Lava-Jato devassa mais um esquema de corrupção de Cabral e Eduardo Paes

Os agentes federais madrugaram mais uma vez

Chico Otavio e Daniel Biasetto
O Globo

O chefe de cartel de alimentos que lucrou R$ 8 bilhões nos governos Cabral e Pezão, Marco Antônio de Luca, é o principal alvo de uma operação da força-tarefa da Lava-Jato no Rio. Agentes da Polícia Federal chegaram esta manhã num apartamento de luxo na Vieira Souto, em Ipanema, para cumprir mandado de prisão contra o empresário do ramo de alimentação Marco Antônio de Luca, autorizado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Os policiais cumprem também mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao empresário. Ele é acusado de subornar agentes públicos em troca de favorecimento na assinatura de contratos com o governo para fornecer, basicamente, alimentação a escolas públicas e presídios por meio de empresas ligadas ao empresário: Comercial Milano e Masan Serviços Especializados.

MUITAS ATIVIDADES – O clã dos de Luca também atua no fornecimento de equipamentos, limpeza e conservação predial para órgãos estaduais e prefeituras fluminenses, incluindo contratos de valores elevados na capital durante a gestão de Eduardo Paes.

Em 2010, a Masan chegou a fazer uma alteração do objetivo social da empresa para assumir, logo depois, um contrato com o município do Rio, no valor de quase R$ 13 milhões, para gerir a frota de fumacês destinada ao combate à dengue.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEnquanto o governo Temer corta verbas da Polícia Federal e  troca ministro para proteger a corrupção, a Lava Jato segue em frente, em defesa dos interesses públicos, mantendo a esperança de dias melhores para o povo brasileiro. (C.N.)

3 thoughts on “Lava-Jato devassa mais um esquema de corrupção de Cabral e Eduardo Paes

  1. Parece que finalmente vou poder mudar de Bangu para a Vieira Souto, se a PF continuar a busca por corruptos grã-finos. Antigamente era a high society que morava no Leblon, agora é a alta bandidagem.

  2. Não é de hoje que se sabem do superfturamento de quentinhas, em escolas, presídios e outros mais, o governo do estado no governo Sérgio Cabral sempre beneficiou, agora saber o que levava de volta.
    Não é só quentinha, ainda falta saber sobre o transporte coletivo, que acho que também tem maracutaia, é preciso passar não só o Brasil a limpo, mas também o Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *