas teve de cancelá-lo após o veto do BNDES, cujo braço de investimentos, o BNDESpar, é sócio da JBS.

MULTINACIONAL – A intenção da família Batista era transferir a sede da empresa para a Irlanda, transformando a operação brasileira em uma subsidiária dessa companhia internacional, e lançar ações da nova JBS na Bolsa de Nova York.

O plano foi divulgado em 11 de maio de 2016, um dia antes de Michel Temer assumir a presidência interinamente, com o afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) pelo Senado. Os investidores adoraram a ideia e as ações se valorizaram em seguida.

Mas os Batista não conseguiram aval do BNDES e, no final de outubro, abandonaram o projeto. Em nota divulgada na ocasião, o banco afirmou que a proposta implicaria na “desnacionalização” da gigante de alimentos e que a vetara porque não atendia “aos interesses da companhia e de seus acionistas”.

ENCONTRO – O Banco afirmou na semana passada que Maria Silvia tratou do assunto com Temer num encontro em 24 de outubro de 2016, quando teria comunicado ao presidente a decisão de vetar a operação. Ela nega ter sofrido pressões.

As ações da JBS sofreram um baque após o veto do banco. Mas a queda no preço dos papéis foi logo recuperada com a divulgação, em 5 de dezembro de 2016, de um novo plano. A JBS anunciou no início daquele mês que sua sede permaneceria no Brasil e que, nos EUA, seriam lançadas ações de uma subsidiária, a JBS Foods International.

A Presidência da República não quis comentar os trechos recuperados pelos peritos da PF. O BNDES afirmou que o único encontro entre Maria Silvia e o presidente para tratar da mudança da sede da JBS foi o ocorrido no dia 24 de outubro de 2016. Segundo o banco estatal, não houve outra reunião com Temer sobre esse assunto.

###
CRONOLOGIA

A JBS e sua relação com Temer e o BNDES

11.mai.2016
JBS anuncia plano de reestruturação, que prevê transferência da sede para a Irlanda e abertura do capital em Nova York

12.mai.2016
Michel Temer assume a Presidência interinamente

24.out.2016
Temer discute o caso da JBS com a presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, no Rio

26.out.2016
BNDES anuncia veto à operação, e JBS anuncia que abandonou o plano

5.dez.2016
JBS anuncia novo plano de reestruturação, com lançamento de ações da subsidiária JBS Foods International em Nova York

7.mar.2017
Joesley encontra Temer no Palácio do Jaburu e grava conversa clandestinamente

16.mai.2017
Com a empresa atingida por várias operações policiais, Wesley Batista diz que adiou planos de IPO

17.mai.2017
“O Globo” revela o acordo de delação premiada dos irmãos Batista e a gravação da conversa com Temer

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEsse assunto é muito importante.Vamos voltar a ele, porque a reportagem da Folha e a denúncia da Procuradoria-Geral da República não tocaram em detalhes importantes, que necessitam ser destacados e debatidos em profundidade. (C.N.)

5 thoughts on “Laudo da Perícia indica que Temer pressionou o BNDES em favor da JBS

  1. Temer não precisa de inimigo quando entra no jogo autodestrutivo do tudo ou nada.
    Seu último pronunciamento foi suicídio. político!
    É só esperar!!!

  2. O governo Temer, com o ministro Meirelles na fazenda, compromete o futuro do trabalhador brasileiro. Essa é a principal questão.
    O Meirelles é favor da política financeira, a favor dos banqueiros, que nada produzem, vivem da produção alheia. A reforma da Previdência, como está sendo feita será um incentivo aos planos de saúde, tendo como finalidade diminuir o custo com a saúde pública.
    A presidente do BNDES foi nomeada pelo Temer, que fez tanta pressão para resolver o problema do Joesley, que a Maria Silva acabou vetando.
    Temer/Meirelles, não defendem os interesses nacionais e nem os dos trabalhadores. Este é o fator principal, que não devem mais continuar governando.
    Dizer que o Temer pressionou a presidente do BNDES, sem resultado, é procurar chifre em cabeça de burro.

  3. Vamos olhar o lado positivo da coisa:
    Agora é que essa empresa nefasta não consegue mais fazer nenhuma negociata, com ou sem a Maria Silvia, que saiu ainda mais engrandecida de toda essa história horrorosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *