Maia “inventa” uma isenção legal para evitar cassação de deputados corruptos

O presidente da Câmara Rodrigo Maia

 Maia está tentando salvar seu próprio mandato

Igor Gadelha, Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli
Estadão

Um dos 39 deputados alvo de inquérito na Lava Jato, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que os parlamentares só devem responder a processos no Conselho de Ética na Casa se os crimes apontados nas investigações tiverem sido cometidos no atual mandato. De acordo com Maia, esta é a “jurisprudência” no colegiado, que ele deve seguir. “O que está acontecendo na Câmara desde 2015 e desde antes é que, por exemplo, o Eduardo Cunha (ex-presidente da Câmara, cassado em outubro) apenas respondeu a processo no Conselho de Ética porque mentiu no mandato. Então, há uma jurisprudência na Câmara que você responde pelo ato daquele mandato. Isso está meio que colocado hoje. Pode mudar amanhã”, afirmou, em entrevista ao Estado.

Na prática, o entendimento do presidente da Câmara representa uma espécie de salvo conduto para os parlamentares. Nos inquéritos autorizados pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas delações da Odebrecht, a maior parte dos crimes descritos são anteriores a 2015, início da atual legislatura da Câmara.

ATÉ NA LAVA JATO – Um dos delatores – o ex-executivo Fernando Reis –, porém, afirmou que, mesmo com o avanço da Lava Jato, houve pedidos de caixa 2 na disputa eleitoral de 2016, embora não tenha citado nomes de políticos.

O discurso de Maia é semelhante ao da maioria dos atuais integrantes do Conselho de Ética. Levantamento do Estado publicado no dia 16 de abril mostrou que os membros do colegiado consideram os inquéritos autorizados por Fachin com base nas delações da Odebrecht insuficientes para justificar instauração de processos. Dos 21 titulares, 12 afirmaram que só provas de crime cometido no exercício do mandato levarão a ações por quebra de decoro parlamentar.

Com o caixa 2 representando quase metade das acusações que embasaram os inquéritos da lista de Fachin, Maia voltou a defender a tipificação penal do crime pelo Congresso, prevista no projeto das dez medidas de combate à corrupção enviado pelo Ministério Público e que já foi aprovado pela Câmara, mas está parado no Senado. Hoje, o ato está previsto apenas no Código Eleitoral.

ANISTIA AO CAIXA DOIS – O presidente da Câmara, no entanto, entende que, caso a prática venha a ser tipificado no Código Penal, atos praticados antes disso deverão ser anistiados. “Quando você tipifica, ele passa a ser crime. E o que os advogados dizem é que, se passou a ser crime, é porque antes não era”, afirmou. Ele disse que há dois “caminhos” para resolver o “problema”: só tipificar, “dando espaço de subjetividade de decisão futura do juiz”, ou aprovar a anistia explícita, deixando claro que nem o que está previsto no Código Eleitoral pode gerar condenações.

O presidente da Câmara também defende a diferenciação entre o que é caixa 2 e que é corrupção nas investigações da Lava Jato. “São graves, mas são diferentes. A pessoa que pegou uma obra pública, superfaturou e pegou o dinheiro público para enriquecimento ilícito é uma gravidade diferente de alguém que financiou uma campanha eleitoral, com caixa 1 ou caixa 2”, disse o parlamentar fluminense.

“EXCESSOS” – Na entrevista, o deputado criticou o Judiciário e o Ministério Público pelo que chamou de excessos na Lava Jato. Para ele, o sigilo das delações da Odebrecht, que embasaram os inquéritos da lista de Fachin, deveria ter sido levantado de forma gradual e somente quando as denúncias fossem apresentadas ao Supremo.

Maia, no entanto, não pretende acelerar a tramitação do projeto que endurece penas por abuso de autoridade, já aprovado no Senado. Para ele, “talvez não seja o momento” de votá-lo na Câmara. “Da mesma forma que aprovar uma lei de abuso pode parecer vontade de acabar com a Lava Jato, nesse momento de criminalização da política, mudar o foro pode gerar ambiente de caça às bruxas muito grande”, disse, em referência à Proposta de Emenda Constitucional que restringe o foro privilegiado, aprovado em primeiro turno no Senado na semana passada.

OPOSIÇÃO DIVIDIDA – O entendimento do presidente da Câmara sobre a abertura de processos contra parlamentares no Conselho de Ética, divide até mesmo integrantes da oposição. Para o líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), o parlamentar fluminense “está correto” ao estabelecer uma linha de corte para os pedidos de cassação. “O presidente da Câmara tem que defender o Parlamento. Tem que ter cautela, não tem ninguém processado nem julgado ainda. Portanto, acho que o Rodrigo está correto no sentido de estabelecer algum critério. Não pode ir para o vale tudo”, disse o petista.

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP), por sua vez, afirmou que a avaliação de Maia é uma “visão protetora da corrupção”. “Se o caso é grave, o Conselho de Ética tem que julgar. Se tiver um crime de assassinato lá atrás e se descobre que ele é autor ou mandante, não pode entrar no conselho contra o deputado? Claro que pode”, disse.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGIvan Valente tem toda razão. Realmente, Rodrigo Maia se tornou um dos líderes da bancada da corrupção, que reúne a maioria dos parlamentares federais. As teses de Maia, que juridicamente são ridículas, têm entusiástico apoio de praticamente todos os partidos, o que demonstra o baixíssimo nível do Congresso Nacional. (C.N.)

8 thoughts on “Maia “inventa” uma isenção legal para evitar cassação de deputados corruptos

  1. Estão destruindo o que resta da democracia à brasileira que tínhamos é que já não era muito !!!

    Acorde general Vida-Boa ! Antes que não reste mais nada !!!

  2. Tal pai, tal filho, corrupção para eles, é medalha de condecoração, é um escarnio ao povo, transformado pela corja criminosa hedionda em idiotas e palhaços, A podridão dos 3 poderes, está sufocante, até quando, meu Deus, teremos essas almas trevosas, a sacrificar o trabalhador!?
    Onde andam, os não indiciados, por dever de consciência, deveriam estar com a “boca no trombone, mas, estão caladinhos, gozando as benesses, portanto coniventes, por omissão.

  3. Quer dizer que podemos ter pedófilos, ladrões e serial killers na Câmara, desde que os crimes tenham ocorrido no passado? Faz sentido isso?
    Vou corrigir o poeta: é a bosta, é a bosta, é a bosta.

  4. Quem recebe alguma coisa que foi furtada ou roubada, é enquadrado por receptação, mas com os políticos é diferente.
    Dinheiro desviado de obras públicas, que vão, seja para caixa 1 ou caixa 2, é o seu beneficiário um receptador de algo ilegal.
    Quando a esmola é demais, o santo desconfia, porém a classe política brasileira nem desconfia porque tem certeza de onde vem a grana.
    Dizer que político ignora a fonte, é o mesmo que querer que acreditemos nos contos da carochinha.
    A bem da verdade, este Rodrigo Maia nem deveria estar presidindo a Câmara federal criaram uma “interpretação da lei” a contento dele e do Temer.
    Ainda dizem que vivemos num regime democrático, só se for a tal democracia relativa, dos tempos da “redentora”.

  5. Olha nada mais me surpreende nesse país , ainda mais com a maioria corrupta elaborando leis e outros do mesmo kilate interpretando as mesmas …
    Fala serio: o parlamentar nunca ira cometer crime no mandato atual , pois o crime é praticado antes do mesmos serem eleitos , a pratica do crime ocorre justamente para obter o mandato , esses espertalhões só querem si dar bem !!

  6. Este cidadão de carater duvidoso , que esta sendo denunciado por varios crimes contra a nação e a sociedade , não tem moral para presididir uma associação de bairro , quanto mais o legislativo do pais e pior , ter poder para legislar em causa propia e de seus comparsas.

  7. Maia candidato a choque porcino na linha de produção da Friboi.

    Que elemento execrável, que estrume esse ensebado do Maia…
    Repugnante…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *