Luminares e gênios sem a menor chance

Carlos Chagas

O número de ministérios nada tem a ver com a qualidade dos ministros. Fossem 39 gênios, luminares e cidadãos  dotados de saber e experiência excepcionais e certamente o governo iria bem melhor do que anda. O problema que leva tanta gente a pedir a redução dos ministérios tem muito mais a ver com a qualidade dos titulares. Não é por serem tantos que se prega a sua redução,mas, com todo o respeito, por não serem as pessoas certas nos lugares certos. Entregar ministérios aos partidos da base parlamentar oficial, com as exceções de sempre, pode ser próprio do sistema parlamentarista, onde o governo é uma extensão  do Congresso. No presidencialismo, apesar de harmônicos, mas nem sempre, os  poderes são independentes. Ou deveriam ser.

Vai um desafio ao leitor, não apenas o cidadão comum, mas a quantos por dever de profissão deveriam conhecer o ministério: quem será capaz de escrever, sem colar, o nome dos 39 ministros e suas respectivas pastas?   Nem eles, talvez nem a presidente Dilma, se for indagada de surpresa.

Importa evitar o constrangimento de citações nominais para os desconhecidos,  valendo a ressalva de que alguns ministros, por sua capacidade ou por estarem constantemente no noticiário, são conhecidos de todos. Guido  Mantega, da Fazenda, por exemplo. Aluizio Mercadante, por haver-se tornado  uma espécie de coringa do palácio do Planalto.  Mais uns poucos. A maioria cai na vala comum do esquecimento. Alguns, até, só conheceram o gabinete presidencial no dia de sua nomeação, logo depois condenados ao ostracismo administrativo.

Dias atrás a presidente Dilma quis uma radiografia de sua equipe. Através de determinados critérios, fez com que cada ministério fosse classificado em termos de eficiência,  com notas de 1 a 7. Aliás, escala meio estranha, que só ela saberá definir, porque faz séculos que as notas são dadas de 1 a 10. Freud explicaria, mas o importante a ressaltar da tomada de posições feita por restrito grupo de seus auxiliares, mais as respostas enviadas por seus ministros, apenas um ministério alcançou a nota 7.  No caso, foi o  das Minas e Energia, ocupado pelo senador Edison Lobão, que não faz muito tempo viu-se cobrado pela eclosão de alguns apagões, mas recuperou-se.

Não faz sentido a “recomendação” do presidente da Câmara, pela redução de 39  para 25 o  número de ministérios.  O Congresso pouco tem a ver com isso e Henrique Eduardo Alves faria cara feia se a presidente da República criticasse a existência de tantas comissões técnicas preenchidas por deputados. Vale a ressalva inicial: se fossem 39 competentes ministros, cada um apresentando grandes realizações e conquistando a admiração nacional, nem por um minuto se estaria falando da redução. É o conjunto de nulidades que desperta as propostas de diminuição do número.

Choca a opinião consciente do país a prática de que determinado partido, em troca de seu apoio parlamentar, nem sempre cumprido à risca,  tem direito a um ministério. Qual não importa, será aquele que estiver mais à mão ou com seu titular menos cotado, depois de muita inoperância. Troca-se, porém, o seis pelo meia-duzia, não sendo oportuno, também, dar exemplos fulanizados.

Em suma,  não será agora que a presidente Dilma  promoverá uma reforma ministerial. Só quando os ministros candidatos às eleições de 2014 começarem a desincompatibilizar-se para dedicação exclusiva às suas campanhas para governador, deputado ou senador. Seria então a oportunidade de Dilma chegar à ante-sala do segundo mandato, se  vier a recuperar sua popularidade, compondo um ministério de verdade, formado pelos melhores em cada setor de atuação, sem considerações partidárias ou sucedâneos.

Ficará, no entanto, a contradição: quantos votos no Congresso terão esses luminares e gênios?   Pode ser que  nenhum, fator a indicar o mesmo nó em que se meteu o governo do PT, de novo com a ressalva de que a má previsão só se verificará no caso da reeleição. Mas não seria diferente na hipótese da vitória de algum candidato da oposição, também necessitado  de fazer maioria no Congresso. Até se o indicado vier a ser o ex-presidente Lula, não muda nada. Foi ele que inaugurou a moda de trocar ministérios pelo apoio de partidos…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Luminares e gênios sem a menor chance

  1. Todos sabem que esse número ABSURDO de ministérios só serve para EMPREGAR amigos, aliados ou mesmo apaniguados. A própria presidente Dilma sabe disso!

    Quem não se lembra das cenas ridículas protagonizadas por Crivella, quando recebeu de “presente” o risível “Ministério da Pesca e Aquicultura”? Na época ele dissera, de forma homorística, que não sabia colocar uma minhoca num anzol, mas que iria aprender.

    Ora essa… Para que tanto deboche com o dinheiro público? Que país é este?

  2. No MENSALÃO a compra dos votos era dos “parlamentares-picaretas”, um a um, isto é, no VAREJO. Deu no que deu e o PT, com mais presença no mercado, “corrigiu” seu comportamento: passou a comprar os partidos, a atuar no ATACADO. Daí, 40 ministérios, contando o da Mentira Oficial (Marquetagem), o que mais tem trabalhado.

  3. RUI BARBOSA, ATUALÍSSIMO:

    “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.”
    Senado Federal. Rio de Janeiro, DF
    Obras Completas de Rui Barbosa.
    V. 41, t. 3, 1914. p. 86

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *