Lobista subornou o deputado Luiz Sérgio (PT) para não ser convocado em CPI

. Foto: Beto Barata/ AE

Luiz Sérgio era o relator da CPI da Petrobras

Estelita Hass Carazzai
Folha

Novo delator da Operação Lava Jato, o engenheiro e lobista Zwi Skornicki acusou o deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ) de ter recebido propina para evitar a sua convocação na CPI da Petrobras. Luiz Sérgio foi ministro de duas pastas no primeiro mandato de Dilma Rousseff: Secretaria de Relações Institucionais (2011) e Pesca e Aquicultura (2011 – 2012).

O parlamentar petista foi o relator da última comissão instaurada no Congresso para investigar o esquema de corrupção na Petrobras. No relatório final, em outubro do ano passado, propôs o indiciamento de apenas um político, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Skornicki, que era representante do estaleiro Keppel Fels no Brasil, nem chegou a ser convocado a depor na CPI.

O atual delator foi preso na Lava Jato quatro meses depois, em fevereiro. Ele é apontado como um operador do pagamento de propinas na Petrobras, e irá devolver cerca de R$ 75 milhões à Justiça – dinheiro que estava em contas no exterior.

EM NOME DO PT – Na decisão que homologou sua delação, na quinta-feira passada (6), Skornicki diz que “pagou parte da propina ajustada com João Vaccari Neto em nome do PT para o deputado Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira”.

“Este mesmo parlamentar teria intercedido para a não convocação do colaborador à CPI da Petrobras”, informa a decisão, emitida pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

A Folha não conseguiu contato com a assessoria do deputado. A defesa de João Vaccari Neto nega que o ex-tesoureiro tenha pedido ou intermediado o pagamento de propinas ou caixa dois ao partido.

TERMOS DO ACORDO – A homologação, feita na semana passada, é o último passo para o reconhecimento do acordo. A informação está em ofício enviado pelo Ministério Público Federal ao juiz Sergio Moro, nesta quinta (13).

O acordo prevê que Skornicki pague uma multa de US$ 23,8 milhões, equivalente a R$ 75 milhões —valores mantidos em offshores de sua titularidade na Suíça e Estados Unidos. O dinheiro será revertido à Petrobras (e 10% dele, a órgãos federais de investigação).

Além disso, o delator terá que entregar à Justiça quase 50 obras de arte apreendidas em sua casa, de artistas como Romero Britto, Salvador Dalí e Vik Muniz. A Políica Federal suspeita que os quadros tenham sido usados para lavagem de dinheiro.

DE TORNOZELEIRA – Skornicki ficou pouco menos de seis meses preso em Curitiba. Ele irá cumprir outros seis meses em prisão domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica – até fevereiro de 2017. Depois, progride para o regime aberto domiciliar por mais um ano.

O lobista revelou em sua delação, entre outros temas, conforme já mostrou a Folha, que o ex-diretor da Petrobras Renato Duque abandonou R$ 39 milhões em propina numa conta da Suíça –valores que serão devolvidos à Justiça–, e que pagou US$ 4,5 milhões em caixa dois ao marqueteiro João Santana, responsável pela campanha da ex-presidente Dilma Rousseff em 2010.

O conteúdo integral da delação de Zwi continua sob sigilo.

6 thoughts on “Lobista subornou o deputado Luiz Sérgio (PT) para não ser convocado em CPI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *