Lula e PT sonham (?) em conduzir a caravana antiBolsonaro, mas há controvérsias

Resultado de imagem para lula  charges

Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

Rosângela Bittar
Estadão

Onde se lê: A esquerda precisa sair do isolamento e se unir para as eleições de 2020 e 2022, leia-se: Os partidos de esquerda só terão espaço se libertarem-se do PT. Lula e seu partido se mantêm agarrados à cabeça de chapa. É como se o protagonismo fosse um inflexível destino.

O PT, ainda agora, depois de tudo, quer conduzir a caravana da esquerda, da oposição, do centro e de quem mais esteve e estiver disposto a fazer o que seu mestre mandar. Uma volta ao cenário da primeira eleição de Lula.

GOVERNADORES SE MEXEM – É contra isso, o absolutismo político, ainda que suicida, que deixa pelo caminho candidatos de cara nova, ou políticos experientes abertos a novos projetos cuja passagem o PT impede, que se aplica o atual movimento do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Não só dele, mas também do governador do Piauí, Wellington Dias (PT), do governador da Bahia, Rui Costa (PT), do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e outros de antes e de agora.

Dino chamou a atenção pela intensa investida em conversas políticas com quem está na onda: a esquerda, o centro e o PT. Esteve com Luciano Huck, que avalia candidatura presidencial, foi ao Instituto Lula, vinha de encontros com o DEM, deu entrevistas clamando por união de todos. Ao mesmo tempo, Wellington Dias reverberou a convocação da qual Rui Costa já tinha se disposto a participar.

PARA FURAR O BLOQUEIO – Então é um movimento de governadores do Nordeste? Não. São políticos aliados do PT tentando furar o bloqueio e a rigidez mórbida do partido. Eles não têm força para liderar um projeto nacional. Especialmente Flávio Dino, que está num partido pequeno, não tem base no Congresso nem instrumentos para construir um desejo de amplo alcance.

São todos governadores que não podem mais pleitear a reeleição pois estão no segundo mandato. Mas têm futuro: querem fazer o sucessor, continuar mantendo o nome em evidência para uma candidatura ao Senado, talvez, e recusam a obediência cega à hegemonia petista.

As agruras do Executivo fizeram esses governadores conduzir uma gestão contrária à orientação do PT. Todos eles, inclusive os petistas, promoveram a reforma da Previdência, por exemplo, sob protestos do funcionalismo.

COLIGAÇÕES – Mas não se pode dizer que esse seja seu projeto, ou que tenham um projeto com o qual pretendem atrair o centro e olhar para o Brasil. Dino governa com um arco de alianças onde estão do PT ao DEM.

Wellington Dias uniu-se até ao PP de Ciro Nogueira, o símbolo do centro heavy metal, mas já romperam exatamente pela irrecuperável sofreguidão petista. Nogueira ameaça agora, inclusive, lançar candidato ao Senado para concorrer com Wellington.

Voz ouvida no PT, depois de ouvir Lula, claro, Paulo Teixeira correu a afagar Dino para conter seu atual movimento, afirmando que ele estará numa chapa do PT seja com Lula, seja com Fernando Haddad. A exaltação, que visa neutralizá-lo, não emocionou.

CIRO TAMBÉM QUER – Ciro Gomes (PDT), que já tem projeto nacional e se afastou do PT e de Lula pelos mesmos motivos que agora se afastam líderes de outros partidos, seria o protagonista natural da construção de um elo entre os insatisfeitos discordantes em pensamento e obras. Mas não teve e ainda não tem têmpera para isso. Inquieto, intranquilo, Ciro precisa refazer seu plano de corrida para o abraço às urnas.

E tem dado sinais de que está avisado. Já conversa com o PP há muito tempo e prepara-se para fechar aliança nas municipais com o partido de ACM Neto e Rodrigo Maia, o DEM, de quem o PT quer distância, em várias capitais do Nordeste. Esta sim, uma iniciativa dirigida à eleição municipal que tem conexão direta com a eleição presidencial.

O jornalista Alberto Bombig revelou ontem, na Coluna do Estadão, que a aliança eleitoral do PDT com o DEM já é palanque acertado em Salvador (BA), Fortaleza (CE) e São Luís (MA). Isso sim é concreto e não é pouca coisa.

11 thoughts on “Lula e PT sonham (?) em conduzir a caravana antiBolsonaro, mas há controvérsias

  1. Então quer dizer que se o lula morrer, tem todos esses que você citou, para recomeçar a esquerdização do dinheiro publico. Vou agora mesmo fazer uma oração, para que lula viva até a esquerda (ideologia dos funcionários públicos de viver do suor do povo) morrer.

  2. A própria reportagem mostra que todos os possíveis lideres canhotos são na realidade um bando de calça frouxa, partido pequeno, sem seguidores, são todos budoes por isso mesmo perderam pro bozo, que mesmo com tudo contra chegou no final da corrida.
    Canhoto celerado é assim mesmo sempre acha um muro pra lamentar.

  3. Com a proximidade das eleições a esquerda se acerta com outros.
    É sabido que bezerro brabo não mama, já o bezerro manso mama em sua mãe e na dos outros.
    No final os mansos vão beber vinho e comer lagosta.

  4. 1) A grande novidade, a meu ver, é que o PT pretende criar Núcleos Evangélicos, no início o PT bebeu nas fontes da Igreja Católica através das Comunidades Eclesiais de Base, mas com o avanço dos Neopentecostais já instalados nos corredores dos Poderes, PT corre atrás do prejuízo…

    2) Alguns dizem que o tal núcleo sempre existiu, discordo. O que sempre existiu foram parlamentares isolados que apenas declaravam a Fé.

    3) Uma das práticas que caracteriza o NeoPentecostalismo é a atuação e o aparelhamento religioso em todas as instâncias da República, visto que, segundo eles, o fundamente é a “inerrância da Bíblia”, isto é, o Livro Sagrado não está errado em nada, então pode muito bem nortear os princípios da vida republicana.

    4) Contudo… alguns petistas discordam da Neopentecostalização do partido que inevitavelmente virá, aos poucos, pois evangélico que se preza quer ditar as regras, vide as poderosíssimas denominações amigas do atual governo.

  5. Lula antes de ser eleito presidente, em suas campanhas para eleições fazia um discurso de defesa do interesse nacional, contra a corrupção, em defesa dos mais humildes, pobres, miseráveis etc. Lula foi eleito, porque José Serra era candidato do nefasto FHC. Naquele momento, Serra era bem superior ao Lula, foi ele quem, com coragem, criou os genéricos etc, numa demonstração de política de esquerda, isto é, em atenção aos mais pobres.
    Após uns meses da eleição, Lula colocou a unhas de fora, fez uma política favorecendo os banqueiros, empreiteiras, multinacionais e institucionalizou a propina, e o Brasil se transformou no país mais corrupto do mundo e para não ficar mal com os miseráveis recriou a ajuda aos miseráveis com o nome de Bolsa Família para tornar os miseráveis, apenas menos miseráveis, com uma intensa propaganda, que sempre foi o forte do PT.
    Lula, PT e os partidos aliados também chamados de esquerda desmoralizaram a verdadeira esquerda democrática
    Tanto a mídia, como os interessados em desmoralizar a verdadeira esquerda democrática, insistem em taxar o Lula, PT e os partidos que o apoiam de esquerda, como se esquerda fosse sinônimo de corruptos, desonestos e mal gestores da coisa pública etc.
    Dos países da América Latina, o presidente que mais aproximou-se da verdadeira esquerda democrática foi o Evo Morales, melhorou a vida dos mais pobres, encampou as empresas de gás e petróleo em defesa dos interesses da Bolívia, durante 10 anos teve o PIB mais alto da América Latina, uma média de 5% a.a
    Tomando por base a origem de esquerda e direita, quem está a esquerda são os trabalhadores, os mais pobres e a direita são os amigos do rei ,os mais ricos.

  6. O pestismo perdeu o caráter político e virou religioso, tem um deus e milhões de adoradores, gente que não sabe viver sem um deus para adorar. Acreditar que o 51 ainda é o velho mago de antigamente, um fazedor de milagres, ou seja, elege até defunto, só pode ser coisa de fanático religioso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *