Maiores bancadas do Congresso rejeitam a proposta de eleições diretas

Resultado de imagem para eleições diretas  charges

Charge do Edra (chargesdoedra.blogspot.com)

Ranier Bragon e Talita Fernandes
Folha

A maioria do Congresso é contra mudar a Constituição para convocar eleições diretas caso o presidente Michel Temer deixe o poder. Nessa eventualidade, deputados e senadores querem manter a exclusividade de escolher quem comandará o país até dezembro de 2018. A Folha ouviu líderes dos dez maiores partidos da Câmara e do Senado, que reúnem 72 senadores (89% do total) e 397 deputados (77%). Com exceção da esquerda, que é minoritária, todos se declararam abertamente contra as Diretas-Já.

Os oposicionistas PT, PSB e PDT não representam nem 30% das dez maiores bancadas. Para alterar a Constituição, é necessário o apoio de pelo menos 60% dos parlamentares em cada Casa.

CASUÍSMO – PSDB e PMDB são os maiores partidos da base de sustentação do governo e não querem as diretas. “Neste momento acho casuísmo. […] Não podemos ficar brincando de mudar a Constituição a cada crise, em função de um determinado caso, de um determinado momento”, disse o senador Tasso Jereissati (CE), presidente interino do PSDB, partido que já definiu posição unificada contra as diretas neste ano.

“Diretas-Já só em 2018”, reforça Romero Jucá (RR), líder do governo no Senado e presidente do PMDB.

Desde a eclosão da crise que ameaça o cargo de Michel Temer, tomou corpo no Congresso e em setores da sociedade movimento para aprovar uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que determine eleições diretas. Pelas regras atuais, a escolha do sucessor de Temer, caso ele venha a deixar o cargo, será feita pelos 594 parlamentares em eleição indireta a ser realizada 30 dias após a vacância do posto.

REJEIÇÃO RECORDE – Com muitos integrantes sob a mira da Lava Jato, o Congresso tem hoje rejeição popular recorde –de acordo com o Datafolha, 58% da população avalia como ruim ou péssimo o desempenho do Legislativo.

Há em discussão duas PECs que tratam das diretas já, ambas em estágio inicial de tramitação. Na Câmara, a oposição não conseguiu sequer iniciar a discussão da proposta de autoria do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), que está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). No Senado, também na CCJ, a PEC de autoria de Reguffe (sem partido-DF) também não foi votada, apenas lida.

Além de precisar do voto de 60% dos parlamentares em plenário, uma emenda tem tramitação demorada no Congresso – não menos do que três meses, isso sem grandes divergências.

PRAZO EXTRA – Mesmo em um cenário de aprovação a jato (três meses), seria necessário um prazo extra para a organização da eleição direta. Ou seja, ela se daria em dezembro deste ano ou janeiro do próximo, na melhor das hipóteses – isso para cumprir um mandato que se encerra em dezembro de 2018.

“O país está em uma crise política e econômica. Você acha que o Brasil aguenta uma eleição para cumprir um mandato de pouco mais de um ano? Não tem sentido, não tem cabimento. Por mais que tenha que exercer a democracia, não tem como, tem que ser eleição indireta”, diz o líder da bancada do PR, o deputado José Rocha (BA).

Nos bastidores, governistas tem chamado a proposta de “PEC do Lula”. O raciocínio é o de que, fora uma onda a favor de alguém que se apresente “de fora da política”, o petista larga na frente. Apesar de ser réu em cinco ações penais, Lula lidera a corrida com 30% das intenções de voto segundo a última pesquisa do Datafolha.

5 thoughts on “Maiores bancadas do Congresso rejeitam a proposta de eleições diretas

  1. Há jurisprudência eleitoral para convocar eleições diretas após a perda de mandato oriunda de eleições ilegítimas. Uma situação distinta daquela prevista na CF referente à dupla vacância resultando em eleições indiretas. https://goo.gl/IwdUjI

  2. É preciso parar de brincar, de uma vez por todas!
    Se a cada momento, diante de algo imprevisto ou que discordamos trocarmos artigos da Constituição, será melhor escrevê-la em rolos de papel higiênico.
    Basta de safadezas, de pilantragens de dizer e fazer bobagens.
    Brigamos para não mudar regras nos jogos de futebol. No entanto, na política, parece que tudo é possível.
    Povo corrupto sempre terá e merecerá legisladores/administradores/juízes corruptos.
    É uma lógica impossível de mudar/solucionar com leis!
    Fallavena

    • Caro Antonio Fallavena,
      É o momento do cidadão brasileiro assumir as suas responsabilidades pela situação de esculhambação em que se encontra a nação brasileira.
      “Triste país que precisa de leis para que o seu povo não vote em bandidos. Isso é um atestado de irresponsabilidade e falta de compromisso com a NAÇÃO.”
      Como afirmou recentemente o General do Exército brasileiro Eduardo Villas Bôas, nada poderá ser resolvido que não seja pela lei maior do país: a constituição federal/88.
      E ela estabelece que na vacância da presidência da república (Michel Temer) serão feitas ELEIÇÕES INDIRETAS via o mais corrupto Congresso Nacional que já se teve notícia.
      E a essa saída constitucional, aqueles que foram apeados do poder há um ano não querem obedecer, aliás eles nunca obedecem as leis do país, essa é a razão da baderna verificada no último dia 24/05/2017 em Brasília/DF.
      Ou seja, querem aplicar um golpe a fim de salvarem a dupla Lula/Dilma das penas que ser-lhe-ão aplicadas pela justiça brasileira.
      E não se fala mais nisso!

  3. Só espero que os que se apresentem para as eleições indiretas, passem logo pela, peneira da ficha limpa.
    Chega, estamos de “saco cheio”.

  4. A Constituição não é algo que sirva para atender interesses de petistas. Quando promulgada, não assinaram; quando não interessa, não cumprem; quando precisam dela, defendem; quando não precisam, ignoram. Deu pra vcs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *