Lula vai recorrer ao Supremo para evitar ser julgado pelo juiz Sérgio Moro

Charge do Nani (nanihumor.com)

Sérgio Roxo e Renato Onofre
O Globo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai recorrer da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, que mandou as investigações contra o líder petista para o juiz Sérgio Moro. Na segunda-feira, Teori encaminhou para a primeira instância todos os processos contra o ex-presidente. Os advogados de Lula vão entrar com embargos contra a decisão nos próximos dias.

Na decisão, Teori ainda anulou parte das escutas telefônicas que mostram Lula e a presidente afastada, Dilma Rousseff. No áudio, Dilma diz que estava enviando por um emissário o termo de posse do ex-presidente como ministro da Casa Civil. Com a anulação, a conversa não poderá ser usado como prova judicial.

Ao todo, foram enviados para Curitiba três petições, três inquéritos e dez ações cautelares. Todos os processos estão sob sigilo. Entre os casos que foram enviados para Moro está o inquérito sobre o sítio de Atibaia e o tríplex do Guarujá, ambos em São Paulo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Os advogados fazem seu papel. No caso de Lula, a estratégia de José Roberto Batochio é retardar e tumultuar os inquéritos, porque não há como exercer uma defesa sólida, as provas contra Lula são muito consistentes. O Supremo não voltará atrás, a insistência não vai dar em nada. Lula será julgado pela República de Curitiba. A força-tarefa já tem elementos suficientes para abrir processos e até prender Lula. Daqui a pouco a gente volta ao assunto. (C.N.)

40 thoughts on “Lula vai recorrer ao Supremo para evitar ser julgado pelo juiz Sérgio Moro

  1. A cada dia fica mais claro o objetivo do Grã Mestre Temer e assemelhados, de parar com a Lava Jato ! Bandidagem unilateral ??? Nos últimos 32 dias quantas operações a PF fez ???
    ———–

    Renan diz que vai analisar pedido de impeachment contra Janot
    ———–
    PGR é acusado de pegar leve com PT e pesado contra o PMDB
    Publicado: 14 de junho de 2016 às 21:07 – Atualizado às 23:09
    O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deu a entender que não rejeitará de pronto um pedido de impeachment contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que foi protocolado na segunda, 13, no Senado. “Nos últimos meses, já arquivei cinco pedidos de impedimentos do procurador-geral da República, eu entendi que as petições eram ineptas. Essa, eu vou avaliar”, disse.
    O pedido foi feito por duas advogadas ligadas ao movimento pró-afastamento de Dilma Rousseff. Elas argumentam que Janot deu tratamento diferenciado a políticos do PT e do PMDB que estariam envolvidos em “situações análogas” na Lava Jato.
    Em geral, Renan rejeita de imediato pedidos de impeachment contra ministros do Supremo e contra o procurador-geral, que devem ser protocolados obrigatoriamente no Senado e, cuja aceitação é avaliada monocraticamente pelo presidente da Casa. Recentemente, Renan foi flagrado em um diálogo em que chamava Janot de “mau caráter”.
    Em abril, Renan fez forte discurso no plenário do Senado após recusar um pedido de impeachment do ministro do Supremo Marco Aurélio Mello, feito por integrantes Movimento Brasil Livre (MBL), que também defende o afastamento de Dilma Rousseff.
    “Não podemos ser levianos com a democracia, nem subestimar a importância da separação dos poderes da República. É hora de o Legislativo ser Legislativo, de o Judiciário atuar como Judiciário e de o Executivo se portar como Executivo”, disse à época.
    Inquérito
    Ao ser questionado sobre o pedido de impeachment de Janot, Renan se confundiu e entendeu que a pergunta era sobre o novo inquérito que o Supremo abriu nessa terça contra ele e outros membros da cúpula do PMDB. O presidente do Senado acabou dando uma declaração inesperada. “Lamento essa obsessão comigo”, disse, desconsertado.
    Mais cedo, Renan evitou comentar sobre a abertura de novo inquérito. As declarações foram feitas antes de o ministro do STF, Teori Zawascki rejeitar seu pedido de prisão feito pela PGR.
    ( Diário do Poder ).

      • Com relação à denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, à Folha de São Paulo
        que está em várias pautas do blog , como se fora a denúncia do século, quem se deu ao trabalho de lê-la , verificou que trata-se de blábláblá para encher linguiça e provocar pageviews incautos.

        O que se lê é que o PGR afirmou ao STF que asnomeações de ministros para atender aliados do PMDB e a distribuição de cargos ao PSDB pelo presidente interino Michel Temer integravam um plano para encerrar a Lava Jato.

        Só que ninguém parou a imparável Lava Jato.No momento várias delações estão no forno e Lula desceu ao inferno curitibano.

        Ademais essa avaliação de Janot consta no tal pedido de prisão de Renan Calheiros , Romero Jucá e José Sarney , aquele que foi NEGADO pelo Teori .Acho que sua excelência ou faz parte da “solução Michel” , ou então não restou convencido.

        Para Janot, as indicações faziam parte da “solução Michel”, que tinha objetivo de “construir uma ampla base de apoio político para conseguir, pelo menos, aprovar três medidas de alteração do ordenamento jurídico em favor da organização criminosa”

        1 – a proibição de acordos de colaboração premiada com investigados ou réus presos

        2 – a alteração do regramento dos acordos de leniência.

        3 – a proibição de execução provisória da sentença penal

        Ora , mais uma vez , e aplicando alguma lógica à leitura , quem vai decidir sobre as matérias de nr 1 e 2 é o Legislativo e quem vai decidir sobre a de nr 3 – a prisão após condenação condenatória na 2a instância – é o Supremo.Nada a ver com o Executivo.

        Janot cita a nomeação de três ministros: Jucá para o Planejamento, José Sarney Filho para Meio Ambiente e Fabiano Silveira para a Transparência.

        “Pode-se inferir destes áudios que certamente fez parte dessa negociação [plano contra Lava Jato] a nomeação de Jucá para pasta do Ministério do Planejamento, além da nomeação do filho de Sarney, para o Ministério do Meio Ambiente, e de Fabiano Silveira, ligado a Calheiros, para o Ministério que substituiu a Controladoria-Geral da União, além dos cargos já mencionados para o PSDB”.

        Muito bem. Jucá já era, Silveira idem. Como Sarney Filho vai poder parar a Lava Jato lá do Meio Ambiente dele, me escapa.

        Sucede que a reportagem esqueceu de mencionar que o PSDB virou neogovernista. É claro que tem que ocupar cargos com seus quadros .
        Quem temer deveria nomear? Petistas? Não vejo como dos ministérios das Relações Exteriores , das Cidades , da Educação – quanto o da Justiça , até agora , o titular está em lua de mel com a Lava Jato – os tucanos possam vir a atrapalhar o doutor Moro.

        Se o Janot está querendo dizer que os VOTOS do PSDB e do PMDB, futuramente, irão na Câmara e no Senado, ajudar na aprovar legislação ameaçadora à Lava Jato, acho que o Teori entendeu que teremos que pagar para ver. Afinal ,ainda não se pune ninguém por suas intenções presentes. Mas por votos e atos e fatos concretos que, eventualmente, cometerem no futuro.

        De resto , é bom lembrar que , na atual conjuntura , votar diante de um microfone contra a Lava Jato e em prol da corrupção, ao vivo e a cores e em tempo real….é suicídio político.

        São notórios os votos da Tia Eron e do Wladimir Costa na Comissão de Ética , que foram dados contra Eduardo Cunha e logo, não me deixam mentir.

        E viva a Lava Jato!

          • Que comentário empírico ? Vamos defender os ladrões atuais , para manter o darwinismo social do temer.. Uma nova verdade de goebbels, como a usada pelo PT, ou jogo de vôlei, com vários levantadores ?:

          • Caro Wagner,
            É divertido como por essa placas em vez de se contra-argumentar , de se refutar os argumentos colocados , sempre se termina , como os cumpanheiros petistas , atirando bobamente em quem só argumentou.
            Abraço!

          • Qual o seu ‘grande argumento’ ? Esse governinho, capacho dos Bancos e defendido por um novo micro sistema financeiro que também quer se locupletar, colocou um senhor de engenho na educação e um pastor na Ciência e Tecnologia, o que mostra o seu total descaso com os destinos do país, quer apenas se equilibrar no poder com os seus míseros 11,3% .

  2. Off-Topic por João Pedroso de Campos, na VEJA.com:

    O Ministério das Relações Exteriores exonerou nesta terça-feira o funcionário que enviou, em março, telegramas para todas embaixadas brasileiras no exterior alertando para um golpe de Estado em curso no país. Milton Rondó Filho, que já havia sido advertido e perdera o direito de autorizar comunicações do Itamaraty, deixará o cargo comissionado de Coordenador Geral de Ações Internacionais de Combate à Fome, cujo salário é de 25.702,98 reais. Os telegramas foram considerados sem efeito pela pasta pouco depois de virem à tona, publicados pelo jornal O Globo. Outro texto, também escrito por Rondó e assinado pela Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais (Abong), manifestou “profunda preocupação” com a crise política no Brasil e defendeu a luta pela democracia. A mensagem da Abong termina com “Não ao Golpe! Nossa luta continua!”

    • Mas a foto da Dilma continua dependurada nas paredes das embaixadas e consulados do Brasil como se ela ainda fosse a presidente. Até aceitaria o fato que não coloquem a foto do Temer, que pode apenas ser um temporário mas a Dilma, atualmente, não é a presidente em exercício. (Como diria o Magri ela é mas não está presidente).

  3. A rigor, a “alma mais pura” de nossa galáxia não devia ter medo de um mero juizinho.

    Se ele for julgado pelo STF a Suprema Corte irá passar o recibo de ser um “aparelho” do PT e confirmar o que disse o jornalista José Nêumanne ao ministro Marco Aurélio Mello no programa Roda Viva. Clique no site abaixo:

    Jornalista José Neumanne Pinto enquadrando ministro Marco Aurélio …
    Vídeo para marco aurélio, jose neumanne, roda viva,

    https://www.youtube.com/watch?v=IUl8rDrZo3U

  4. Que moral tem o Renan Canalheiros com os seus 14 inquéritos, um deles há 1,238 dias parado no STF, para pedir o impeachment do Janot ?
    ” Quando surge o privilégio , a safadeza passa a ser religião ” ( Millôr ).

  5. Como digo faz tempo, a única saida …

    Exclusivo. Acuado, Cunha pode fazer delação premiada
    Por Daniel Carvalho
    15/06/2016, 10h46
    Acuado diante da sucessão de derrotas sofridas por ele e sua família nos últimos dias, o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e seus advogados passaram a considerar a possibilidade de o peemedebista fazer delação premiada. A medida foi defendida por parte do núcleo jurídico que atende Cunha em reunião na residência oficial da Câmara que se estendeu até as 3h desta quarta-feira, 15.
    De acordo com um assessor jurídico de Cunha, ele não quer fazer delação, mas “não descarta nenhuma hipótese”. Segundo este interlocutor, a possibilidade ganhou mais força depois da derrota no Conselho de Ética, do bloqueio de bens dele e da mulher, a jornalista Cláudia Cruz, da multa estipulada pelo Banco Central e da exclusão de Cunha do rol de pedidos de prisão indeferidos pelo ministro Teori Zavascki.
    “Ele está mais incomodado com a situação da Cláudia”, disse o assessor à Coluna do Estadão, em referência à mulher de Eduardo Cunha, que tornou-se ré do juiz federal Sérgio Moro.
    Dois advogados da equipe de defesa do presidente afastado da Câmara já negociaram delação premiada para outros clientes. Fernanda Tórtima defende Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro que gravou conversas comprometedoras com a cúpula do PMDB, e Pierpaolo Bottini intermediou a delação de executivos da Camargo Corrêa.
    Próximos passos. Na reunião que começou ainda na noite de terça-feira, 14, Cunha descartou, mais uma vez, a possibilidade de renunciar à presidência da Câmara. Interlocutores do peemedebista disseram que ele vai “esticar a corda até o último segundo”, pois “o jogo só acaba quando o juiz apita”.
    No encontro, também foram definidos os próximos passos da defesa de Cunha na tentativa de salvar o peemedebista da cassação, o que ficou mais difícil depois que o Conselho de Ética aprovou ontem parecer contrário ao presidente afastado.
    Até o início da próxima semana, a defesa de Cunha vai, além de recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), judicializar o processo no Conselho de Ética. A ideia dos advogados não é atacar a decisão, mas apontar que Cunha teve cerceado seu direito de defesa por não poder ir à Câmara. Ontem, Cunha cogitou ir à sessão do colegiado, mas recuou diante da possibilidade de ser preso por desobedecer decisão judicial.
    ( OESP ).

    • Esqueci.
      Durante a CPI da Petrobras, o Cunha contratou a Kroll para fazer uma investigação, na realidade a Kroll nem investiga, apenas vende as informações que levanta de todos, todos os dias.
      Até hoje o Cunha não apresentou os resultados dessa ‘investigação’

  6. O Antagonista
    ———————————–
    CUNHA NÃO VAI DELATAR
    Brasil 15.06.16

    Michel Temer foi avisado por um procurador da República que Rodrigo Janot jamais assinaria um acordo com Eduardo Cunha.

    Seu caso já está fechado. Depois dos depoimentos de Flávio Cleto, não há nada que ele possa confessar.

    • O Procedimento Oculto em Segredo de Justiça na íntegra…. Tchau Michelzinho….

      Quarta-feira, 15/06/2016, às 15:26, por Matheus Leitão
      Leia íntegra da delação de Machado
      Um dos delatores mais importantes da Lava Jato, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado não só gravou interlocutores peemedebistas – como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente José Sarney -, mas também revelou um esquema de corrupção na subsidiária da Petrobras para enriquecer políticos e influir no resultado de eleições com doações ilegais. O blog disponibiliza a íntegra da delação, com 400 páginas.
      ———-

      (..)…Os anexos ao acordo retratam vertentes de colaboração em
      face de múltiplos titulares de prerrogativa de foro no Supremo Tribunal Federal, nomeadamente o Presidente da República em exercício, Michel Temer, os Senadores Renan Calheiros, Romero Jucá,
      Jader Barbalho, Edison Lobão e Aécio Neves, os Deputados Federais Heráclito Fortes,Jandira Feghali e Marco .Maia, o Governador
      em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles,
      bem como de outras pessoas a que não assiste essa prerrogativa,
      como o ex-Presidente da República José Sarney, o ex-Deputado
      Federal Edson Santos e o ex-Diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.

      http://estaticog1.globo.com/2016/06/15/PET-6138-Delacao-SergioMachado-VOLUME001.pdf

  7. COMO DIRIA O BRAHMA, O TEMER FICOU COM O MIOLO DA PICANHA !
    JBS

    Temer reassumiu PMDB para ‘controlar recursos’, diz Machado
    Por Julia Affonso, Fausto Macedo, Mateus Coutinho, Ricardo Brandt, Isadora Peron e Gustavo Aguiar
    15/06/2016, 16h20
    Doação de R$ 40 milhões do grupo JBS a senadores do PMDB, em 2014, a pedido do PT, provocou ciumeira de parlamentares da legenda na Câmara, forçando intervenção do hoje presidente em exercício, segundo delator da Lava Jato
    Em um dos termos de sua delação, denominado ‘acordo PMDB-PT’, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado afirmou que o presidente em exercício Michel Temer (PMDB) reassumiu a presidência da legenda, em 2014, para ‘controlar a destinação dos recursos do partido’. Sérgio Machado narrou uma suposta reclamação da bancada peemedebista na Câmara sobre uma doação de R$ 40 milhões do grupo alimentício JBS aos senadores do partido.
    O depoimento de Sérgio Machado foi prestado em 6 de maio.
    “Essa informação chegou ao conhecimento da bancada do PMDB na Câmara; que bancada da Câmara foi se queixou a Michel Temer; que esse fato fez com que Michel Temer reassumisse a presidência do PMDB visando controlar a destinação dos recursos do partido; que o depoente não sabe dizer se o grupo JBS obteve algum favorecimento em troca dessa doação”, relatou
    A doação milionária para o PMDB teria sido pedida pelo PT, segundo Sérgio Machado, para as eleições de 2014. À época, PT e PMDB eram unha e carne e disputavam juntos a Presidência da República, com a petista Dilma Rousseff e o peemedebista Michel Temer
    “O depoente ouviu de diversos senadores nas reuniões na casa do Renan que o grupo JBS iria fazer doações ao PMDB, a pedido do PT, na ordem de R$ 40 milhões; que essa informação foi posteriormente confirmada ao depoente pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, ou seja, que este grupo empresarial iria fazer doações no valor de R$ 40 milhões à bancada do Senado do PMDB, a pedido do PT, nas eleições de 2014”, relatou Sérgio Machado.
    “Esse valor era apenas para a bancada do senado; que essa doação seria fei por meio da JBS; que, no que diz respeito ao PMDB, seriam conte lados por doações da JBS diversos senadores, dentre os quais: Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, Eunício Oliveira, Vital do Rêgo, Eduardo Braga, Edison Lobão, Valdir Raupp, Roberto Requião e outros; que não sabe dizer quem do PT receberia esse apoio da JBS.”
    A reportagem pediu manifestação de Temer por e-mail encaminhado à sua assessoria. O espaço está aberto para o presidente.
    A reportagem também enviou e-mail para a assessoria da JBS e aguarda manifestação.
    ( OESP )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *