Lewandowski alega que conversas com políticos não afetam a imparcialidade

Charge do Nani (nanihumor.com)

Isadora Peron
Estadão

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, defendeu nesta quinta-feira, 26, ser normal integrantes da Corte manterem conversas com representantes da classe política, mas afirmou que isso não traz nenhum prejuízo à imparcialidade do magistrado. A nota, enviada por meio da assessoria do STF, foi uma resposta ao fato de diversos ministros do Supremo terem sido citados em conversas gravadas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

“Faz parte da natureza do Poder Judiciário ser aberto e democrático. Magistrados, entre eles os ministros da Suprema Corte, são obrigados, por dever funcional, a ouvir os diversos atores da sociedade que diariamente acorrem aos fóruns e tribunais”, disse.

CUMPRIMENTO DAS LEIS

Lewandowski ressaltou, no entanto, que “tal prática não traz nenhum prejuízo à imparcialidade e equidistância dos fatos que os juízes mantém quando proferem seus votos e decisões, comprometidos que estão com o estrito cumprimento da Constituição e das leis do País”.

Em um dos diálogos gravados por Machado, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) aparece dizendo que estaria construindo um pacto, inclusive com a participação de integrantes do Supremo, para tentar barrar o avanço da Operação Lava Jato. Depois de os áudios virem à tona na segunda-feira, Jucá teve de deixar o Ministério do Planejamento.

Novos diálogos entre Machado e presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o ex-presidente José Sarney, também sugeriram articulações para influenciar o ministro do STF Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato na Corte.

OUTROS CITADOS

Em um dos trechos da conversa, Sarney cita o nome do ex-ministro Superior Tribunal de Justiça (STJ) Cesar Asfor Rocha como alguém que teria proximidade com Teori. Em outra gravação, o advogado Eduardo Ferrão é citado com alguém próximo ao ministro.

O próprio Lewandowski é citado em uma das conversas entre Machado e Renan. Na gravação, o peemedebista diz que a presidente afastada Dilma Rousseff contou a ele que tentou conversar com o presidente do Supremo sobre o processo de impeachment, mas o magistrado só queria falar sobre o reajuste do Judiciário.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Na linguagem policial, isso se chama “batom na cueca”. O marido chega em casa com a cueca suja de batom e tenta explicar à mulher que não a traiu. Quando o nome do ex-ministro Cesar Asfor Rocha é citado, é sinal de corrupção na certa. Pesquisem no Google sobre ele, estou meio entediado. O advogado Eduardo Ferrão não fica atrás, como se dizia outrora. E o ministro Lewandowski, sinceramente(C.N.)

9 thoughts on “Lewandowski alega que conversas com políticos não afetam a imparcialidade

  1. O Antagonista está comentando a Veja impressa
    que está chegando nas bancas…
    ———————————————————–
    Em 30 de junho de 2015, depois das prisões de Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, Renan Calheiros reuniu em sua casa Lula, José Sarney, Romero Jucá, Edison Lobão e Delcídio Amaral.
    “Os comensais trataram de um cardápio indigesto: uma estratégia para impedir o avanço das investigações do petrolão”.
    Alguns dias depois, em 6 de julho, Dilma Rousseff recebeu Michel Temer e Eduardo Cunha.
    “Sob a mediação de Temer, Dilma e Cunha conversaram sobre um pacto de proteção mútua”
    Em 7 de julho, um dia depois dessa conversa , Dilma Rousseff reuniu-se com Ricardo Lewandowski em Portugal.
    “A entrada na cena do crime da Odebrecht, que pagou pelos serviços do marqueteiro da campanha pela reeleição, fez a presidente arregaçar as mangas”.
    Como já se sabia,Dilma Rousseff, Lula e os caciques do PMDB se uniram para tentar melar a Lava Jato.
    O plano só não deu certo porque a masmorra do juiz Sergio Moro acabou jogando um quadrilheiro contra o outro.

  2. Merece ser lido e ponderado este artigo da Catânhede no Estadão, muito principalmente se sabemos que 3 senadores que votaram a favor do impeachment estão balançando.
    ————————————————————–
    Sinais de fragilidade
    Temer frágil em Brasília e nas ruas, cresce a teses das ‘eleições já’
    Eliane Cantanhêde

    “Quem sonhava com um novo pacto nacional a la Itamar Franco acordou num pesadelo, com o País dividido e parado, políticos apavorados com a Lava Jato e um inferno de interrogações.”

    http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,sinais-de-fragilidade,10000053662

  3. Dilma voltar seria o fim do Brasil. Como ela é teimosa, não acredito que ela fizesse um pacto com novas eleições.Ela arrasaria com que sobrou do Brasil, até 2018.
    Quanto ao ex-ministro do STJ, César Asfor Rocha, existe uma reportagem na veja sobre o recebimento de 500 mil para dá um parecer sobre uma determinada questão ( a favor),porém,o ministro foi contra..
    Alguém poderia esclarecer com detalhes esse imbróglio?

  4. É preciso que os senadores analise com a razão essa volta da presidente afastada.Se o caos abraçou o Brasil , com a volta dela,piora ‘n’ vezes.
    O senador Cristovão Buarque esteve aqui em Fortaleza, e em entrevista, sinalizou que poderá votar pelo retorno da rainha da tarja preta.Que Deus tem piedade de nós.Amém!

  5. Conversas Republicanas

    Cabe ao ministro do STF esclarecer ao digníssimo “Monstro”, como o ex-presidente JK se referiu à Opinião Pública, se em suas conversas com Luiz Inácio da Silva, o fez com o chefe da casa civil, com o Lobista da Odebrecht, o presidente da República, a luz de um poste por ela iluminada, o profissional de um partido político, o líder sindicalista, o torneiro mecânico, ou com uma metamorfose ambulante.

    • A história de amor do Lewando com os Lullas é antiga. No início dos anos 80, o Lula tinha um secretário particular chamado Wander Prado, que era casado com a Maria Prado.
      O pai da Maria era sócio do Restaurante São Judas, situado na Av, Conde Demarchi em São Bernardo, onde costumeiramente havia fartos regabofes petistas a base do frango com polenta.
      O Conde Demarchi, também era sócio desse restaurante e foi ele que apresentou o Lewando à Dona Marisa.
      Por mero acaso, a nomeação do Lewando foi comemorada no Restaurante São Judas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *