Laudo mostra que Renan não tinha como pagar pensão alimentícia

Mônica, amante de Renan, virou capa da Playboy

Deu no Correio Braziliense

Um laudo da Polícia Federal de 2010 mantido até o momento sob segredo de Justiça concluiu que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não tinha recursos para bancar a pensão alimentícia para a jornalista Mônica Veloso, com quem ele teve uma filha fora do casamento.

As conclusões da PF embasaram denúncia por peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso oferecida três anos contra o presidente do Senado depois pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e que, após a liberação do caso pelo ministro Luiz Edson Fachin, será julgada em breve pelo plenário do Supremo Tribunal Federal. Renan é alvo de outros seis inquéritos no STF por supostos envolvimento na Operação Lava Jato.

Essa investigação decorreu do escândalo de quase nove anos atrás em que Renan foi acusado de ter tido despesas pessoais de um relacionamento extraconjugal pagas pela empreiteira Mendes Junior. Em troca de ter recebido recursos da empreiteira para arcar com seus gastos, o senador, segundo a acusação, apresentou emendas que favoreciam a empresa. O escândalo levou-o a renunciar à presidência do Senado na ocasião para não ter o mandato cassado.

PARECER DE CONTADOR

Em maio de 2009, Renan apresentou um parecer de um contador gaúcho a fim de contestar um laudo feito dois meses antes pelo Instituto Nacional de Criminalista (INC) da polícia. Nesse estudo particular, a defesa do senador rebatia a conclusão de que o peemedebista não tinha recursos para arcar com a pensão e até mesmo a metodologia adotada pela corporação para firmar tal entendimento.

No novo laudo, de janeiro de 2010, o INC da Polícia Federal contra-argumenta a manifestação de Renan. Os peritos dizem que, mesmo se adotar a metodologia proposta pela defesa, de contabilizar todos os cheques depositados na conta do senador, não seria possível sequer arcar com o primeiro pagamento da pensão à Mônica Veloso, no valor de R$ 43,2 mil em março de 2004. E, de modo geral, não há correspondência entre recursos em contas administradas por Renan e efetivos repasses para a jornalista.

O instituto reafirma a conclusão do laudo anterior e confirma que Renan não demonstrou, com base nos documentos apresentados e analisados, capacidade financeira que permitisse efetuar, em determinados períodos, os pagamentos determinados por ordem judicial no valor de R$ 16,5 mil.

METODOLOGIA

Na conclusão do texto, os peritos também rechaçam os questionamentos sobre a metodologia adotada. “As ilações da defesa, sob o ponto de vista técnico-científico, são impróprias, pois se baseiam em pressupostos inválidos, além de apresentarem alegações conflitantes com os documentos constantes nos autos e com as informações fornecidas pelo próprio investigado”, critica.

8 thoughts on “Laudo mostra que Renan não tinha como pagar pensão alimentícia

    • Uma barcaça, um propinão…
      Brasil 06.02.16 13:53

      A investigação sobre as relações perigosas com a OAS se soma a outros inquéritos sobre as peripécias de Renan Calheiros. No total, são cinco.

      Quando vasculhou o diretório estadual do PMDB de Alagoas — quartel-general do presidente do Senado na sua terra natal –, a PF achou, segundo a Istoé, “documentos que corroboram a versão apresentada por Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. De acordo com os dois delatores, o próprio Renan foi beneficiado com propina na forma de doação eleitoral”.

      A propina para o peemedebista jorrava também de contratos da Transpetro. O caso mais flagrante é o da construção, em Araçatuba, do estaleiro que produziria barcaças para transportar etanol pela hidrovia Paraná-Tietê.

      Araçatuba?

      Releiam o que publicamos no último dia 31:

      Se Rodrigo Janot nada encontrou de concreto contra Renan Calheiros ou Sérgio Machado, o Ministério Público em São Paulo mostra o caminho.

      Em 2010, Dilma, ainda pré-candidata à presidência, discursou em Araçatuba:

      “Aqui para Araçatuba é uma grande vantagem você ter um estaleiro produzindo barcaça. Fazer barcaça aqui em Araçatuba é estratégico.”

      Mas, segundo a Folha, o edital da concorrência não indicava a cidade na qual a obra da Transpetro seria erguida.

      Os investigadores desconfiam que Sérgio Machado, então presidente da estatal, favoreceu empresas que doaram para Calheiros.

      No nosso post, fomos injustos com Rodrigo Janot. A Istoé mostra que, no pedido de busca e apreensão na casa de Renan, negado por Teori Zavascki, o procurador-geral da República fala especificamente da Transpetro: “Paulo Roberto Costa afirma que ‘tem conhecimento de que um percentual dos valores envolvidos nos contratos da Transpetro são canalizados para o Senador RENAN CALHEIROS…'”.

      O Antagonista espera que Teori Zavascki não segure mais a barra do presidente do Senado.

  1. Renan, petista de coração
    Brasil 06.02.16 13:47

    Renan Calheiros mantinha uma relação para lá de estreita com a OAS e outras empreiteiras bandidas, como enfatiza a Istoé:

    “A OAS junto com outras empreiteiras do petrolão respondeu por 40% das doações eleitorais feitas ao filho de Renan, atual governador de Alagoas. Em delação premiada, o empresário Ricardo Pessoa, da UTC, disse que as doações a Renan Filho pelo caixa um serviram para encobrir o pagamento de propina.”

    Renan Calheiros é petista de coração.

  2. O intocável Rei dos Bois foi denunciado pelo Procurador-Geral da República Roberto Gurgel , no Supremo Tribunal Federal , em janeiro de 2013, pelos crimes de peculato, falsidade ideológica e uso de documentos falsos, dias antes do ilustre alagoano se eleger , pela quarta vez, como Presidente do Senado. Há 3 Carnavais , o Senador se encontrava denunciado em uma ação penal, aconchegada inexplicavelmente no escurinho de gavetas supremas.

    Vale lembrar que isto vinha ocorrendo, apesar de ,no dia 16 de junho de 2015, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho , da 14a Vara da Justiça Federal do Distrito Federal , ter recebido a petição inicial movida pelo Ministério Público Federal contra o Senador , tornando-o RÉU num prolongamento da ação criminal que dormia até ontem no Supremo, desta vez na area civil, e por improbidade.

    Como é sabido por toda a população brasileira que assiste televisão , ouve rádio , lê os jornais e se conecta , Renan já apareceu tanto quanto chiclete na boca de vários delatores premiados do Petrolão, sendo no momento investigado em seis diferentes inquéritos da Lava Jato e …..

    NADA!

    O Supremo não se dignara sequer a fazer uma sessãozinha besta para iniciar o julgamento do Coronel das Alagoas – como carinhosamente o chama o Temer- embora , pelo que andei lendo, os 3 delitos penais dos quais é acusado , podem resultar em até 23 anos de cadeia.

    Do que o Presidente do Senado está sendo acusado?

    Seguinte: a Mendes Júnior pagava cash à jornalista Mônica Veloso – aquela talentosa jornalista que acabou na capa da Playboy – uma mesada para que pudesse bancar as fraldas descartáveis da filha que fizera com o prezado Senador, fora dos laços matrimoniais. Ou seja, um empreiteiro pagava a pensão alimentícia de uma filha do Presidente do Senado dessa República , o homem agradecia , e no entanto, ele mantém além do cargo , a pose.

    O escândalo foi tamanho em 2007 que Renan Calheiros , para conservar o mandato, foi obrigado a abrir mão da presidência do Senado . A história teve um final decente? Que nada. O “cabra da peste” foi novamente empossado presidente da baixa Alta Casa , apesar de mais de 1 milhão de brasileiros terem assinado em protesto, uma petição na internet para que o denunciado não fosse empossado na presidência do Senado Federal.

    O PGR , Roberto Gurgel , demorou de 2007 a 2013, para denunciar Renan Calheiros. Estava às voltas com o Mensalão, aquela ação penal que terminou sem quadrilha e chefia. Advinhe quem foi o sorteado para relatar processo no STF, quando finalmente ele lá chegou ? Ele mesmo , Lewandowski, que fez de conta ter esquecido a ação penal por longos 19 meses. Sabem como é…também ocupadíssimo, Sua Excelência, às voltas com 1.400 processos muito mais importantes .

    Em setembro de 2014, quando o Lewandowski foi alçado à Presidência da Corte, quem herdou a papelada foi Joaquim Barbosa, que logo em seguida ,aposentou-se precocemente . Como a presidenta Dilma demorou a decidir-se por Luiz Fachin, só há 7 meses o processo foi contemplado com um novo juiz, que não teve pressa em julgá-lo. Para quê? O Planalto precisa de Renan presidindo o Senado e , aqui para nós , a denúncia é da pesada e nela abundam as provas.Melhor não mexer com o vespeiro em meio a tantas crises.

    Para se livrar da acusação de que uma empreiteira bancara as despesas da sua ex-amante, Renan simplesmente entregou ao Senado notas frias e documentos falsos.Para Roberto Gurgel, o então PGR , restou provado que Renan não tinha proventos – ganhava R$ 12,7 mil reais à época – que justificassem os R$ 16,5 mil mensais que a a belíssima mãe da filha dele recebia das mãos generosas de Cláudio Gontijo, amigo denunciado e empregado da Mendes Júnior, aquela empresa que , entre 2004 e 2006, recebera R$ 13,2 milhões em emendas de autoria do Senador no Orçamento da União. As verbas tiveram como destino uma obra no Porto de Maceió.

    Ora , perante o Conselho de Ética, Renan jurou que bancava a amante pessoalmente, com o suor do seu rosto e com o lucro de sua imensa boiada.A versão foi implodida pelo PGR que comprovou que o denunciado:

    – “Inserira e fizera inserir em documentos públicos e particulares informações diversas das que deveriam ser escritas sobre seus ganhos com atividade rural, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante, qual seja, sua capacidade financeira”

    – “Utilizara de documentos ideologicamente falsos perante o Senado Federal para embasar sua defesa”.

    – ” Praticara os delitos previstos nos artigos 299 (falsidade ideológica) e 304 (uso de documento falso), ambos do Código Penal.”

    Para saber de tudo isso , é claro, o Ministério Público Federal quebrara o sigilo bancário do Senador, e analisara as suas declarações IRPF . Não deu outra. Algumas mentiras cabeludas do Senador vieram à tona. Por exemplo: dos 118 cheques com os quais , segundo Renan , fora quitada a mesada da amante , 66 tiveram como destinatárias outras pessoas e/ou empresas, enquanto 39 foram sacados pelo próprio emitente.Diz a denúncia que dormia calmamente na gaveta de Fachin:

    “No verso de alguns destes cheques destinados ao próprio Renan, havia manuscritos que indicam o provável destino do dinheiro, tais como ‘mão de obra reforma da casa’, ‘reforma Barra’ e ‘folha de pagamento’, o que diminui ainda mais sua capacidade de pagamento”.

    A conversa para boi dormir do Senador , também era furada : suas as notas fiscais em 2006 registraram 765 cabeças de gado vendidas ,mas as guias de trânsito animal , obrigatórias neste tipo de comércio , garantiram terem “viajado na maionese” 908 animais.O MP resolveu, diante da evidente contradição , se aprofundar na pecuária , para descobrir , em seguida , que a papelada só batia com relação a 220 bois.

    Para total descrédito do maior aliado da presidenta Dilma , o Brasil tomou conhecimento de que as guias de trânsito animal , apresentadas pela defesa do Rei do Gado , eram de outros pecuaristas e / ou de empresas que não atuavam no ramo, “que as notas fiscais não tinham selo de autenticidade, que tinham campos em branco e que se encontravam rasuradas.”

    Além disso um cidadão citado pelo Senador , como o feliz comprador de 45 dos seus bois, em depoimento a Polícia Federal , negou ter feito qualquer tipo de negócio com Renan, fato que acrescentou à sua folha corrida a falsidade ideológica dos documentos apresentados, como crime extra.

    Os pobres dos alegados 1.950 bois do Senador levavam uma vida espartana: só comiam os verdes pastos, jamais ouviram falar de sal, não precisavam de peões para tangê-los ou vigiá-los e muito menos eram vacinados por veterinários. Disse a Polícia Federal sobre a narrativa dos bovinos:

    – “A ausência de registro de despesas de custeio […] implica resultado fictício da atividade rural, o que explica a espantosa lucratividade obtida pelo denunciado entre 2002 e 2006: 85% no primeiro ano e 80% no segundo”.

    Os IRPF do prezado Presidente também eram surreais . Se levados à sério, ele sustentara a família com R$ 2,3 mil mensais em 2002!

    A PF , como se não bastasse, ainda descobriu crime de peculato durante a investigação: a verba destinada às despesas do exercício do mandato – R$ 50 mil reais- era usada para bancar supostos “serviços” prestados por uma locadora de carros, cujo dono era um primo do Senador e seu “laranja” de estimação em emissoras de rádio e tevê. Renan justificara com notas da locadora despesas de R$ 44,8 mil . Sucede que não foram localizados sinais da passagem de nem 1 real desse dinheiro pelas contas do prezado primo. Disse a denúncia a respeito:

    “No curso deste inquérito, também ficou comprovado que, no período de janeiro a julho de 2005, Renan Calheiros desviou, em proveito próprio e alheio, recursos públicos do Senado Federal da chamada verba indenizatória, destinada ao pagamento de despesas relacionadas ao exercício do mandato parlamentar. Não há registro de pagamento e recebimento dos valores expressos nas referidas notas fiscais, o que demonstra que a prestação de serviços não ocorreu, […] servindo apenas para desviar os recursos da verba indenizatória paga pelo Senado Federal”.

    Renan alegou que parte do dinheiro que usara para a pensão à jornalista viera de empréstimos contraídos junto à empresa do primo. Uma bagatela familiar de R$ 687 mil sem que o fisco tivesse sido avisado da generosidade .Resumindo: o Presidente do Senado recebia da locadora do primo de infância– afinal o sangue fala mais alto ! – mais dinheiro do que o coitado declarava ter de lucro. Em 2005, por exemplo, o senador jurou ter recebido R$ 99,3 mil em empréstimos da firma do primo que, por outro lado, declarara um lucro de míseros R$ 71,4 mil.

    Face ao exposto , o Supremo Tribunal Federal parece dar razão ao presidente da Câmara,Deputado Eduardo Cunha, que reclama da pressa com que Janot e a Corte , tratam as os inquéritos que lhe dizem respeito.

    Renan se encontra DENUNCIADO no STF há 3 anos enquanto Eduardo Cunha acaba de lá chegar. Portanto podemos , fundamentados na lógica , questionar se a falta de vontade de julgar o Presidente do Senado deve-se à sua lealdade ao Planalto, e se a pressa em afastar o Presidente da Câmara deve-se ao seu antagonismo e à necessidade de enfraquecimento de um dos mais contundentes adversários do governo.

    Mais denúncias vêm aí, a cavalo , lambuzando Renan. Os que defendem a permanência de Cunha no cargo, dizem que, da mesma forma que ocorre com Renan , é direito dele permanecer na cadeira mesmo se o STF aceitar a denúncia tornando-o réu.Para mim , faz sentido. Se é para passar a limpo a República , que a faxina seja geral total e irrestrita . Viva a isonomia!

    Até que transitem em julgado as ações, a ampla defesa é um direito de todos. Se fosse por desmoralização, a Dilma já tinha que ter ido para casa e o Lula para Curitiba.Há que se perguntar se há outros interesses além dos fatos e dos crimes em si.

    Não estou endossando mais uma “teoria da conspiração”, mas é prudente que a independência do Ministério Público na condução das investigações, não venha a ser questionada.Não se pode de blindar Renan e acusar Cunha. A Lava Jato não vai parar no Cunha, a imprensa não se calará, e a lama atingirá o presidente do Senado e aí com que cara ficam os guardiões da Justiça?

    Pergunto: como poderão Rodrigo Janot e o Supremo fingir – quem acreditará ? – que a folha corrida do deputado Eduardo Cunha é menos extensa do que a do Coronel Renan Calheiros, dono do município de Murici nas Alagoas?

    Como fazer de contas que o Presidente do Senado , dono de notória cabeleira implantada graças a um avião da FAB , não teria “reclamado da falta de repasse de propina”, a vários colaboradores já premiados? Como poderá ele ser investigado se o ministro Teori Zavascki não permite que a Polícia Federal visite a sua casa , e quebre – pela segunda vez na história do Senador – os seus sigilos fiscal e bancário, acrescentando, desta feita à pesquisa, os telefônico e telemático?

    Apoio incondicionalmente os que acham que o deputado Eduardo Cunha deve ser afastado da presidência da Câmara imediatamente, para preservar a Casa e para que não continue usando o poder que o cargo lhe dá para sua defesa pessoal, mas só depois que o Senador Renan Calheiros, também o for , já que mentiu , já que prevaricou , já que falsificou e que se deixou corromper.Comprovadamente.

    Com certeza o Senador Renan Calheiros não tem a menor condição de presidir o Senado Federal da mesma forma que o Deputado Eduardo Cunha não tem quaisquer condições de presidir a Câmara Federal.Se é para moralizar o Brasil, que não se economize bandido.

  3. Tudo o que está sendo noticiado aqui, há dez anos é sabido por muitos cidadãos atentos e profissionais responsáveis, que têm a obrigação de saberem das coisas boas e degradantes para melhor informar o povo, que é a eterna vítima da má informação. O que seria uma notícia para vender jornal, era perguntar se Renan mandou fazer o DNA do seu herdeiro. Todos hoje sabemos que Fernando Henrique entrou no conto da gravidêz. Depois de feito o DNA veio a surpresa. Pelo que se sabe FHC continuou a tratá-lo como filho. Tem muita gente se empapando de notícia requentadas da internet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *