Lava Jato chega aos anos FHC e apura corrupção na compra das térmicas

Resultado de imagem para fhc charges

Charge do Aroeira, reprodução de O Dia

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Mateus Coutinho Estadão

A Operação Lava Jato investiga um suposto esquema de corrupção na compra de termoelétricas pela Petrobrás, no período de 1999 a 2001 (Governo FHC). A Polícia Federal abriu inquérito para apurar a aquisição envolvendo as empresas Alsotm/GE e NRG. A investigação parte da delação do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró, que, na década de 1990, era gerente de energia do Departamento Industrial da estatal petrolífera.

O delator narrou que, em 1997, ‘se vislumbrou a possibilidade de uma crise energética no Brasil’ e que a Petrobrás começou a negociar o desenvolvimento de térmicas. Ele apontou o ex-senador e ex-líder do Governo Dilma no Senado, Delcídio do Amaral (ex-PT/MS), que, na época, exercia a função de diretor da Petrobrás.

“Em 1999, Delcídio do Amaral assumiu uma das Diretorias da Petrobrás, denominada provisoriamente Diretoria de Participações; que Delcídio do Amaral chamou o declarante para trabalhar com ele na Diretoria de Gás e Energia da Petrobrás; que, em fevereiro de 2000, o presidente da República Fernando Henrique Cardoso criou um programa prioritário de termoelétricas (PPT), para geração de energia por meio de termo elétricas para enfrentar a crise conhecida como ‘apagão’”, relatou Cerveró.

PROPINAS DESDE O INÍCIO – Cerveró afirmou que a primeira empresa a fornecer turbinas para a Petrobrás para construção e exploração de termoelétricas foi a ABB, em 1999, posteriormente adquirida pela Alstom, depois adquirida pela GE.

“Nessa primeira aquisição de turbinas já houve o pagamento de propina; que a propina foi negociada com o representante da ABB no Rio de Janeiro”, afirmou Cerveró.

“Se acertou o pagamento de uma propina de US$ 600 mil a US$ 700 mil para o próprio declarante e um valor um pouco menor, do qual o declarante não tem conhecimento, aos funcionários que trabalhavam com o declarante na Petrobrás; Que foi nessa época que o declarante abriu uma conta na Suíça para receber propina; Que os valores destinados ao declarante foram recebidos nessa conta na Suíça.”

FHC APOIA INVESTIGAÇÃO – Por meio de sua assessoria de imprensa, Fernando Henrique Cardoso informou. “O Presidente não tem informações sobre este inquérito, mas sempre é favorável que denúncias sejam apuradas.”

Por meio de sua assessoria de imprensa, a GE/Alstom informou que não foi notificada sobre esse inquérito. A empresa não vai comentar, já que não comenta nenhum tipo de especulação.

23 thoughts on “Lava Jato chega aos anos FHC e apura corrupção na compra das térmicas

  1. 19h37
    Redação G1

    Votos dos ministros até o momento:

    A FAVOR da prisão após segunda instância:
    – Gilmar Mendes
    – Luiz Fux
    – Teori Zavascki
    – Roberto Barroso
    – Edson Fachin

    CONTRA:
    – Ricardo Lewandowski
    – Dias Toffoli
    – Rosa Weber
    – Marco Aurélio (relator)

  2. A ‘ Henriquetinha ‘ também…

    ” Em sua delação premiada, o ex-diretor Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró disse que, dentre as supostas irregularidades que presenciou na Petrobrás durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB/1995-2002) está a contratação de uma empresa ligada ao filho do ex-presidente, Paulo Henrique Cardoso,’por orientação do então presidente da Petrobrás Philipe Reichstul, por volta de 2000′.

    A PRS Energia, que segundo o delator pertencia ao filho do tucano, acabou se associando à Petrobrás naquele período para gerir a Termorio, Trata-se da Termorio, maior termoelétrica a gás do Brasil, construída pela multinacional francesa Alstom e que custou US$ 715 milhões. A assessoria de Paulo Henrique Cardoso informou que ele não conhece e nunca teve relação com a empresa.

  3. Gostei da estreia da presidente .
    Foi coerente com o que prometeu.
    6 x 5 um escore que me parece um novo começo para o STF.
    À conferir, mais um pouquinho mais na frente com o andar do andor carregado por tantos que já devem.

  4. Constituição Federal, art. 5º, LVII:

    “Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

    (…)

    LVII – ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;”

    LETRA MORTA.

  5. A parte mais ridícula da matéria é o subtítulo de que FHC apóia a investigação. Claro que apóia, sabe que vai ficar impune, além do mais tendo 85 anos. Preso, tirando o Pedro Côrrea, só vai se for do PT. Taí o Azeredo que não me deixa mentir. O mensalão mineiro do PSDB aconteceu quando ele tinha 52 anos, agora ele está com 70 e o processo está na 1ª instância da Justiça Federal, falta pouco para prescrever. É outro que vai morrer e não vai em cana, assim como outros tucanos emplumados. Enquanto isso, os corruptos do PT vão morrer na cadeia. É a nossa justica imparcial e não politizada/partidarizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *