Lula almoçou na Fiesp, sem comentários sobre as ofensas dele aos empresários e banqueiros

Josué Gomes da Silva | O Imparcial

Josué Gomes organizou o almoço e barrou os jornalistas

Beatriz Bulla
Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), se reuniu nesta terça-feira, 5, com banqueiros e empresários na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, em um encontro solicitado pelo petista, pré-candidato ao Planalto, e viabilizado pelo presidente da entidade, Josué Gomes da Silva. Segundo fontes, o clima da reunião foi tranquilo. O ex-presidente foi bem recebido e demonstrou que quer abrir diálogo com os setores produtivos.

Desde que Josué Gomes da Silva assumiu a presidência da Fiesp, em janeiro, uma aproximação com Lula é aguardada, apesar de dirigentes da federação negarem publicamente uma mudança de direção. Presidente da Coteminas, Josué é filho de José Alencar, que foi vice-presidente nos dois governos Lula e um nome que serviu como ponte entre o petista e empresários na eleição de 2002.

POSIÇÃO APARTIDÁRIA – O bom relacionamento de Lula com Josué, na época filiado ao PMDB, já fez com que ele fosse cotado para ser vice do petista na eleição de 2018. A Fiesp representa 130 sindicatos patronais da indústria. Em sua primeira entrevista a jornalistas após tomar posse, Josué afirmou que a entidade deveria adotar posição apartidária durante a eleição deste ano, mas criticou o governo Jair Bolsonaro.

O almoço durou cerca de duas horas e meia, nas quais o ex-presidente e os demais convidados falaram sobre economia, educação, meio ambiente, agricultura e comércio exterior. Além de Josué, estavam presentes João Moreira Salles (Itaú), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), Beto Sicupira (3G Capital), Luiza Trajano (Magalu), Fabio Coelho (Google), Roberto Azevêdo (Pepsico e ex-diretor-geral da OMC), Dan Ioschpe (Iochpe-Maxion e presidente do conselho do IEDI), Jacyr Costa Filho (presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp), além de Rafael Cervone, presidente do Ciesp. Os convidados foram escolhidos por Josué.

O encontro na Fiesp era considerado pelo entorno de Lula como o mais emblemático das rodadas de conversas com empresários que o ex-presidente tem realizado.

DESFAZER O MAL-ESTAR – Em todos os encontros, Lula busca desfazer o mal-estar entre o PT e o empresariado, agravado durante o segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. Então sob o comando de Paulo Skaf, a Fiesp patrocinou uma campanha contra medidas adotadas no governo da petista. O “pato da Fiesp”, mascote da ação da entidade, tornou-se um símbolo dos protestos contra Dilma, que foram cruciais para o caldo político e social que culminou no impeachment da petista.

Lula pediu para ir à Fiesp apresentar seu plano de diretrizes para um futuro governo. A entidade ainda fará conversas institucionais com os candidatos à presidência, em agosto, mas Lula foi o único até agora a ser recebido como pré-candidato. Não foi uma reunião oficial da entidade. Antes disso, o presidente da Fiesp já havia se reunido, há cerca de uma semana, com um dos principais aliados do ex-presidente, o advogado Marco Aurélio Carvalho, como representante do grupo de juristas chamado Prerrogativas.

Nesta terça-feira, Lula estava acompanhado pelo candidato a vice, Geraldo Alckmin, o presidente da Fundação Perseu Abramo e ex-ministro Aloizio Mercadante e o pré-candidato ao governo do Estado pelo PT, Fernando Haddad. Segundo uma fonte da campanha petista, a ideia do ex-presidente foi a de referendar o nome dos três como seus interlocutores junto ao empresariado.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Quer dizer a matéria do Estadão informa que “Lula busca desfazer o mal-estar entre o PT e o empresariado, agravado durante o segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff”, mas não dá uma palavra sobre as ofensas de Lula a empresários e banqueiros, na última sexta-feira, divulgadas em duas matérias do próprio Estadão? Gente, que jornalismo é esse? O que eu sei e tenho certeza é que a reunião foi fechada e os repórteres nem conseguiram entrar. Estão apenas retransmitindo as informações liberadas pelo próprio PT. Quanto a Mercadante, Lula mal o tolera, vai ter um cargo de segundo escalão, se Lula for eleito.  (C.N.)

19 thoughts on “Lula almoçou na Fiesp, sem comentários sobre as ofensas dele aos empresários e banqueiros

  1. Lula é conhecidíssimo na FIESP. O único que quis romper relações foi P Skaff com fins de faturar politicamente. Lula e o PT conhecem o caminho das pedras. E de longe farejam qdo artigos tendenciosos tentam criar animosidades dentro do partido. Qtas vezes já li artigos aqui na TI dando conta de Lula sacanear Dilma, filando falou mal de cicrano. A isso se chama fofoca.

  2. Vai ser divertido e aguardarei tomando uma IPA , a reação do pessoal da AAB e da AAL , respectivamente Associação dos Amigos do Bolsonaro e Associação dos Amigos do Lula à respeito da instalação da CPI do MEC. Os primeiros defenestravam o Pacheco até hoje cedo e os segundos o apoiavam. Essa travada na CPI vai render reações hilárias. Aguardemos. Saúde!!!

  3. Lula se ressente até hoje por conta do palpite de Mercadante sobre o plano Real que Lula reproduziu aos quatro ventos quebrando a cara na eleição presidencial de 1994. Lula é um mala ! Bandidinho de rodoviária.

  4. As “ofensas” do ladrão Lula da Silva aos seus aliados, capitalistas mamadores da teta estatal, é jogo de cena pra inglês ver. O “capo” precisa arrumar assunto para desviar as denúncias da aliança PT / PCC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.