Maior erro de Jair Bolsonaro foi pensar (?) que poderia pressionar as Forças Armadas

Bolsonaro monta no Mourão, por Paulo Caruso - GGN

Charge do Paulo Caruso (Arquivo Google)

Carlos Newton

Como era de se esperar, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, convocou uma reunião extraordinária os comandantes militares para a tarde desta segunda-feira, dia 21, em pleno feriado. A conversa com o general Leal Edson Pujol, o almirante de esquadra Ilques Barbosa Júnior e o tenente-brigadeiro do ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, ocorreu por meio de videoconferência, às 16 horas.

O encontro foi convocado pelo ministro no início da tarde de domingo logo após o presidente Jair Bolsonaro ter aparecido de surpresa e participado de uma manifestação diante do Forte Apache, Quartel-General do Exército, em que se pregou mais um golpe militar no país.

FOI UMA PROVOCAÇÃO – Os chefes militares analisaram o estranho comportamento de Jair Bolsonaro, encarado como uma espécie de provocação para que as Forças Armadas se aliem ao presidente na tentativa de pressionar os dois outros poderes da República para que se submetam aos intentos do Executivo.

O mais grave é que o presidente Bolsonaro demonstrou menosprezo às próprias Forças Armadas, ao comparecer diante do Quartel-General do Exército da República para discursar aos manifestantes, que defendiam um novo Ato Institucional nº 5 e o fechamento de dois Poderes da República – o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal.

SEM COMENTÁRIOS – Na reunião, os chefes militares decidiram não se manifestar sobre os acontecimentos de domingo, em que o presidente da República claramente ultrapassou os limites constitucionais de seu cargo. Assim, ficaram valendo os termos da nota divulgada pelo ministro da Defesa na manhã desta segunda-feira, antes da reunião com os comandantes das três Forças.

Na mensagem oficial, o general Fernando Azevedo destacou que “as Forças Armadas trabalham com o propósito de manter a paz e a estabilidade do País, sempre obedientes à Constituição Federal”. Em seguida, referindo-se à pandemia, assinalou que “o momento que se apresenta exige entendimento e esforço de todos os brasileiros”.

Em tradução simultânea, o ministro reproduziu o que contém o artigo 142 da Constituição: as Forças Armadas “destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

ENGANO DE BOLSONARO – Sonhar não é proibido, todos sabem. No entanto, Bolsonaro e os filhos saíram do sonho para o delírio. Foi uma infantilidade pensar (?) que as Forças Armadas pudessem ser novamente pressionadas para descumprir a Constituição. Em 1964 a situação era completamente diferente, com quebra de hierarquia por cabos e sargentos da Marinha e uma série de problemas institucionais. Nada a ver com o Brasil de hoje.

O resultado dos desatinos de Bolsonaro e seus filhos é que as Forças Armadas se posicionam cada vez mais distantes do Planalto, estão atuando no combate ao coronavírus diretamente com governadores e prefeitos e não pretendem intervir caso haja processos de impeachment no Supremo e/ou no Congresso.

Os militares não se sentem representados por Bolsonaro e, democraticamente, vão deixar que o presidente resolva sozinho os problemas que vier a criar. Apenas isso.

16 thoughts on “Maior erro de Jair Bolsonaro foi pensar (?) que poderia pressionar as Forças Armadas

  1. 1) Se o ex-presidente Lula tem postes, o atual presidente também tem…

    2) Diz a Bíblia: “e corte o poste consagrado a deusa Aserá”= Juízes 6:25.

    3) Cada um, cada ser humano tem a sua “deusa Aserá”, os seus ídolos, gurus, dinheiro, poderes etc.

  2. Bolsonaro e os filhos estão fazendo do Brasil uma verdadeira esculhambação. Evidente, quem vai decidir se o Bolsonaro tem condições de exercer o cargo de presidente por incorrer em crimes que dão motivo ao impeachment, é o STF e o Congresso. Se houver o processo de impeachment, certamente as FFAA como garantidora da Constituição vão ficar caladas. A meu ver, se Bolsonaro deixar o poder, será um peso retirado das costas dos militares.
    A pandemia que assola o país deve retardar o início do processo de impeachment. Não é o momento adequado para esse processo.

  3. Frases: “Seja pacífico mas, não passivo”.
    “Majestade, lutei contra os soldados paraguaios, todos homens, agora estamos lutando contra crianças vestidas de soldados. Fizemos nosso papel de soldados; mas, só tem uma maneira de vencer o Paraguai, é matando o soldado no ventre de sua mãe” Duque de Caxias ao Imperador D. Pedro II. O Imperador aceitou sua carta e alçou o Conde D’Eu ao posto de comandante supremo das forças Brasileiras.
    A minha preferida: “O Brasil espera que cada um cumpra com o seu dever”.
    Outra do Livro dos Espíritos: Somos responsáveis pelo mal que fazemos; mas, somos muito mais culpáveis pelo mal que fizemos por nossa omissão.
    PS: Deus nos livre de uma ditadura capitaneada pelo clã Bolsonaro. Mas, que o Brasil precisa ser passado a limpo isto precisa.

  4. Carlos Newton, gostei do texto; me fez pensar.

    A parte em que rememoras o passado “Em 1964 a situação era completamente diferente, com quebra de hierarquia por cabos e sargentos da Marinha e uma série de problemas institucionais” causou em mim uma viagem no tempo.

    E lembrei do comício do dia 13 de março de 1964,
    tendo como local a Central do Brasil.

    Porém … ai porém… o local escolhido ficava junto ao prédio do Ministério da Guerra….

    Agora, no mesmo mês de março, em 2020, a descabida festança (“areté”, em tupi-guarani) foi realizada em frente ao Forte Apache, Quartel-General do Exército…

  5. Renato, você continua imbecil. Só fala asnera e não acrescenta nada. Você que é apoiador de traidores e ladrões da pátria, deveria lavar essa boca e pedir perdão todos os dias a Deus por falar de nossas Forças Armadas. Você deve ser um dos muitos corruptos de esquerda que perderam a boquinha. É um medíocre.

  6. CN, realmente escreves sem saber nada sobre militares. Deves ter teus motivos que não devem ser o que se espera de um jornalista. O principal valor que cultiva-se na vida Militar é a lealdade e o contrário é a traição que em tempo de guerra se paga com a vida no mesmo campo de batalha. Caso tua conversa fosse certa isso seria traição e até alguém poderia ser o “judas” e principalmente os militares de baixo rango não perdoam e isso nunca será a conduta dos altos mandos militares. Isso CN para que entenda que seria “traição” e os comandantes naturais nunca serão. BOLSONARO é o Comandante SUPREMO das forças armadas e junto com o apoio majoritário do povo Brasileiro continuará com a luta contra a CORRUPÇÃO, CRIME ORGANIZADO, OS COMUNAS QUE QUEREM CONVERTIR O BRASIL NUMA VENEZUELA e não conseguiram assim não te goste.

    • Bolsonaro é comandante-em-chefe das Forças Armadas somente na teoria. Na prática, esse tipo de gente não consegue comandar nem mesmo o Recruta Zero. Bolsonaro já era, é apenas uma questão de tempo.

      CN

  7. KKK o boçal acreditou que fazer discurso na frente do Forte Apache trazia os ex-companheiros para dar o golpe de estado. Quebrou a cara, os militares aprenderam a não entrar em roubada alheia. Agora os golpistas são conhecidos pelo nome e pelo endereço, puseram o nome na nossa história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *