Lula aposta na trinca do barulho

Carlos Chagas

Muito na surdina, o Conselho Político do governo chegou à conclusão de que a meta, hoje, é garantir o segundo lugar no segundo turno das eleições presidenciais. Mas garantir não apenas para a candidatura prioritária, de Dilma Rousseff, senão outras, de Marina Silva e de Ciro Gomes. Armar uma barraca onde os candidatos possam abrigar-se significa não hostilizar, de forma alguma, a ex-ministra do Meio Ambiente e o ex-ministro da Integração Nacional. O presidente Lula saiu na frente, semana passada, ao declarar que os três postulantes exprimem a continuidade de seu programa.

É claro que no que depender do palácio do Planalto, a chefe da Casa Civil continuará recebendo todo o apoio. Sua queda nas pesquisas mais recentes serve de estímulo para maiores investimentos em seu nome. Coincidência ou não, esta semana Dilma reinicia suas viagens pelo país, isoladamente ou acompanhando o presidente Lula. Mas Marina e Ciro passarão a ser citados como hipóteses. Claro que não rejeitarão a oferta. Se já não vinham criticando o Lula, menos o farão agora, esperançosos de que se chegarem ao segundo turno, contarão com o respaldo oficial.

Fica evidente que mesmo sem uma palavra formal, o governo trabalha com a evidência de que José Serra ocupa a pole position e tem garantido o primeiro lugar no segundo turno. Todos os esforços se farão para evitar o desastre que seria a vitória do governador na primeira votação – possibilidade, aliás, hoje remota conforme as tendências apuradas. Mas é um perigo verificar que ele mantém 40% das preferências, índice que se crescer entorna o caldo. Está instituída, assim, até ulterior modificação, a trinca do barulho, na medida em que quanto mais despontem e se fixem  as três candidaturas, melhor para a continuidade.

Fora da pauta

Dois meses atrás o Tribunal Superior Eleitoral referendou duas decisões do Tribunal Regional de Rondônia cassando o mandato do senador Expedito Júnior, eleito pelo PR e em vias de transferir-se para o PSDB. A acusação é de abusos praticados durante a campanha eleitoral. A sentença exarada por unanimidade mandava  assumir a cadeira o segundo mais votado nas eleições de 2006,  Acir Gurgacz, do PDT.   Foi expedida determinação à mesa do Senado para promover a troca, coisa que o presidente José Sarney não fez até hoje.

Três mandados de segurança  foram encaminhados pelo PDT ao Supremo Tribunal Federal, recebendo do relator Ricardo Levandowski  pareceres  favoráveis à  imediata  substituição.  O problema é que o processo foi retirado de pauta nas duas vezes em que  seria decidido em sessão ordinária da mais alta corte nacional de justiça.

Fica a dúvida no  ar: por que o senador José Sarney não cumpre a ordem  judicial? Por que o Supremo não vota os recursos?

Desconforto

A Marinha anda longe de considerar-se satisfeita com a compra dos submarinos convencionais franceses e a promessa de construção de um submarino nuclear dentro de quinze ou vinte anos.

A Aeronáutica não engoliu a opção feita pelo presidente Lula pelos aviões de caça franceses antes que sua análise tivesse sido completada.

O Exército sente-se preterido nessa operação de renovar os  equipamentos militares, pela destinação de apenas dezesseis helicópteros, dos cinqüenta que o país irá adquirir.

Junte-se a essas  frustrações as mudanças radicais na estrutura das forças armadas, com a criação de um estado-maior conjunto a ser  gerido por civis, cuja competência, entre outras,  será dar a última palavra em todas as compras de material bélico, e se terá a receita  de uma insatisfação contida mas generalizada.  Tudo começou com a criação do ministério da Defesa, retirando das reuniões ministeriais a presença das três forças.  O  processo parece seguir adiante e a pergunta que fica é uma só: com que objetivo?

Café com leite mais próximo

Desperta conseqüências o  acordo entre José Serra e Aécio Neves,  pelo abandono da proposta de uma prévia entre as bases tucanas para selecionar o candidato presidencial.  Fica claro que o indicado será aquele que mobilizar mais apoio junto aos diretórios regionais do PSDB, sem esquecer suas lideranças no Congresso. A previsão, assim, indica a escolha tranqüila do governador paulista,  mas ficaria seu colega mineiro sem compensações?

Aqui cresce outra vez a hipótese de lançamento de  uma chapa-pura, ou seja,  Serra para presidente, Aécio para vice. E quem levantar restrições ao que seria uma volta ao passado, do ressurgimento da política do café-com-leite, deve lembrar-se de que a aliança São Paulo-Minas está em  vigência desde 2003. Ou alguém se iludirá imaginando que o Lula representa Pernambuco? Em termos geográficos, continuaria tudo na mesma.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *