Luis Arce, aliado de Evo Morales e eleito novo presidente, diz que ele não volta ao governo

Vitória do MAS: Evo Morales diz que retorno à Bolívia é questão de tempo

Derrubado pelos militares, Morales se asilou na Argentina

Deu no G1
France Presse

Evo Morales, o ex-presidente da Bolívia refugiado na Argentina desde dezembro de 2019, assiste à vitória de seu partido um ano após deixar Bolívia sob acusação de fraude eleitoral. No domingo (18), seu aliado político Luis Arce venceu a eleição presidencial.

Morales afirmou que ainda não tem data para retornar ao seu país. “Meu retorno à Bolívia ainda não está programado”, disse à Rádio El Destape, depois de o presidente argentino, Alberto Fernández, manifestar mais cedo seu desejo de acompanhá-lo. E Luis Arce, o futuro presidente, disse o seguinte sobre Evo Morales: ‘É bem-vindo, mas isso não quer dizer que estará no governo’

MANTER A UNIDADE – Morales pediu aos seus concidadãos que mantenham a unidade e previu que a contagem final dará à Luis Arce uma vitória de mais de 55% dos votos nas urnas.

Entre os povos indígenas, a votação em Arce foi muito expressiva, de acordo com Morales: “Em uma comunidade indígena, chegamos aos 99% –na aldeia onde nasci, aos 99,2%”.

Em outubro de 2019, Evo concorreu em eleições presidenciais e saiu vitorioso pela quarta vez. Naquela ocasião, uma auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA) afirmou que houve fraude. Em novembro, Evo cancelou os resultados da votação. Horas depois, foi pressionado por militares a deixar o cargo. Ele se exilou no México e, em seguida, na Argentina.

REAÇÃO DO POVO – Evo afirma que não houve fraude nas eleições de 2019. Para ele, a votação de domingo foi uma reação do povo nas urnas. “Votaram pelo respeito”, disse ele.

O ex-presidente afirmou que, diante dos fatos de 2019, no domingo, “houve uma reação do povo boliviano nas urnas, nas quais votaram pelo respeito”.

“Não tem como ocultar o que aconteceu nas eleições”, disse o ex-presidente, ao se referir às eleições de outubro de 2019. O ex-presidente boliviano criticou o secretário-geral da OEA, Luis Almagro. “Se Luis Almagro tivesse alguma ética e moral, deveria renunciar à OEA”, afirmou Evo.

RESPONDE A OEA – Almagro parabenizou Arce por sua vitória no domingo e lhe desejou “sucesso em seus trabalhos futuros”, enquanto elogiou a “conduta cívica” do povo boliviano.

“A Organização dos Estados Americanos sempre defendeu a vontade popular na Bolívia, expressa por meio de eleições livres. Um dia como o de hoje é uma oportunidade para avançar na construção de um país mais inclusivo e tolerante”, disse a OEA em comunicado.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O problema dos presidentes é a ânsia de continuar no poder. A ambição é tamanha que eles não entendem que a alternância no poder é a maior e melhor característica da democracia. São líderes com pés de barro, como se dizia antigamente. (C.N.)

6 thoughts on “Luis Arce, aliado de Evo Morales e eleito novo presidente, diz que ele não volta ao governo

  1. Aos eleitores bolivianos, em sua maioria absoluta, que souberam identificar quem não representava seus interesses, e que escolheram aquele que prometeu ao Povo Boliviano que iria defender os interesses da imensa maioria da População Boliviana, só cabe estar vigilante e esperar não ter eleito um Lenin Moreno.

  2. Faço votos que o presidente eleito governe ele mesmo, não caia na armadilha argentina onde o presidente só faz as vontades da vice-presidente,é quase um primeiro-ministro. Aposto que o ex-líder cocalero quer voltar para voltar a presidir o país, aí a coisa poder ficar feia.

  3. Meu vizinho tinha um cachorro da raça Rusky. O bicho era muito territorial. Marcava todos postes pelos quais passava – cheirava, defecava, fazia tudo para tentar dizer aos concorrentes: isso é tudo meu! Por ter um problema no intestino foi sacrificado. As ruas permaneceram com seus postes e cantos que são visitados por outros cães. Mesmo com esses exemplos diários de cães e gentes, há muitos que não conseguem enxergar a realidade – somos pó e água; quando morremos não levamos nada desse mundo, nem postes nem diamantes. TaOkey?

  4. O caso do Presidente EVO MORALES (61) é um caso típico de um Líder que perdeu o controle de seu Partido Político, o MAS (Movimento al Socialismo).

    MORALES foi eleito Presidente pelo MAS em 2006, re-eleito em 2010, ( os períodos Presidenciais da Bolívia são de 5 Anos). Para concorrer a um Terceiro Mandato consecutivo que a Constituição p, já com odores de Fraude, mas Governou.
    Estando praticamente 14 anos no poder convocou um Plebiscito Nacional para mudar a Constituição para permitir “N” re-eleições, e a resposta foi NÃO. Mesmo assim para tentar a terceira re-Eleição em 2019, conseguiu novamente do Supremo uma Liminar e concorreu, e segundo apurações “contestadíssimas” ia novamente vencendo apertado, quando se parou a apuração.
    Os protestos populares aumentaram vigorosamente, o Exército exigiu sua demissão, seu Partido Político, o MAS Majoritário, não se mexeu, e breve o Presid. MORALES teve que fugir para o México e logo em seguida se asilou na Argentina.

    Seu Parido o MAS concorreu então a Eleição com seu Ministro da Fazenda Econ. LUIZ ARCE e está ganhando folgado no primeiro Turno.

    Ficou claríssimo que o Presid. EVO MORALES perdeu o controle do Partido MAS, e tudo. Fez o que pode para continuar no Poder, mas chegou no fim da Linha.

    Não é mau Político mas queria Governar eternamente. Dançou.

  5. Morales conseguiu manter um bom crescimento da Bolívia. Em termos de PIB, foi o maior na AL, conseguindo reduzir em muito as desigualdades, embora continuem bastante altas eo país continue ainda bastante pobre. O condutor da economia foi o agora eleito.

    O erro de Morales foi querer a perpetuação do poder, alterando até a Constituição para permitir sucessivas reeleições.

    Arce, se tiver uma boa relação política, poderá ter sucesso na condução do país. Tomara que não seja picado pela mosca do poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *