Legado desastroso de obras paradas exibe a incompetência de sucessivos governos 

Destravar obras paradas pode tirar Brasil de situação desastrosa

São mais de 20 mil obras interrompidas e não retomadas

Deu no Estadão

Quase 7 mil obras paralisadas, vinculadas a investimentos de R$ 9,32 bilhões, foram identificadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM). São 6.932 projetos inacabados de escolas, unidades de saúde, iluminação, saneamento e pavimentação de estradas.

Bem aplicado, esse dinheiro produziria prosperidade e melhores condições de vida para milhões de pessoas. Com a paralisação das obras, perdem-se tanto as verbas desembolsadas quanto seus benefícios potenciais.

DESPERDÍCIO BRUTAL – Condenável em qualquer país, esse desperdício é especialmente grave numa economia ainda em desenvolvimento, com recursos públicos muito escassos e com enormes carências e desigualdades sociais.

Milhares de projetos federais também estão interrompidos ou abandonados. Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) em 38,4 mil projetos cadastrados até 2018 revelou 14,4 mil obras paralisadas.

Mas as perdas por interrupção dos trabalhos podem ser muito maiores. Em outubro de 2021, 34 mil obras federais interrompidas foram mencionadas pelo deputado federal Paulo Azi (DEM-BA), indicado, na ocasião, para presidir o Comitê de Avaliação de Obras Paralisadas do Brasil. Vários fatores, observou o deputado, poderiam explicar a interrupção dos projetos. Entre esses, acrescentou, seria preciso incluir o encarecimento, durante a pandemia, de produtos como o cimento e o aço.

PROBLEMA ANTIGO – Bem antes da covid-19, no entanto, obras paralisadas ou muito atrasadas já eram citadas na imprensa e em discussões públicas. Irregularidades e aumentos de custos foram apontados várias vezes como causas principais, mas seria possível indicar fatores – provavelmente mais importantes – de natureza política e administrativa.

Milhares de obras atrasadas e até paralisadas são sinais sugestivos de má administração, resultante de mera incompetência ou, nos casos mais escandalosos, de licitações e contratações conduzidas de forma irregular. É fácil pensar em projetos mal preparados, mal executados e desac

ompanhados de supervisão e fiscalização pelos órgãos da área. Corrupção é uma hipótese favorecida pela experiência brasileira. Falhas na definição de prioridades e na programação de recursos financeiros são problemas evidentes quando vários trabalhos são conduzidos ao mesmo tempo e abandonados, ou apenas interrompidos, por falta de dinheiro.

INCOMPETÊNCIA –  Fala-se muito em complicações legais e em dificuldades burocráticas, mas esses problemas são menos importantes do que podem parecer. Com as mesmas limitações legais, diferentes administrações, nos níveis federal, estadual e municipal, mostraram resultados muito diferentes na elaboração de planos, na preparação de programas e na execução de investimentos.

Governos sérios e competentes levam em conta as limitações financeiras e trabalham selecionando e escalonando objetivos. Entregam 10 escolas, em vez de deixar 20 inacabadas. Entregam uma estrada em condições de uso pelo menos parcial, em vez de deixar – como ocorreu várias vezes – longos trechos desconectados e sem uso possível.

Obras nessas condições podem ser lucrativas para algumas empreiteiras e, talvez, para alguns funcionários e algumas autoridades. Para todos os demais, são um grave e escandaloso desperdício de recursos e de oportunidades.

NA NOSSA CONTA – Há outras formas, até rotineiras, de malbaratar dinheiro público. Emendas parlamentares de alcance paroquial podem beneficiar bases políticas de congressistas, mas a conta é debitada a todos os brasileiros.

Aplicado de acordo com objetivos estratégicos nacionais, esse dinheiro poderia produzir ganhos muito maiores. Mas essa preocupação está longe de ser dominante na tramitação do projeto orçamentário. Além disso, objetivos estratégicos são definidos por meio de planejamento, uma atividade estranha ao Executivo federal desde a posse do presidente Jair Bolsonaro.

Sem plano e sem uma carteira de obras digna de consideração, o presidente e sua equipe deixarão pelo menos um legado positivo para quem vier em seguida: ninguém terá muito trabalho com obras inacabadas da gestão Bolsonaro.

6 thoughts on “Legado desastroso de obras paradas exibe a incompetência de sucessivos governos 

    • Renato
      Grande recordação e que vale a pena guardar no arquivo morto!
      Que o gado responda: quem traiu quem no governo do Mito?
      Fallavena

  1. Lula e Dilma começaram as obras e Bolsonaro não terminou nenhuma. É isso?
    O DENIT do Capitão Tarcísio Gomes de Freitas não presta pra nada, ali só tem bestas quadradas elevadas ao cubo. É isso?

    Agora no campo das bestialidades.

    Visita de Musk provocou faniquito de opositores.
    Bastou o bilionário Elon Musk aterrissar no Brasil para tomar contato com a peçonha que permeia a política brasileira, virando alvo de ataques de políticos e jornalistas de oposição, tentando desqualificar sua visita, e de malucos em geral. Teve gente até divulgando em portais importantes a fake news (ou maluquice) de que a visita de Musk era a “prova” de que o presidente Jair Bolsonaro, logo ele, pretenderia “privatizar a Amazônia”.
    Na direita.
    Na quarta (18), Musk tuitou que votará no Republicano, de direita, após o Democrata, de esquerda, se tornar “o partido da divisão e do ódio”.

    Truques sujos

    Após o anúncio, Musk avisou: “Agora, observe desenrolar a campanha de truques sujos deles contra mim…” Não deu outra. Inclusive no Brasil.

    Fantasias mil

    Teve de tudo nas acusações contra Elon Musk no Brasil: de “ele só quer os minerais” a “ele faz parte do golpe” e até a hashtag “BolsoMusk”.

    • Hashtag BolsoMusk sucesso total!

      Quanto as ‘obras inacabadas do governo Bolsonaro’, não haverá nenhuma. Bolsonaro vai diminuir o custo Brasil terminando todas as obras iniciadas a base de propina nos governos do ladrão e da estocadora de vento e abandonadas pela ‘dupla demônica’.

      Quem acompanha o Telegram do Presidente e da SeCom, toma conhecimento de tudo que a gestão Bolsonaro esta fazendo no Brasil. São aproximadamente 10 postagens por dia de algo concreto que esta sendo feito e terminado. Impossível dizer que é Fake News.

      O povo vê o que esta sendo feito e o resultado é SEMPRE o mesmo: uma multidão de pessoas para receber o Presidente, onde quer que ele vá nesse país.

      E até outubro, a popularidade do Presidente só irá aumentar, pode escrever!

  2. Bolsonaro, faria diferente!
    Mais uma mentira do estelionatário eleitoral.
    E se Lula voltar, bem feito para o povinho que assiste na tv, seu país sendo destruído e batem palmas!
    Quem sabe, se contentem como uma sobrinha de capim!
    Eu fora! Nunca mais voto contra o pior, em um pior igual!

    Fallavena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.