Lembre-se de jamais deixar portas entreabertas, mesmo poeticamente

Flora Figueiredo exibe um poema curto e incisivo

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

A tradutora, cronista e poeta paulista Flora Figueiredo faz um belo “Lembrete”, para nunca deixarmos portas entreabertas.

LEMBRETE
Flora Figueiredo

Não deixes portas entreabertas
Escancare-as.
Ou bata-as de vez.
Pelos vãos, brechas e fendas.
Passam apenas semiventos.
Meias verdades
E muita insensatez.

4 thoughts on “Lembre-se de jamais deixar portas entreabertas, mesmo poeticamente

  1. Problema de autoria na Internet é coisa que ninguém leva a sério. Encontrei este poema como sendo de Cecilia Meireles; claro, que tendo o livro dela conferi e vi que se trata de desconhecimento de autoria.
    Billy também de lembrei do Gonzaguinha que compôs e canta, e Maria Bethania interpreta lindamente.
    Porta entreaberta indica saudades, esperanças de uma volta, incerteza. Melhor deixá-la aberta ou fechada sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *