Madame endoidou e vai convocar eleição este ano?

Charge do Borega (Arquivo Google)

Carlos Chagas

Não há outra explicação: a presidente Dilma endoidou. A que outra conclusão terá chegado quem leu os jornais de ontem, ao se deparar com as manchetes sobre ter ela anunciado que sexta-feira enviará ao Congresso projeto de emenda constitucional antecipando para 2 de outubro as eleições presidenciais marcadas para 2018?

Primeiro, porque nada justifica a supressão de dois anos no atual mandato. Depois, porque para concretizar esse monstrengo, tanto Dilma quanto Michel Temer precisarão renunciar à presidência e à vice-presidência da República. Logo Temer, que se encontra a um passo de assumir o poder por força de dispositivo constitucional. Por obra de que sortilégios faria isso?

Dilma deveria estar lutando por seu mandato, argumentando não haver cometido crime algum, muito menos de responsabilidade. Renunciar revela insanidade para quem se julga inocente.

MISSÃO IMPOSSÍVEL

Acresce que jamais um Congresso, em sã consciência, prestes a livrar-se dela, surpreenderia o país votando a antecipação eleitoral. Nada se torna mais essencial o que cumprir a Constituição, que prevê em sequência ao impeachment a posse do vice-presidente. Realizar eleições fora de época é bobagem. Ainda mais como forma de vingança, para afastar o substituto legal. Quem garante que deputados e senadores votariam tal emenda?

Por último, o derradeiro obstáculo: a candidatura do Lula.  Apesar de andar na baixa, o ex-presidente ainda ocupa a pole-position. Contaria com os votos do PT e adjacências em meio a confusão dos demais partidos, sendo que o PMDB, prestes a ocupar o poder, despencaria no precipício caso aceitasse sacrificar Temer.

Mas tem mais: o PT encontra-se aos farrapos, fora da absurda hipótese de dar a volta por cima e levar outra vez o Lula ao poder. Teria o primeiro-companheiro força e saúde para recomeçar? Talvez para convidar Dilma para chefe da Casa Civil? O reino do absurdo não chegaria a tanto…

Em suma, aguarda-se para amanhã, talvez até para hoje, o desmentido da mais nova iniciativa da presidente Dilma.

8 thoughts on “Madame endoidou e vai convocar eleição este ano?

  1. VIVESSE NUM PAÍS SÉRIO, SÓ A ASSINATURA DESSA DOIDA AUTORIZANDO A COMPRA DA “RUIVINHA” SEM TER LIDO O DOCUMENTO “IN TOTUM” SERIA CAUSA PARA FUZILAMENTO SUMÁRIO !!! O QUE REALMENTE ME PREOCUPA É A FALTA DE HOMENS APTOS A ASSUMIR A PRESIDÊNCIA E COLOCAR ESSE POBRE BRASIL NOS TRILHOS; SÃO TODOS PICARETAS.

  2. Peço desculpas ao articulista mas, a insistência em colocar Lula como opção viável para 2018, soa estranho. Lula está mais para pangaré do que para “pole position”…

    • Uma das razões para o projeto deve ser convocar novas eleições para poder lançar Lula como candidato enquanto ele ainda não está preso. E não se iluda, no quadro atual, com a vitimização do PT e com o discurso de que as eleições seriam para evitar um golpe ele ainda tem potencial para concorrer.

      • Você matou a charada, Wilson. Para Lula a saída é uma Eleição Já, ainda que sem previsão constitucional. Antes dele se transformar em mais uma Ficha Suja e ser impedido de politicar pelos próximos 8 anos.

        • Já passou da hora de mandarem o Jararaca para Curitiba ! Para livrar a sua cara do Dr. Moro ele é capaz de tudo, afinal como ele mesmo disse : ” Uma pessoa presa, entrega até a mãe para saia da prisão’… Frase que deve ter provocado uma crise de gargalhadas no Tuma Jr….

          ” O ex-presidente Lula é o mais empenhado (e o mais interessado) em forçar a antecipação da eleição presidencial, por isso pressiona a presidente Dilma a propor uma emenda constitucional nesse sentido, renunciando logo em seguida. Nesta sexta (9), de preferência. Lula disse a senadores aliados que nem precisa esperar que Michel Temer também renuncie, porque acha que o vice não vai aguentar a pressão. A informação é do colunista Claudio Humberto, do Diário do Poder.
          Lula promete colocar seus black blocs nas ruas, “incendiando o País” e apostando que Michel Temer ficará com medo e renunciará.
          Manifestações violentas de rua, para Lula, também serão úteis para intimidar e forçar o Congresso a aprovar a antecipação da eleição.
          Uma eleição em 2016 pode ser a última chance de Lula: investigado na Lava Jato, em 2018 ele poderá estar preso ou ter se tornado inelegível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *